Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

RCR Arquitectes: território, paisagem e vida como um único relato imanente

RCR Arquitectes: território, paisagem e vida como um único relato imanente

O arquipélago catalão está conformado, em quase toda sua extensão, por uma pequena serra que o acompanha crescendo desde a linha da costa, tangente ao mar, formando falésias, até as poucas dúzias de quilômetros que conformam sua máxima expressão.

A própria arquitetura desta porção costeira tende a ser catalogada, recorrentemente, como arquitetura catalã; obviando e contaminando a arquitetura própria de terra, escura, sombria, pesada. Uma arquitetura - a interior - de digestões lentas, de luz de fundo e ar imóvel, que soa diferente.

Ao noroeste, encontramos uma região onde as faias permanecem imóveis e crescem a uma altura inferior a qualquer outra área do país. Onde a luz é mais suave, turva, onde as sombras são mais tênues e mais profundas. Onde chove diferente. Onde se fala diferente. Onde os campos são diferentes. Aqui vivem. Aqui trabalham. Falamos de Olot. Falamos de RCR.

Olot é a nossa casa. Sempre estivemos com os pés no nosso território, em nossa cidade. Com a mente do lado de fora, explorando, propondo e com nossos pés aqui ... O ambiente é muito especial, muito doméstico, muito limitado. Olot não é uma cidade grande. É confortável. Ficamos mais perturbados com o crescimento profissional e a responsabilidade que assumimos e não pela cidade.

— Entrevista com RCR Arquitectes. Revista SCALAE [Maio, 2013]

O arquiteto japonês Kazuo Shinohara afirmou que era necessário atravessar o imenso caos da metrópole japonesa para atingir o grau zero inicial: o desaparecimento da forma para retornar à essência da natureza. Algo semelhante propunha Jun'ichirō Tanizaki (sem obviamente se referir à cidade japonesa) quando, através de sua prosa poética, nos fazia refletir sobre o belo: não como uma substância em si, mas como um jogo de claros e escuros produzido pela sobreposição da substâncias diferentes que moldam a dança sutil da sombra. Fugir da luz. Descobrir a alma da arquitetura através dos graus de opacidade dos materiais, do silêncio e da escuridão do espaço vazio.

Cortesía de Hisao Suzuki
Cortesía de Hisao Suzuki

Filhos do nosso tempo, RCR Arquitectes atualiza, valoriza e resgata essas sensações para torná-las compatíveis com o nosso modo de vida e sua projeção absoluta. Eles não vivem de nostalgia. Sua atitude em relação ao livro de Tanizaki é a mesma que a respeito da paisagem: entendê-la, não como um elemento esclerótico e museificado que deve ser recriado morbidamente; mas como algo vivo que ensina, uma vez relacionado tudo, intervir com o máximo respeito. Amadurecê-lo. Evolui-lo. Reescrevê-lo, talvez. Algo que nos enriquece fisicamente, que é aplicado diretamente à sua arquitetura. Uma arquitetura que, mais do que evidente, desaparece para se confundir até mesmo com a vida, com o todo.

Desmaterializar-se. RCR entendeu que a única maneira de apreender o ambiente é desmaterializar-se. Ser "lugar" só é alcançado com uma arquitetura que desaparece. Desmaterializar-se para ser. Adaptar-se ao lugar para se tornar um lugar. Em cada trabalho do RCR os materiais que suportam os volumes e que delimitam os espaços permitem, de uma forma ou outra, que a passagem do tempo e da natureza se estabeleça neles. Essa presença também é evidente na atenção pela memória do local, da cidade e do prédio.

A empatia pelo artesão, afastando-se da industrialização da cidade para abordar o material. Autenticidade sem artifício. Trabalhar com um catálogo reduzido de materiais confere à eles uma clareza que suporta os seus próprios valores. Se o material não "gritar", o espaço aparece. Esse conhecimento em trabalhar com o tema da paisagem em si é o que os tornou autores de âmbito internacional.

Nós fugimos de materiais padronizados. Nós gostamos de rugosidade, textura. O tato. Nós gostamos dos materiais que te seguram, materiais com inércia que configuram espaços com inércia. Quando você os visita, a experiência faz você senti-los. A percepção do espaço tem a ver com memória, com bagagem pessoal.

— Entrevista com RCR Arquitectes. Revista SCALAE [Maio, 2013]

Cortesía de Hisao Suzuki
Cortesía de Hisao Suzuki

Visto com a perspectiva que a passagem do tempo nos oferece, o trabalho do RCR constitui uma das mais profundas reflexões e realizações contemporâneas sobre o espaço arquitetônico. Eles aperfeiçoaram sua capacidade de criar filtros e espaços intermediários que não respondem à clássica dualidade interior-exterior. Nós vemos isso no espaço público Teatro la Lira [Ripoll, 2011]. O que os arquitetos fazem é trabalhar o vácuo; em bruto, como uma escultura à maneira de Jorge Oteiza, meio enterrada nela, perfurando o terreno.

Cortesía de Hisao Suzuki
Cortesía de Hisao Suzuki

Durante grande parte da história da arquitetura, o exterior e o interior se separaram, como se o homem estivesse fora da natureza. Busca-se a união, o encontro de relações que entrelaçam sua arquitetura. O espaço se dissolve e flui. Uma arquitetura mais centrada na experiência, no ar, no vazio, na energia. Em suma, provocar relações inesperadas que geram novas percepções.

O que eles fizeram durante estes anos foi dissecar pacientemente o espaço em seus diferentes componentes: materiais, luz, translucidez, filtros, reflexos, ambientes, temperatura, toque, etc. RCR se dedicou a enquadrar o vazio e o visual: eles fazem isso em Ripoll, definindo uma magnífica porta de entrada para a cidade; assim como no Pavilhão de acesso à Fageda d'en Jordà [Can Blanc, 1994], no Pavilhão de banho em Tossols-Basil [Olot, 1998], e no Pavilhão de acesso à pista de atletismo de Olot [Olot, 2012]. Um sistema em que, além de enquadrar a paisagem e dissecar o espaço, as falsas dicotomias entre materialidade e invisibilidade são desconstruídas; entre interior e exterior; entre aberto e fechado. Nesse sistema, fluem as formas vivas do organicismo e as geometrias mais radicais da abstração e do minimalismo.

RCR tornou possível um sistema arquitetônico em que predominam o conceito e o processo; em que a forma é renunciada como premissa e a matéria informa - ou "phylum" - sobre o qual Gilles Deleuze e Félix Guattari escreveram, torna-se uma fonte proteica para inventar e experimentar espaços que melhorem as condições de "ser" do homem no planeta. Los tres de Olot que, em sua deriva pessoal compartilhada e em suas intervenções, dão origem a uma fusão abstrata; uma arquitetura motivada pela compreensão do território, da paisagem e da vida como a única história imanente e absoluta; em que tudo está conectado: um contínuo universal. A arquitetura assim proposta tende a ser despojada das evidências e preconceitos do uso convencional, cultura e configuração; oferecendo-se à ela de forma estranha, mágica e misteriosa, sem prejuízo imediato e imenso do épico e da lógica tingidos de sentido profundo.

Galeria do Projeto

Ver tudo Mostrar menos
Sobre este autor
Cita: Fernández, Borja. "RCR Arquitectes: território, paisagem e vida como um único relato imanente" [RCR Arquitectes: territorio, paisaje y vida como un único relato inmanente] 25 Dez 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/907736/rcr-arquitectes-territorio-paisagem-e-vida-como-um-unico-relato-imanente> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.