Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Entrevistas
  3. Sergei Tchoban: "Não podemos evitar olhar para a arquitetura. Arquitetura deve ser bela"

Sergei Tchoban: "Não podemos evitar olhar para a arquitetura. Arquitetura deve ser bela"

Sergei Tchoban: "Não podemos evitar olhar para a arquitetura. Arquitetura deve ser bela"
Sergei Tchoban: "Não podemos evitar olhar para a arquitetura. Arquitetura deve ser bela", Music- & Lifestyle Hotel nhow, 2010, Berlin. Image © Thomas Spier
Music- & Lifestyle Hotel nhow, 2010, Berlin. Image © Thomas Spier

Após ser educado no Instituto Repin de Pintura, Escultura e Arquitetura em São Petersburgo, Sergei Tchoban se mudou para a Alemanha aos 30 anos de idade. Ele agora executa práticas paralelas em Berlim e Moscou, após tornar-se sócio-gerente da NPS Tchoban em 2003 e co-fundador da SPEECH com Sergey Kuznetsov em 2006. Em 2009, a Fundação Tchoban foi formada em Berlim para celebrar a arte perdida de desenhar através de exposições e publicações. O Museu de Desenho Arquitetônico da Fundação foi construído em Berlim em 2013 para o projeto da Tchoban. Nesta última entrevista para sua série “Cidade das Ideias”, Vladimir Belogolovsky conversou com Tchoban durante seu recente encontro em Paris sobre identidades arquitetônicas, inspirações, a paixão fanática do arquiteto pelo desenho e intangíveis como a beleza.

Villa in Wasiljewo, 2009, near Saint Petersburg. Image © Aleksey Naroditsky Museum for Architectural Drawing, 2013, Berlin. Image © Roland Halbe Actor Galaxy, 2015, Sotchi. Image © Aleksey Naroditsky Expo Pavilion Milan, 2015, Milan. Image © Aleksey Naroditsky + 45

Benois House, 2008, Saint Petersburg. Image © Roland Halbe
Benois House, 2008, Saint Petersburg. Image © Roland Halbe

Vladimir Belogolovsky: Como você definiria os principais objetivos de sua arquitetura e quais são suas metas?

Sergei Tchoban: Em minha paixão pela arquitetura, sou guiado principalmente pelas cidades e situações urbanas de mise-en-scène que mais gosto, e aquelas em que eu realmente gosto, imediatamente tento capturar no papel. Mais ainda, meus desenhos normalmente são composições acabadas, ao contrário de esboços rápidos que a maioria dos arquitetos faz em suas viagens. Eu tenho uma atitude muito direta em relação à arquitetura. Sempre faço uma pergunta simples: gostaria de desenhar um dos meus próprios projetos ou os projetos dos meus colegas? Este critério pode ser frívolo, mas, de fato, é bastante rigoroso. Em meus projetos, eu tento ir além dos limites do minimalismo modernista corriqueiro, que é baseado na produção de uma particular perfeição do detalhe arquitetônico, mas não chega exatamente àquele ambiente atmosférico, que admiramos em nossas cidades favoritas.

VB: Quais são as cidades a que você se refere como suas favoritas?

ST: Acho que muitos de nós nomearão Paris, Veneza, Roma ou São Petersburgo, minha cidade natal.

Granatny 6, 2010, Moscow. Image © Aleksey Naroditsky
Granatny 6, 2010, Moscow. Image © Aleksey Naroditsky

VB: Todas essas cidades são históricas. Existe uma mensagem por trás de suas escolhas?

ST: Bem, eu também gosto de Londres e Milão, onde a contemporaneidade desempenha um papel importante e contrastante em seu diálogo com o tecido histórico. Existem inúmeras teorias sobre a arquitetura modernista e contemporânea, mas raramente refletimos sobre o papel que esta arquitetura pode desempenhar na totalidade de uma cidade histórica. Em suas manifestações mais agudas, a arquitetura contemporânea tende a contrastar muito com o ambiente ao seu redor - seja por ter uma geometria complexa ou assumir um caráter ascético. Em minha opinião, no entanto, não deveria haver esse forte contraste. É por isso que prefiro a arquitetura contemporânea que apresenta riqueza de detalhes. Também estou preocupado com o modo como a nova arquitetura é construída em cidades jovens livre de camadas históricas. Podemos criar uma composição orgânica ou orquestrada, por assim dizer, confiando apenas na arquitetura moderna? O que estou dizendo é que podemos chegar a uma orquestra composta apenas de instrumentos de uma faixa específica, como a percussão. Mas vejo a arquitetura como algo mais variado. Para alcançar essa diversidade, é importante prestar atenção às superfícies e detalhes.

House Langenzipen, 2006, Saint Petersburg. Image © Bernhard Kroll
House Langenzipen, 2006, Saint Petersburg. Image © Bernhard Kroll

VB: Em uma de suas entrevistas, você disse: “Eu definiria o seguinte objetivo diante dos arquitetos contemporâneos: sem literalmente imitar as técnicas artísticas do passado, deveria haver um desejo real de alcançar o nível de complexidade, que era característico da arquitetura histórica e ainda os ganhos do modernismo não devem ser perdidos”. Por que você acha que a nova arquitetura é menos complexa do que a arquitetura histórica?

ST: A arquitetura histórica é mais complexa em termos de suas superfícies. Edifícios são percebidos de diferentes perspectivas. De longe, eles são reconhecidos como silhuetas e formas. Da história, conhecemos cúpulas, torres, minaretes e outras características proeminentes que assumiram papéis especiais na estrutura de uma cidade. Mas, uma cidade não é apenas um panorama. Qualquer cidade é o que se abre a partir do olhar do pedestre que a percebe a partir de sua localização. Nessa perspectiva, a cidade é vivenciada no nível de detalhes, e é a arquitetura histórica que está muito mais saturada de detalhes e tem superfícies mais complexas do que a arquitetura contemporânea oferece. Essa complexidade não é bem traduzida em nossos tempos. É por isso que muitas vezes ficamos desapontados, quando nos aproximamos de um edifício contemporâneo, que por meio de sua forma pode ser bastante complexo. A pele de tal edifício não é tão interessante quanto sua forma poderia ter sugerido e prometido à distância. É claro que há exceções, mas se estamos falando de arquitetura contextual em massa, então, perdemos para exemplos históricos quanto à sua atenção aos detalhes.

Além disso, quando discutimos esses detalhes, também não devemos esquecer as diferentes condições climáticas. As cidades do sul podem ter edifícios mais minimalistas do que no norte. Eu, na maior parte, trabalho nas cidades do norte, onde a pouca luz e a chuva ou a neve frequentes não combinam com a abordagem minimalista.

As pessoas sentem falta da linguagem detalhada, da complexidade dos materiais e da rica textura dos edifícios do passado. E se examinarmos as tendências mais recentes, veremos que os arquitetos têm prestado mais atenção a esses problemas ultimamente. Há muitos novos edifícios que usam tijolos texturizados dispostos em padrões complexos. Há uma investigação em andamento nesse sentido. E hoje, vemos menos exemplos de modernismo abertamente ascético integrados ao meio histórico. Arquitetos estão tentando trazer mais arte e plasticidade para a arquitetura contextual com o uso de materiais em camadas e padrões complexos.

Seasons Ensemble, 2013, Saint Petersburg. Image © Aleksey Naroditsky
Seasons Ensemble, 2013, Saint Petersburg. Image © Aleksey Naroditsky

VB: Para dar alguma referência, quais arquitetos de qualquer período histórico você mais admira e poderia citar alguns de seus edifícios que particularmente gosta?

ST: Adoro passar o tempo em Viena, onde gosto de visitar os edifícios de Otto Wagner. Adoro a dualidade do famoso manifesto Ornamento e Crime de Adolf Loos, apesar do fato de que ele usou o padrão natural de mármore como ornamento. Sua arquitetura me ensina uma coisa - não pode haver edifícios sem detalhes. Você não pode negar que nosso olho exige complexidade. Nós olhamos para uma árvore e temos prazer em observar suas folhas - isso é um fato.

Hamburger Hof, 2010, Berlin. Image © Roland Halbe
Hamburger Hof, 2010, Berlin. Image © Roland Halbe

VB: Você foi educado na Rússia e passou a maior parte de sua vida profissional na Alemanha. Agora que sua prática ocorre em ambas as circunstâncias há muitos anos, você vê diferenças significativas em como a arquitetura é feita nesses países?

ST: Na Rússia, há menos preocupação com a auto-expressão e busca de um caminho individualista único.

VB: Você acha que há uma forte preocupação com a auto-expressão na Alemanha?

ST: Certo. Você sempre pode distinguir projetos alemães de não alemães. Assim como podemos distinguir facilmente o barroco italiano do francês, certo?

Tuchfabrik, 2016, Berlin. Image © Werner Huthmacher
Tuchfabrik, 2016, Berlin. Image © Werner Huthmacher

VB: O que faz da arquitetura alemã ser alemã?

ST: Secura, precisão nos detalhes, respeito pelo contexto, a recusa em usar formas deliberadamente extravagantes.

VB: Essa abordagem é defendida na academia?

ST: Acho que não. Mas está no ar lá. Países são diferentes. O mundo não é global.

VB: Você se considera mais como um arquiteto alemão ou russo?

ST: Na Alemanha, trabalho para o ambiente alemão e na Rússia para o russo. Como você pode projetar da mesma maneira na Alemanha e na Rússia?

Actor Galaxy, 2015, Sotchi. Image © Aleksey Naroditsky
Actor Galaxy, 2015, Sotchi. Image © Aleksey Naroditsky

VB: Quando olhamos para os seus projetos, o que muitas vezes se destaca são características como cantilevers profundos e encurvados, e um esforço para ser elevado. De onde você tira suas inspirações para essa imagem?

ST: Meu trabalho é dividido em dois grupos distintos - contextual com edifícios que se encaixam naturalmente em seus arredores e pontos de referência, que podem ser muito mais altos, passar por cima dos vizinhos e até cruzar com eles. Esses edifícios estão situados em um diálogo mais complexo com seu ambiente. É este tema de justaposição de diferentes camadas - históricas e geométricas - que é a arquitetura mais urgente.

Living Levels, 2015, Berlin. Image © Roland Halbe
Living Levels, 2015, Berlin. Image © Roland Halbe

VB: E, no entanto, de onde vêm suas imagens?

ST: Eles saem dos meus desenhos. Eu viajo muito e passo muito tempo desenhando. Estou interessado em situações tradicionais de mise-en-scène em cidades históricas, detalhes de edifícios individuais e contrastes que ocorrem quando camadas históricas e contemporâneas se sobrepõem. Esses desenhos vêm naturalmente em meus projetos. Para mim, uma cidade é como uma peça de teatro e os meus edifícios desempenham papéis diferentes. Existem edifícios comuns e extraordinários que desempenham papéis principais. Os arquitetos também devem conhecer bem como projetar edifícios comuns. Deve haver uma hierarquia de papéis. Nem todos os papéis devem estar liderando.

Museum for Architectural Drawing, 2013, Berlin. Image © Roland Halbe
Museum for Architectural Drawing, 2013, Berlin. Image © Roland Halbe

VB: De onde surgiu a ideia de formar e construir um novo Museu de Desenho Arquitetônico, que iniciou em Berlim há alguns anos?

ST: Em minha opinião, um desenho deve ser a chave para a compreensão da arquitetura - o que há para gostar ou não gostar, de onde vêm as ideias dos arquitetos, como essas ideias chegam ao papel e o que é importante nesse processo. O Museu é um projeto colaborativo com meu ex-sócio da SPEECH, Sergey Kuznetsov, que agora é o principal arquiteto de Moscou. O museu convida principalmente outras coleções de museus e fundações, onde projetos gráficos arquitetônicos são enterrados em arquivos e raramente exibidos. Até agora, apresentamos desenhos originais de Piranesi do Museu Sir John Soane em Londres, desenhos da Albertina em Viena, a École des Beaux-Arts em Paris, e agora estamos trabalhando em outra exposição com o Victoria and Albert Museum em Londres. Também exibimos espetáculos pessoais de arquitetos como Peter Cook, Lebbeus Woods e Alexander Brodsky. Apresentamos arquitetura desenhada em papel em todas as suas formas. Sou um desenhista apaixonado e acredito que um desenho arquitetônico é uma obra de arte autônoma.

Museum for Architectural Drawing, 2013, Berlin. Image © Roland Halbe
Museum for Architectural Drawing, 2013, Berlin. Image © Roland Halbe

VB: Você iniciou e organizou numerosas exposições e duas vezes apresentou a Rússia em Bienais de Arquitetura em Veneza. Do que você gosta em interpretar como curador? O que um arquiteto pode aprender ao ser um curador?

ST: Eu amo a curadoria de exposições. Por exemplo, agora estou projetando um espaço para uma exposição muito especial de mais de 40 obras do Vaticano, incluindo obras-primas como Rafael, Caravaggio e Perugino. Estamos trabalhando nesta mostra em conjunto com o arquiteto de Moscou, Agniya Sterligova. Estou interessado em criar espaços fechados, que permitem imergir em um ambiente único.

Museum for Rural Labour, 2015, Zvizzhi. Image © Dmitry Chebanenko
Museum for Rural Labour, 2015, Zvizzhi. Image © Dmitry Chebanenko

VB: Posso dizer que essas exposições para você são uma espécie de laboratório onde obtém ideias para seus projetos arquitetônicos?

ST: O oposto é verdadeiro. Alguns dos meus sonhos não realizados em arquitetura surgiram em meus projetos expográficos. Por exemplo, sempre gostei de desenhar espaços esféricos e helisféricos. Eu finalmente percebi essa ideia de um panteão construído como uma cúpula em meu projeto de exposição para o Pavilhão Russo na 13ª Bienal de Arquitetura de Veneza em 2012. Nesse projeto, eu fundei fantasias de arquitetos como Ledoux e Boullée, e realizei um projeto de sonho, uma pessoa entrando em um espaço ideal, uma esfera.

Russian Pavilion at the 13 th Biennale in Venice, 2012. Image © Patricia Parinejad
Russian Pavilion at the 13 th Biennale in Venice, 2012. Image © Patricia Parinejad

VB: Te conheço há muito tempo e leio muitos de seus textos e entrevistas. Você concordaria que uma palavra que você usa com mais frequência do que outras é beleza?

ST: Concordo.

VB: No entanto, também é verdade que esse termo, “beleza”, dificilmente é usado pelos arquitetos hoje em dia e também é evitado pela maioria dos artistas.

ST: Há uma diferença. Somos livres para não olhar para pinturas, mas não podemos evitar olhar para a arquitetura. Arquitetura deve ser bela. Eu associo beleza a noções como tensão, complexidade, contradição - todas essas características. Além disso, tal definição como harmonia contrastante também me impressiona muito, já que a harmonia das contradições e não apenas as semelhanças poderiam ser hoje consideradas como beleza. Tudo isso faz parte da busca por um gesto artístico atraente.

Seasons Ensemble, 2013, Saint Petersburg. Image © Aleksey Naroditsky
Seasons Ensemble, 2013, Saint Petersburg. Image © Aleksey Naroditsky

VB: O desenho é uma de suas principais paixões. O que você pensa quando desenha?

ST: Estou sempre pensando e falando sobre a combinação e contraste, bem como a coexistência de diferentes elementos do ambiente. Estou me perguntando como transmiti-los graficamente. Isso é infinitamente fascinante e eu sou muito apaixonada pelo desenho.

The White, 2016, Berlin. Image © Werner Huthmacher
The White, 2016, Berlin. Image © Werner Huthmacher

VLADIMIR BELOGOLOVSKY é o fundador do Projeto Curatorial sem fins lucrativos com sede em Nova York. Formado como arquiteto na Cooper Union em Nova York, escreveu cinco livros, incluindo Conversas com Arquitetos na Era da Celebridade (DOM, 2015), Harry Seidler: LIFEWORK (Rizzoli, 2014) e Modernismo Soviético: 1955-1985 ( TATLIN, 2010). Entre suas numerosas exposições: Anthony Ames: Paisagens do tipo Objeto na Casa Curutchet, La Plata, Argentina (2015); Colômbia: Transformada (American Tour, 2013-15); Harry Seidler: Pintura para Arquitetura (turnê mundial desde 2012); e Jogo de Xadrez para o Pavilhão Russo na 11ª Bienal de Arquitetura de Veneza (2008). Belogolovsky é o correspondente americano da revista de arquitetura SPEECH, com sede em Berlim, e lecionou em universidades e museus em mais de 20 países.

A coluna de Belogolovsky, City of Ideas, apresenta aos leitores do ArchDaily suas conversas mais recentes e contínuas com os arquitetos mais inovadores de todo o mundo. Essas discussões íntimas fazem parte da próxima exposição do curador com o mesmo título, que estreou na Universidade de Sydney em junho de 2016. A exposição Cidade das Idéias vai viajar para locais em todo o mundo para explorar conteúdo e design em constante evolução.

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Cita: Belogolovsky, Vladimir. "Sergei Tchoban: "Não podemos evitar olhar para a arquitetura. Arquitetura deve ser bela"" [Sergei Tchoban: “We Cannot Avoid Looking At Architecture; Architecture Should Be Beautiful”] 27 Dez 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Pereira, Matheus) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/907672/sergei-tchoban-nao-podemos-evitar-olhar-para-a-arquitetura-arquitetura-deve-ser-bela> ISSN 0719-8906

Mais entrevistas em nosso Canal de YouTube

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.