Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Água potável deve ser um desafio para os arquitetos? Dutch Studio Ooze tem apostado nisso

Água potável deve ser um desafio para os arquitetos? Dutch Studio Ooze tem apostado nisso

Em uma pequena faixa de terra entre o rio Emscher e o canal Rhine Herne, na Alemanha, há um ponto de parada cuja aparência colorida desmente seu propósito radical. O projeto engenhoso da estrutura consiste em tubos condutores de dois banheiros e do Emscher (o rio mais poluído da Alemanha) e que convergem em um pequeno jardim comunitário e fonte. O jardim é, na verdade, um pântano artificial que recolhe, trata e limpa a efluência dos sanitários e do rio - tornando potável.

Cortesia de Ooze
Cortesia de Ooze

Cortesia de Ooze Cortesia de Ooze Cortesia de Ooze Cortesia de Ooze + 9

O projeto de 2010, conhecido como Between the Waters, foi um dos primeiros projetos da Ooze Architecture, com sede em Roterdã, e de seus dois fundadores, Eva Pfannes e Sylvain Hartenberg. Ooze é focado em um objetivo muito específico: encontrar soluções para a crise mundial de água potável através da observação, imitação e normalização social dos processos de purificação de água que ocorrem naturalmente. “As soluções já estão lá, elas sempre estiveram lá, enraizadas na natureza”, diz Hartenberg. “Apenas usamos essas ideias que o ambiente nos apresentou o tempo todo e as modificamos para criar sistemas que sejam eficientes, de baixa tecnologia e de fácil manutenção.”

A área úmida construída - sistema de filtragem exposto no Between the Waters - exemplifica o tipo de sistema que Ooze usa com frequência. Esta paisagem artificialmente criada opera como uma peneira usando sedimentos e a vegetação como quebra das substâncias tóxicas. Mas, ao contrário de uma área úmida de ocorrência natural, essas paisagens usam sedimentos e plantas específicas que otimizam as condições para os microrganismos desejáveis (e detêm os insetos e bactérias odoríferas). Mas não é a cura para a escassez de água limpa do mundo: diferentes paisagens e climas exigem soluções diferentes. Além disso, Pfannes e Hartenberg sabem que muitos clientes e comunidades duvidam de suas propostas. "Queríamos ter exemplos em menor escala que pudéssemos apontar quanto a licitação de um projeto ou da aproximação de um município", diz Pfannes. "Eles sempre podem ser ampliados dependendo da população."

Essa ampliação se manifestou em vários projetos desde Between the Waters, incluindo um projeto de 2012 em que a dupla apresentou seus trabalhos a membros do governo do Rio de Janeiro como uma maneira de resolver a luta da cidade por água limpa nos assentamentos não planejados, conhecidos como favelas. “Eles estavam extremamente interessados no trabalho que estávamos fazendo, mas não tinham absolutamente nenhum dinheiro para que isso acontecesse”, diz Hartenberg. “Basicamente disseram: 'Se você puder encontrar o dinheiro, vamos apoiá-lo nessa ideia radical”.

Cortesia de Ooze
Cortesia de Ooze

E assim os arquitetos partiram para encontrar financiamento e realizar seus protótipos. Passaram os primeiros dois anos do projeto conversando com ativistas, habitantes, líderes comunitários e ecologistas para entender melhor os problemas que afetam a área. “Nós deixamos as pessoas explicarem todos os seus problemas em torno da água, então isso se tornou o documentário [filme], e com base nisso, demos nossas soluções para os bairros e apresentamos aos financiadores [na Europa]”, diz Pfannes.

A solução, batizada Água Carioca, era essencialmente uma versão maior de Between the Waters, espalhada por um único local em uma favela do Rio de Janeiro. Devido as florestas tropicais protegidas próximas da cidade, o transporte de resíduos fora da cidade estava fora de questão. "Tivemos que resolver o problema exatamente onde estava e exatamente onde a água estava sendo consumida", diz Pfannes.

Este é o lugar onde a zona úmida construída entrou em jogo: O pântano requer aproximadamente cinco metros quadrados para filtrar o lixo de uma pessoa por dia. E com os reservatórios de água já ocupando uma grande quantidade de espaço dentro das favelas, Pfannes e Hartenberg sabiam que tinham espaço para operar. O protótipo de Ooze filtraria a efluência de cerca de 150 pessoas por dia (cerca de 646 galões) provenientes dos riachos e lagos poluídos da favela. Ooze recebeu uma doação de US$ 30 mil da fundação LafargeHolcim para construir o primeiro protótipo no Rio em uma escola. O projeto foi realizado, mas outros planos para atender todo o município foram suspensos por causa dos interesses políticos.

Pouco depois, Hartenberg e Pfannes foram abordados pelo município de Chennai, na Índia. Haviam aprendido sobre o trabalho de Ooze e estavam interessados em criar estratégias contra inundações e secas. Devido a uma estação chuvosa de dois meses intensa, um sistema de drenagem subterrânea incompleto e a falta de permeabilidade superficial (Chennai é densamente construída), a cidade sofre com inundações extremas crônicas - diluentes que provocam piscinas de água tóxica e não potáveis em todos os lugares. A estação seca também traz secas severas. 

© Raul Correa Smith
© Raul Correa Smith

_

_

Cortesia de The Hindu Times, via Metropolis Magazine
Cortesia de The Hindu Times, via Metropolis Magazine

Mais uma vez, os arquitetos se voltaram para o ambiente natural para sua solução. Através de conversas com residentes e especialistas de longa data, e analisando a paisagem atual e histórica da região, Hartenberg e Pfannes aprenderam uma estratégia de gerenciamento d'água implementada pelos mongóis nos séculos XVII e XVIII, que cavaram milhares de valas que lentamente permitem a água da chuva permearem a terra e restaurarem os aquíferos da cidade. De lá, a água purificada poderia ser bombeada com poços. “Com a urbanização, esse sistema foi esquecido”, diz Pfannes. “Eles construíram sobre os lagos e desviaram a água onde ela basicamente está perdida para sempre e novamente, nos afastamos dos sistemas que a natureza nos proporcionou”.

A proposta final de Ooze para Chennai consistia em piscinões similares em toda a cidade. Fiel à forma, as áreas úmidas construídas também aparecem no plano: em vários lugares, elas ajudariam no processo de filtragem. O projeto, apropriadamente chamado City of 1,000 Tanks, terá uma abordagem incremental para a implementação. "As pessoas precisam se acostumar com a ideia de sua água ser filtrada a céu aberto", diz Hartenberg. Atualmente está sendo testado em escalas que variam de 8.000 a 400.000 residentes em toda a cidade.

Cortesia de Ooze
Cortesia de Ooze

Mais recentemente, a dupla foi convidada pelo centro de design do Brooklyn A/D/O para desenvolver e apresentar uma solução para os desafios de águas residuais de Nova Iorque. A metrópole tem um sistema combinado de drenagem de águas pluviais que frequentemente é inundado pela chuva, levando a descargas de águas pluviais mistas e esgoto no East River e outros corpos d'água naturais. A proposta da Ooze Every Other Street recomenda transformar milhares de ruas da cidade em superfícies porosas que absorvem a água da chuva, reduzindo assim os transbordamentos e a dependência da cidade em infraestrutura rígida.

Embora uma realização generalizada de Every Other Street seja exagerada, o projeto destaca como um retorno à natureza poderia beneficiar Nova Iorque altamente planejada, da mesma forma que ajudou o Rio de Janeiro e Chennai. “Ao trazer Nova Iorque e os Nova iorquinos um pouco mais perto da natureza através do redesenho de suas ruas, temos o poder de evitar a poluição e transmitir um estilo de vida melhorado de uma só vez”, diz Hartenberg. "É apenas ouvir o que a natureza quer."

Sobre este autor
Cita: Newsham , Bridget. "Água potável deve ser um desafio para os arquitetos? Dutch Studio Ooze tem apostado nisso" [Is Clean Water a Challenge for Architects? Dutch Studio Ooze is Betting On it] 24 Dez 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Pereira, Matheus) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/907597/agua-potavel-deve-ser-um-desafio-para-os-arquitetos-dutch-studio-ooze-tem-apostado-nisso> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.