Como um croqui diário melhorará sua arquitetura

Como um croqui diário melhorará sua arquitetura

Este artigo foi publicado originalmente na Common Edge com o título "How the Quick Daily Drawing Puts Humanity Back Into Architecture."

O arquiteto Frank Harmon tem um compromisso diário: ele tenta fazer um desenho à mão livre todos os dias. Ele não gasta muito tempo com cada um. Cerca de cinco minutos. Esses gestos rápidos de representação são como capturar relâmpagos em uma garrafa ou, como Virginia Woolf disse uma vez sobre a importância de escrever todos os dias, “bater a rede para capturar a borboleta do momento”. Para capturar esses momentos, você deve ser rápido. O minuto se move. Os desenhos de Harmon parecem soltos, confusos nas bordas. Você sente sua duração de cinco minutos.

AOA Architects
AOA Architects

Os estudantes de arquitetura, muitas vezes, ficam aterrorizados com ter que fazer croquis rápidos, devido a essa frouxidão, uma sensação de quase relaxamento. Eles se esforçam para fazer um desenho "bonito" em vez de capturar a tal borboleta. O belo desenho é uma evidência de observação detalhada, talvez a habilidade de construir perspectiva, o controle do instrumento em sua mão. Mas esse não é o ponto dos desenhos de Harmon. Sua liberdade comunica um valor e um objetivo diferentes: estar no momento, esboçando rapidamente a cena que se desenrola diante de você. A mão trêmula de Harmon transmite uma grande energia a seus desenhos, que são menos documentais e mais como um abraço visual - o beijo de sua caneta nanquim e pincel de aquarela.

Harmon reuniu dezenas de seus desenhos em um novo livro, Native Places (ORO Editions, 2018), que também é o título de um site onde ele oferece vinhetas de croquis emparelhados com suas reflexões sobre os lugares em suas viagens pelo mundo em que captura em palavras e traços. Harmon começou a desenhar quando criança e carregou um caderno de rascunhos pela maior parte de sua vida adulta. Desenhar o levou à arquitetura, e ele descreve o ato de desenhar como “uma maneira de ver”. Ele acredita ter aprendido mais sobre o ambiente construído observando pessoalmente e desenhando lugares e como as pessoas se envolvem com eles do que ele poderia ter através de somente a escola de arquitetura (ele estudou na North Carolina State College em Raleigh e na Architectural Association em Londres).

Pezo von Ellrichshausen
Pezo von Ellrichshausen

Enquanto estudante, observando o mundo natural e construído ao seu redor, Harmon descobriu que se lembraria de um lugar melhor se o desenhasse em vez de tirar uma foto. Esboçando um celeiro ou um castelo, ele diz: “Eu me lembrarei daquele lugar para sempre.” Harmon descobriu a arquitetura de um lugar sentindo-o através de seus dedos e a ponta de uma caneta, ou através de uma pincelada rápida. Ele lembra que desenhar uma catedral o fez "recriar o projeto e a construção de arcos de pedra e arcobotantes".

Harmon não escreve sobre os desenhos que ele cria. Mais frequentemente ele escreve sobre a vida que acontece neles e ao redor dele, como ele rapidamente esboça. Ele comenta sobre o tempo, a luz, o ar, os aromas, os sons das pessoas. O que vem através é grande empatia para os seres humanos que povoam os lugares que ele registra. As histórias são sobre pessoas reunidas em um lugar, compartilhando um momento. Os desenhos captam o espírito do lugar em que esse arquiteto se deparou, mas as palavras de Harmon se concentram na troca pessoal entre as pessoas enquadradas pela arquitetura. É como se a arquitetura recuasse e o drama humano avançasse, moldasse e desse o significado pelos lugares em que transpiram.

Este elemento é mais comovente no desenho de Harmon de um projeto do Rural Studio em Hale County, Alabama, onde os estudantes de arquitetura da Universidade de Auburn vêm projetando / construindo para retribuir a essa comunidade desde que Samuel Mockbee e D.K. Ruth começaram o estúdio há 25 anos. Harmon comenta que, ainda mais importante do que a arquitetura criada pelo Rural Studio, são os mais de 600 jovens arquitetos / construtores que aprenderam a servir aos outros por meio de seu trabalho, “… porque o mundo tem muitos lugares quebrados”.

O croqui rápido é o meio perfeito para se concentrar em como as pessoas podem ser moldadas ou mudadas pela arquitetura. O desenho expedito também é bem adequado para representar os projetos e as construções vernaculares, que é um dos temas favoritos desse arquiteto. Os edifícios nativos são fascinantes para Harmon pela informação que eles transmitem sobre os valores das pessoas que os formaram e também como eles viam o mundo. Esta é uma pesquisa fértil para qualquer arquiteto, pois oferece evidências das maneiras engenhosas que as pessoas que não são formadas em arquitetura se envolvem com o ambiente natural e construído para resolver problemas.

A historiadora de arquitetura Sybil Moholy-Nagy descreveu essa aptidão em construir sabiamente como revelar o “gênio nativo” do vernáculo (ou como ela se referia a ele, “arquitetura anônima”). Harmon não menciona Moholy-Nagy como uma influência, mas cita Harwell Hamilton Harris, que lecionou na Carolina do Norte, onde Harmon começou sua carreira docente no início dos anos 80, e era um defensor de arquitetos aprendendo de construções vernaculares.

Acontece que simples estruturas vernaculares não são tão simples assim. Harmon tem um dom para explicar os porquês através de seus esboços e palavras. Um de seus tópicos favoritos é o celeiro. Ele escreve que essas estruturas agrícolas podem ser para o arquiteto observador “… como rochas que um geólogo coleta. Contam uma história sobre seu tempo e localização. ”Um celeiro está situado em uma elevação de terra porque a água é drenada de lá. A fachada principal volta-se para o sul, reunindo o calor do sol, com janelas no lado oposto para ventilação. Um alpendre fica no lado leste porque as tempestades de chuva vêm do oeste. A madeira para construir o celeiro foi cortada de árvores próximas e, para curar o tabaco, o fazendeiro queima lascas da serraria onde as tábuas foram feitas. Nada foi desperdiçado. A sabedoria nativa guiou a arquitetura. O celeiro se ajusta à terra, e a beleza dessa estrutura, escreve Harmon, “é resultado dessa ordinariedade”.

Como objetos dos desenhos e comentários deste arquiteto, os artefatos comuns assumem uma presença extraordinária: cadeiras, caixas de correio, portas blindadas, janelas, varandas, degraus, colunas, são retratados com o espírito do lugar e as pessoas que os utilizaram, às vezes ao longo de muitas décadas. Os desenhos de Harmon são uma maneira de ver a dimensão humana presente em toda a arquitetura.

Frank Harmon
Frank Harmon
Sobre este autor
Cita: Crosbie, Michael J.. "Como um croqui diário melhorará sua arquitetura" [How a Daily Sketch Improves Architecture] 26 Out 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/904735/como-um-croqui-diario-melhorara-sua-arquitetura> ISSN 0719-8906
Ler comentários

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.