Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Artigos
  3. Palavras na rua: Arte, Arquitetura e Protestos Públicos

Palavras na rua: Arte, Arquitetura e Protestos Públicos

  • 12:00 - 4 Outubro, 2018
  • por Veronique Vienne
  • Traduzido por Matheus Pereira
Palavras na rua: Arte, Arquitetura e Protestos Públicos
Palavras na rua: Arte, Arquitetura e Protestos Públicos, Barricadas nas ruas de Bordeaux durante os protestos de maio de 1968 na França. Cortesia de Wikimedia
Barricadas nas ruas de Bordeaux durante os protestos de maio de 1968 na França. Cortesia de Wikimedia

Este artigo foi originalmente publicado como "What Marchers Today Can Learn from the May 1968 Protests in Paris" no CommonEdge em maio de 2018. Nos 50 anos desde os protestos históricos e mundiais de 1968, muita coisa mudou. Mas o clima político de hoje parece igualmente volátil, com mudanças sísmicas que ameaçam as instituições sociais e políticas em todo o mundo. Lições do passado são, para emprestar a frase do momento, mais relevantes do que nunca.

Recentemente, amigos americanos enviaram um e-mail: “O que está acontecendo com o sistema político francês? Por que tantas greves? E as infinitas marchas de protesto? Gostaríamos de visitá-lo em Paris, mas estamos um pouco desconfiados”.

Protestos nas ruas de Hong Kong. Cortesia de Wikimedia
Protestos nas ruas de Hong Kong. Cortesia de Wikimedia

De fato. Na outra manhã, eu estava tentando pegar um vôo no aeroporto Charles de Gaulle para visitar minha filha em Los Angeles, apenas para perceber que, naquele dia em particular, houve uma greve de trem, uma greve ferroviária no subúrbio, uma greve no metrô e uma greve dos taxistas. A Air France também estava passando por uma série de greves. Minhas estações de rádios favoritas se juntaram ao movimento de protesto e não estavam transmitindo. Com certeza haveria grandes engarrafamentos causados por manifestantes carregando cartazes marchando pelas principais avenidas. Entrei em pânico? Não. Abri o aplicativo Uber em meu iPhone e dez minutos depois eu estava no caminho. Um par de cliques foram tudo que eu precisava para resolver minha situação - e para demonstrar, de uma só vez, por que todas essas pessoas são infelizes. Seus serviços estão prestes a se tornarem dispensáveis, para serem substituídos por aplicativos e robôs. Para citar Eliza Doolittle em My Fair Lady: “E sem muita demora, todos nós podemos viver sem você”.

As greves e manifestações de rua são as ferramentas mais eficazes para combater os efeitos disruptivos da tecnologia em nossos meios de subsistência? Provavelmente não. Mas a questão é particularmente ressonante hoje na França, quando já completamos 50 anos da revolta estudantil de maio de 1968. Uma greve geral nacional que durou um mês e que foi motivada por uma crescente insatisfação com o que agora chamamos de market economy. Com slogans como "Consuma menos, você viverá mais", o movimento de protesto abalou o regime - mas, obviamente, não mudou o curso da história.

No entanto, na França, plus ça change plus c’est pareil - quanto mais as coisas mudam, mais elas permanecem as mesmas. Tomar as ruas para expressar o desacordo com as políticas do governo era - e ainda é - o dever cívico sagrado dos cidadãos franceses. O local para esse ritual de dissensão pública é a própria cidade. Em Paris, as ruas não são simplesmente trechos de asfalto convenientemente dispostos entre os edifícios para que você chegue com segurança de um lugar a outro: são o cenário ideal para suas exibições de boa cidadania.

A palavra para o cidadão é citoyen. Age na psique francesa como um grito de guerra. Se você é francês, quando ouve essa palavra, seu pulso acelera. Sua mão direita contrai um pouco. Seu cotovelo se move para frente imperceptivelmente. Você quer levantar seu punho - é quase uma resposta física. Seu punho, no entanto, é mais do que apenas um símbolo de solidariedade e apoio a uma causa. É o gesto da mão que você faz para pegar um marcador mágico ou uma lata de spray e rabiscar uma mensagem na parede.

Na França, slogans desenhados à mão são diferentes de grafites ou tags. Nem uma forma de arte como um graffiti nem uma assinatura estilizada como uma tag, uma declaração escrita à mão é um artefato único. Com desculpas a Gutenberg, com cinco dedos enrolados em torno de uma caneta ou pincel, você pode transmitir uma ideia subversiva melhor do que com uma imprensa (ou com um post no Twitter). Seja em uma parede ou em um pedaço de papelão levantado por um manifestante, um slogan rabiscado será muito mais crível e eloquente do que o mesmo slogan definido em tipografia.

Em maio de 1968, em Paris, os estudantes pintaram slogans nas paredes, mas também em pontes, calçadas, cercas, escadas, colunas, frontões e pedestais. Atos de vandalismo para alguns, os pronunciamentos caligráficos eram percebidos pelos parisienses como poesia (poésie des murailles), uma tentativa de deixar as paredes falarem pelas rua. Consuma menos, você vai viver mais foi um dos slogans mais populares inspirados pela retórica dos Situacionistas, um grupo pequeno, mas influente de militantes de esquerda. Cinquenta anos depois de sua criação, muitos dos aforismos de maio de 68 tornaram-se truísmos: seja realista, exija o impossível. É proibido proibir. Deixe sua imaginação dominar. Abaixo dos paralelepípedos - a praia. Outros, menos consensuais, mantiveram a vantagem: Tentam comprar sua felicidade, roubá-la. O chefe precisa de você, você não precisa dele. A barricada bloqueia a rua, mas abre o caminho.

Jean Luc Godard filma os protestos em Paris em 1968
Jean Luc Godard filma os protestos em Paris em 1968

Em 1968, a escola Beaux-Arts de Paris foi a sede onde cartazes desenhados à mão, reproduzidos usando o laborioso processo de silkscreen, foram concebidos e validados por um comitê de voluntários, antes de serem distribuídos para exposição nas paredes da cidade. De lá também, diretas foram dadas aos escribas de parede, enviadas para locais estratégicos por toda a cidade. A escola era uma colmeia de criatividade, sua ação contrastava com a de grupos mais militantes nas barricadas.

Herdeiros de maio de 1968, os estudantes de arte franceses de hoje carregam os genes para dedos e mãos manchadas de tinta. Recentemente, dei a um grupo de universitários parisienses um exercício simples: transformar uma citação impressa em um slogan escrito à mão. Eles foram vasculhar cartazes de uma grande pilha de caixas de papelão e rolar as palavras sobre ele, com marcadores ou tinta. Conseguiram trabalhar imediatamente com uma clareza de propósito que enchia a sala com um zumbido. Eu esperava que eles questionassem a tarefa: eles não o fizeram. Em vez disso, organizaram-se espontaneamente em grupos para melhor lidar com as várias tarefas. Algum conhecimento, enterrado profundamente em seu cérebro se manifestou, e eles colocaram a caneta para trabalhar.

Propus três citações, variando do politicamente correto ao subversivo. Quase todos escolheram o último, uma citação do famoso escritor de contos francês Guy de Monpassant: “Caos, essa é a única verdade que existe.” (Le bordel, il n'y a que ça de vrai). Ironicamente, o caos não estava à vista. Embora seus signos pintados à mão fossem explorações gráficas em vez de exercícios em estilo, todos transpiravam autoconfiança.

Dada uma oportunidade, as crianças americanas teriam lidado com a tarefa com a mesma desenvoltura? Quando estudantes da Flórida realizaram grandes comícios pelo controle de armas, assim como estudantes franceses, tomaram as ruas com papelão, caneta e tinta. Suas letras manuscritas eram evidência de que eles tinham uma habilidade nativa para frases cativantes. Orações não salvam vidas. Proteja as crianças e não armas. Braços são para abraçar. Livros não balas. Um apelo sincero, mantido por uma garotinha, destacou-se: Quando eu crescer, quero continuar viva. A web tomou conhecimento. SlateUSA Today, assim como inúmeros blogs, publicaram artigos apresentando o que eles consideraram as melhores mensagens de protesto do March for Our Lives. A juventude dos manifestantes compensou sua falta de sofisticação gráfica.

Protestos em Londres após o referendo do Reino Unido para deixar a União Européia. Cortesia de Wikimedia
Protestos em Londres após o referendo do Reino Unido para deixar a União Européia. Cortesia de Wikimedia

A arma secreta de mensagens manuscritas e portáteis é o seu apelo fotogênico. Para ser honesto, parecem muito melhores em fotos do que na realidade. São ferramentas eficazes contra a desmaterialização das interações humanas, na medida em que criam oportunidades fotográficas online. Podem se infiltrar entre os pixels e penetrar na consciência dos espectadores melhor do que quaisquer palavras ou imagens politicamente motivadas na tela.

Os manifestantes parisienses têm a vantagem de um cenário cênico para exibir suas mensagens. As celebrações de maio de 68 foram o pretexto para produzir fotos em preto e branco do período - as históricas superfícies parisienses de calcário e as calçadas de granito reforçadas pela presença de aforismos vagamente rabiscados. A nostalgia suavizará as imagens, mas não apagará a mensagem importante: a mão ainda é mais poderosa que do que o botão "Clique aqui".

Sobre este autor
Cita: Veronique Vienne. "Palavras na rua: Arte, Arquitetura e Protestos Públicos" [Words on the Street: Art, Architecture, and the Public Protest] 04 Out 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Pereira, Matheus) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/903174/palavras-na-rua-arte-arquitetura-e-protestos-publicos> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.