O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Notícias de Arquitetura
  3. As 50 cidades mais inteligentes do mundo em 2018

As 50 cidades mais inteligentes do mundo em 2018

  • 10:00 - 30 Julho, 2018
  • por
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
As 50 cidades mais inteligentes do mundo em 2018
As 50 cidades mais inteligentes do mundo em 2018, © <a href='https://www.flickr.com/photos/22240293@N05'>Flickr user Francisco Diaz</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>. Imagem: Nova York, classificada como número 1 no Índice Cidades em Movimento
© Flickr user Francisco Diaz licensed under CC BY 2.0. Imagem: Nova York, classificada como número 1 no Índice Cidades em Movimento

O Centro de Globalização e Estratégia da Escola de Negócios IESE de Barcelona divulgou sua lista anual das cidades mais inteligentes do mundo. Em seu quinto ano, o Índice IESE Cidades em Movimento calculou as pontuações de desempenho de 165 cidades em 80 países com base em uma análise exaustiva de indicadores econômicos e sociais. Centros de energia globais familiares mantiveram sua posição no topo da lista, enquanto categorias ampliadas de avaliação ajudaram algumas pequenas cidades a avançar sua colocação drasticamente.

© <a href='https://commons.wikimedia.org/w/index.php?title=User:Someformofhuman&action=edit&redlink=1'>Wikimedia user chensiyuan</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/'>CC BY-SA 3.0</a>. Imagem: Hong Kong, classificada em 9º lugar no Índice Cidades em Movimento
© Wikimedia user chensiyuan licensed under CC BY-SA 3.0. Imagem: Hong Kong, classificada em 9º lugar no Índice Cidades em Movimento

Sob a direção dos professores Pascual Berrone e Joan Enric Ricart, o Índice Cidades em Movimento da escola classifica as cidades com base em seu desempenho em nove categorias fundamentais que demonstram as dimensões necessárias de uma cidade moderna e saudável no século XXI: capital humano, coesão social, economia, governança, meio ambiente, mobilidade e transporte, planejamento urbano, alcance internacional e tecnologia. Dentro de cada categoria, as cidades são classificadas com base em um conjunto de 83 fatores totais. Este sistema de classificação foi expandido este ano para incluir novos critérios como a certificação ISO 37120, número de ataques terroristas em uma cidade, bem como variáveis baseadas em informações projetadas como a variação de temperatura prevista resultante da mudança climática.

De acordo com o IESE, a avaliação é estrategicamente projetada para avaliar o progresso de cada cidade em direção a “uma nova forma de desenvolvimento econômico local: a criação de uma cidade global, a promoção do espírito empreendedor e a inovação, entre outros aspectos”. O relatório deste ano ajudou várias cidades menores a obterem classificações de prestígio na lista de 2018, especialmente Reykjavik, a capital da Islândia, que ficou em quinto lugar este ano, após não ter alcançado o top 50 em 2017.

© <a href='https://commons.wikimedia.org/w/index.php?title=User:Someformofhuman&action=edit&redlink=1'>Wikimedia user Someformofhuman</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/'>CC BY-SA 3.0</a>. Imagem: Singapura, classificado em 6º lugar no Índice Cidades em Movimento
© Wikimedia user Someformofhuman licensed under CC BY-SA 3.0. Imagem: Singapura, classificado em 6º lugar no Índice Cidades em Movimento

Índice IESE Cidades em Movimento 2018:

  1. Nova York (+0) Classificação ano passado: 1

  2. Londres (+0) Classificação ano passado:  2

  3. Paris (+0) Classificação ano passado:  3

  4. Tóquio (+4) Classificação ano passado:  8

  5. Reykjavik NOVA

  6. Singapura (+16) Classificação ano passado: 22

  7. Seul (+0) Classificação ano passado: 7

  8. Toronto (+3) Classificação ano passado: 11

  9. Hong Kong (+33) Classificação ano passado: 42

  10. Amsterdã (+0) Classificação ano passado: 10

  11. Berlim (-2) Classificação ano passado: 9

  12. Melbourne (-2) Classificação ano passado: 12

  13. Copenhague (+14) Classificação ano passado: 27

  14. Chicago (-2) Classificação ano passado: 12

  15. Sidney (+1) Classificação ano passado: 16

  16. Estocolmo (+9) Classificação ano passado: 25

  17. Los Angeles (+1) Classificação ano passado: 18

  18. Wellington NOVA

  19. Viena (-4) Classificação ano passado: 15

  20. Washington (-14) Classificação ano passado: 6

  21. Boston (-17) Classificação ano passado: 4

  22. Helsinki (-7) Classificação ano passado: 29

  23. Oslo (+3) Classificação ano passado: 26

  24. Zurique (-11) Classificação ano passado: 13

  25. Madri (+3) Classificação ano passado: 28

  26. Barcelona (+9) Classificação ano passado: 35

  27. San Francisco (-22) Classificação ano passadok: 5

  28. Auckland (+16) Classificação ano passadok: 44

  29. Berna NOVA

  30. Dublin (+3) Classificação ano passado: 33

  31. Hamburgo (+3) Classificação ano passado: 34

  32. Genebra (+15) Classificação ano passado: 17

  33. Gotemburgo NOVA

  34. Basileia (+13) Classificação ano passado: 47

  35. Ottawa (-11) Classificação ano passado: 24

  36. Vancouver (-15) Classificação ano passado: 21

  37. Munique (-18) Classificação ano passado: 19

  38. Montreal (-7) Classificação ano passado: 31

  39. Houston (-7) Classificação ano passado: 32

  40. Praga (+3) Classificação ano passado: 41

  41. Dallas (-18) Classificação ano passado: 23

  42. Frankfurt (-6) Classificação ano passado: 36

  43. Roterdã NOVA

  44. Lyon (+6) Classificação ano passado: 50

  45. Milão (-7) Classificação ano passado: 38

  46. Filadélfia (-16) Classificação ano passado: 30

  47. San Diego NOVA

  48. Bruxelas (-8) Classificação ano passado: 40

  49. Riga NOVA

  50. Talin NOVA

As cidades com as maiores mudanças na classificação são Hong Kong, que subiu 33 posições para entrar no top 10, estando em nono lugar após o quadragésimo segundo lugar em 2017. San Francisco com uma queda mais drástica este ano, caindo 22 posições de acordo com sua classificação anterior, de quinto lugar a vigésimo sétimo. Outras cidades que mostraram melhorias significativas incluem Singapura (+16), Auckland (+16), Genebra (+15), Copenhague (+14) e Basileia (+13); enquanto outras em declínio incluem Munique (-18), Dallas (-18), Boston (-17), Filadélfia (-16), Vancouver (-15) e Washington (-14).

Após não alcançarem o top 50 em 2017, estas oito cidades surgiram na lista deste ano: Reykjavik em 5º lugar, Wellington em 18º, Berna em 29º, Gotemburgo em 33º, Roterdã em 43º, San Diego em 47º, Riga em 49º e Talin em 50º.

Substituídas pelas recém-chegadas, as seguintes cidades saíram do top 50: Baltimore, Phoenix, Glasgow, Roma, Stuttgart, Linz, Miami e Florença.

Por continente, as cidades europeias ocupam a maioria dos lugares da lista com 12 representantes, dobrando o total de seis da América do Norte - o segundo continente mais bem representado. A Ásia reivindica o terceiro lugar na lista, com quatro classificadas entre as dez primeiras.

Veja o relatório completo do Índice de Cidades em Desenvolvimento da IESE aqui.

Sobre este autor
Cita: McManus, Jack. "As 50 cidades mais inteligentes do mundo em 2018" [These Are The 50 Smartest Cities in the World in 2018] 30 Jul 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/899022/as-50-cidades-mais-inteligentes-do-mundo-em-2018> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.