O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Como podemos melhorar a crítica na Arquitetura?

Como podemos melhorar a crítica na Arquitetura?

Como podemos melhorar a crítica na Arquitetura?
Como podemos melhorar a crítica na Arquitetura? , © Andrea Vasquez
© Andrea Vasquez

Este artigo foi originalmente publicado pela Common Edge como "To Fix Architecture, Fix the Design Crit."

Na arquitetura, o ato de criticar formalmente o projeto é onipresente. A crítica, como é chamada, é quase um rito de passagem. E, embora o formato dessa prática seja universal, seu objetivo, metas e propósito final não são fixados, além de um imperativo amplo e frequentemente vago para melhorar um determinado projeto. Isso é um problema, porque deixa um fundamento da profissão assumir a forma de qualquer discussão que surja entre um projetista e um crítico. Se a expectativa de evidência empírica para as decisões de projeto fosse introduzida como a base de um crítico de projeto, os efeitos cumulativos dessa mudança poderiam melhorar a credibilidade de toda a disciplina.

Seja em um grupo de trabalho, em uma sala de aula ou em uma reunião com o cliente, a classificação de projetos arquitetônicos ocorre quando uma proposta é avaliada por alguém que não a criou. Como a forma nativa e relativamente única de revisão por pares da arquitetura, essa prática é útil, mas também notável por não ter um ônus de prova para as alegações de projetistas ou críticos. Apesar de ser difundido, o rigor do crítico de projeto baseia-se sobre uma colcha de retalhos desconectada de experiências pessoais, crenças e especulações.

Essa falta de base empírica é prejudicial. Tanto a expectativa de evidências quanto a aptidão para aplicá-la é algo rigoroso em disciplinas como medicina, educação e direito, campos com um impactos igualmente fundamentais sobre o público como a provisão de abrigos. Os profissionais nessas áreas são frequentemente encarregados de extrair e contribuir para um corpo de conhecimento comum formalizado na tomada de decisões.

"Arquitetos especializados em saúde, espaços de trabalho e instituições de ensino regularmente enfrentam clientes que derivam suas demandas de um entendimento metódico e bem informado de como pacientes, funcionários ou estudantes usam seus espaços". © Andrea Vasquez
"Arquitetos especializados em saúde, espaços de trabalho e instituições de ensino regularmente enfrentam clientes que derivam suas demandas de um entendimento metódico e bem informado de como pacientes, funcionários ou estudantes usam seus espaços". © Andrea Vasquez

Tem sido repetidamente apontado que tanto a prática arquitetônica quanto a educação carecem de um sistema consistente e disseminado de pesquisa, análise e relato em seu trabalho, bem como da cultura para até mesmo valorizar tal coisa. Certas partes da profissão, no entanto, vêm fazendo isso independentemente há algum tempo. Os arquitetos especializados em cuidados de saúde, escritórios e instalações educacionais não são estranhos ao termo “projeto baseado em evidências” e regularmente enfrentam clientes que derivam suas demandas de um entendimento metódico e bem informado de como pacientes, funcionários ou alunos usam seus espaços.

Arquitetos nessas áreas são frequentemente esperados que validem a base de muitas de suas decisões de projeto da forma mais completa possível, e têm desenvolvido seus próprios métodos sistemáticos para chegar a conclusões baseadas em evidências e relatar suas descobertas de volta a um banco compartilhado de conhecimento para outros projetistas no futuro. O que é notável sobre esse desenvolvimento é que a profissão só adotou esse sistema quando outras disciplinas o exigiram para o projeto desses espaços. Apesar de existir há décadas, a prática de projeto baseado em evidências nunca foi abraçada em toda a profissão.

Essa postura reativa pode ser uma força significativa na fragmentação da profissão em sub-disciplinas especializadas que também ocorreram nas últimas décadas, cedendo muitas das responsabilidades tradicionais de um arquiteto aos consultores. Em vez disso, parece que uma adoção proativa de um sistema de prática baseado em evidências poderia ajudar substancialmente o projeto arquitetônico a manter um valor independente. O que torna tal sistema difícil de implementar é que ele exige mais do que apenas o conhecimento de projetar espaços - também requer profundo conhecimento e treinamento na condução de pesquisas e relatórios estruturados e eficazes.

"A prática baseada em evidências requer o aprendizado de habilidades - de evidências, compreensão, interpretação, avaliação e uso". © Andrea Vasquez
"A prática baseada em evidências requer o aprendizado de habilidades - de evidências, compreensão, interpretação, avaliação e uso". © Andrea Vasquez

Felizmente, isso pode ser ensinado. Os métodos básicos de pesquisa já são uma parte padrão do treinamento para muitas outras disciplinas, portanto há muitos exemplos existentes de arquitetura a serem seguidos. Como observou o arquiteto Barrie Evans ao considerar um uso comparável de pesquisa no campo da medicina, “... a prática baseada em evidências requer o aprendizado de habilidades - de evidências, compreensão, interpretação, avaliação e uso. Essas habilidades podem parecer básicas, mas precisam ser ensinadas, como na medicina ”.

A educação em arquitetura se depara com problemas na introdução de novos materiais, devido às limitações em tempo. As aulas de ateliê já são, geralmente, longas, e muito desse tempo é gasto em críticas de projeto individuais, enquanto os alunos restantes observam ou esperam pacientemente em suas mesas. Assistir a alguém ser criticado é uma forma digna de educação, mas considerando que esse tipo de atividade pode ocupar a grande maioria do tempo de aula de um aluno com uma quantidade relativamente pequena desse tempo sendo gasto em seu próprio crítico, é fácil ver um ponto de retorno decrescente nesse formato. Não é difícil imaginar cronogramas de aula de estúdio existentes recalibrados para incluir uma quantidade significativa e consistente de instruções na condução de métodos de pesquisa.

Onde esse novo conhecimento pode ser melhor refinado está dentro da própria crítica, que, mesmo se o tempo atualmente dedicado a ela fosse reduzido pela metade, ainda seria um componente primário da educação arquitetônica. Com uma base sólida de instrução em métodos de pesquisa, o propósito da crítica de projeto pode ser modificado especificamente para avaliar o uso de evidências empíricas em decisões de projeto, em oposição à especulação de afirmações abertas. É claro que nem todas as escolhas projetuais podem ser plenamente fundamentadas, mas se a base da crítica priorizasse as decisões baseadas em evidências sobre as conjeturais, isso poderia se tornar uma ponte entre o pensamento crítico necessário para uma pesquisa bem estruturada e o pensamento criativo requerido para transformar essa pesquisa em uma solução de projeto.

Embora se inicie aí, a necessidade dessa forma de crítica de projeto vai além da educação. Os graduados trariam a expectativa de reivindicações verificáveis para decisões de projeto na prática. É aí que a eficácia da reforma desse ato começa a se consolidar, pois a crítica de projeto é igualmente fundamental para a prática profissional e para a educação, mesmo que ocorra apenas em rajadas de cinco minutos entre dois arquitetos ou em reuniões ocasionais de clientes. Se o objetivo desse ato fosse modificado para se concentrar nas alegações fundamentadas empregadas na tomada de decisões sobre projeto, enquanto o restante permanecesse ostensivamente intacto, uma cultura de projeto baseada em evidências poderia se espalhar rapidamente por toda a profissão.

É precisamente porque a crítica de projeto é fundamental para a prática da arquitetura que essa mudança poderia reformar toda a profissão de uma maneira que tornaria o projeto baseado em evidências a norma. Se este fosse o caso, o projeto arquitetônico se tornaria necessariamente mais robusto e relevante para as pessoas a quem serve, colocando a profissão em uma posição mais valiosa e confiável do que é hoje.

Ross Brady construiu uma carreira multifacetada que abrange a prática arquitetônica, marketing e jornalismo. Seu trabalho abrange desde reformas residenciais até propostas de projetos urbanos e, mais recentemente, marketing e comunicações. Ele mantém uma licença arquitetônica em Nova Iorque.

Imagens para este artigo foram gentilmente fornecidas por Andrea Vasquez.

Sobre este autor
Ross Brady
Autor
Cita: Brady, Ross. "Como podemos melhorar a crítica na Arquitetura? " [How Can We Fix the Architecture Crit? First, Ask for Evidence] 22 Jun 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Pereira, Matheus) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/896354/como-podemos-melhorar-a-critica-na-arquitetura> ISSN 0719-8906