O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Clássicos da Arquitetura: Galeria de Arte da Universidade de Yale / Louis Kahn

Clássicos da Arquitetura: Galeria de Arte da Universidade de Yale / Louis Kahn

Clássicos da Arquitetura: Galeria de Arte da Universidade de Yale / Louis Kahn
Clássicos da Arquitetura: Galeria de Arte da Universidade de Yale / Louis Kahn, © Samuel Ludwig
© Samuel Ludwig

A Escola de Arquitetura da Universidade de Yale estava em meio a uma revolução pedagógica quando Louis Kahn ingressou em 1947. Com o arquiteto de arranha-céus George Howe como reitor e modernistas como Kahn, Philip Johnson e Josef Albers como palestrantes, os anos do pós-guerra em Yale foram para longe da linhagem das Beaux-Arts da escola em direção à vanguarda. E assim, quando a consolidação dos departamentos de arte, arquitetura e história da arte da universidade exigiu em 1950 um novo edifício, uma estrutura modernista foi a escolha natural para concretizar uma partida instrucional e estilística do historicismo. [1] Concluído em 1953, o edifício da Galeria de Arte da Universidade de Yale, de Louis Kahn, forneceria espaços flexíveis para galerias, salas de aula e escritórios para a escola; ao mesmo tempo, a primeira comissão significativa de Kahn sinalizou um avanço em sua própria carreira arquitetônica - uma carreira agora entre as mais celebradas da segunda metade do século XX.

© Samuel Ludwig © Samuel Ludwig © Samuel Ludwig © Samuel Ludwig + 16

© Samuel Ludwig
© Samuel Ludwig

A universidade articulou claramente um programa para a nova galeria e o centro de design (como era então chamado): Kahn deveria criar lofts abertos que pudessem se converter facilmente de salas de aula para espaços de galeria e vice-versa. [2] Os primeiros planos de Kahn atenderam aos desejos da universidade ao centralizar um núcleo central de serviço - que abriga as escadas, os shafts de instalações - abrindo espaço ininterrupto em ambos os lados do núcleo. Críticos interpretaram esse esquema como um meio de diferenciar o espaço de “serviço” e os “servidos”, uma dicotomia que Kahn expressaria frequentemente mais tarde em sua carreira. [3] Como Alexander Purves, ex-aluno e membro da faculdade de Arquitetura de Yale, escreve sobre a galeria, “Esse tipo de plano distingue claramente os espaços que ... abrigam as principais funções do prédio e aqueles que são subordinados aos principais espaços, mas são necessários [4] Como tal, os espaços da galeria dedicados à exposição e instrução de arte são colocadas no topo de uma hierarquia funcional, acima dos núcleos utilitários do edifício; ainda assim, recusando-se a esconder - e de fato, centralizando - as funções menos glamourosas do prédio, Kahn reconheceu todos os níveis da hierarquia como necessários à vitalidade de seu prédio.

© Samuel Ludwig
© Samuel Ludwig
Planta do Forro
Planta do Forro

Dentro dos espaços abertos permitidos pelo núcleo central, Kahn trabalhou com o conceito de um quadro espacial. Ele e a antiga colaboradora Anne Tyng foram inspirados pelas formas geométricas de Buckminster Fuller, que Tyng estudou na Universidade da Pensilvânia e com quem Kahn havia se correspondido enquanto lecionava em Yale. [5] Foi com as estruturas geométricas icônicas de Fuller em mente que Kahn e Tyng criaram o elemento mais inovador da Galeria de Arte de Yale: o teto de laje de concreto tetraédrico. Henry A. Pfisterer, o engenheiro estrutural do edifício, explica o arranjo: "um elemento plano contínuo foi preso aos ápices dos tetraedros abertos, ocos e equilaterais, unidos nos vértices dos triângulos no plano inferior." [6] Na prática, o sistema de tetraedros tridimensionais era forte o suficiente para suportar o espaço de estúdio aberto - livre de colunas - enquanto as formas multi-angulares convidavam a instalação de painéis de galeria em tempos de conversão.

Detalhe Forro
Detalhe Forro

Embora a experimentação estrutural de Kahn na Galeria de Arte de Yale tenha sido de ponta, sua atenção cuidadosa à luz e à sombra evidencia seu interesse sempre presente na arquitetura religiosa do passado. Trabalhando em estreita colaboração com a equipe de construção, Kahn e Pfisterer criaram um sistema para a execução de dutos elétricos dentro dos tetraedros, permitindo que a luz se difundisse das formas vazias. [7] A suave luz ambiente emitida evoca a de uma catedral; A galeria de Kahn, então, toma inspiração sutil da galeria neo-gótica do século XIX adjacente. [8]

© Samuel Ludwig
© Samuel Ludwig
Fachada
Fachada

Sobre o teto de laje de concreto triangulado, Kahn disse que “é bonito e serve como um plugue elétrico”. [9] Esse princípio - que os elementos de um prédio podem ser esculturais e estruturais - é levado para outras áreas da galeria. A escadaria central, por exemplo, ocupa um cilindro oco de concreto aparente; em sua forma e utilidade, a escada sugere um silo agrícola similarmente funcional. No teto da escada, no entanto, um triângulo de concreto ornamental é cercado em sua circunferência por um anel de janelas que evoca uma relíquia mais elevada da história da arquitetura: a Hagia Sophia. Dentro do cilindro, as escadas formam triângulos que imitam o teto da galeria e a forma triangular acima. [10] Ao afirmar que as escadas “são projetadas para que as pessoas queiram usá-las”, Kahn esperava visitantes e estudantes se envolvendo com o edifício, cuja forma ele muitas vezes descreveu em termos antropomórficos: “viver” em sua adaptabilidade e “respirar” em seu complexo sistema de ventilação (também encapsulado nos tetraedros de concreto). [11] [12]

© Samuel Ludwig
© Samuel Ludwig
© Samuel Ludwig
© Samuel Ludwig

Dados os triunfos estruturais e estéticos do teto e da escada de Kahn, as escritas sobre a Galeria de Arte de Yale tendem a focar no interior elegante do edifício e não na sua fachada. Mas o cuidado com que Kahn trata o espaço da galeria também se estende para fora; o vidro nas faces oeste e norte do edifício e o tijolo meticulosamente colocado no sul, permitem que quantidades de luz cuidadosamente calculadas entrem. [13] Lembrando a prática européia, Kahn apresenta uma fachada formal na York Street - a fachada ocidental do edifício - e uma fachada de jardim em frente ao pátio vizinho do Weir Hall. [14] Seu respeito pela tradição é, no entanto, articulado na linguagem modernista.

© Samuel Ludwig
© Samuel Ludwig

Apesar de seu refinamento visual, os materiais usados nas paredes de vidro da galeria provaram ser quase imediatamente impraticáveis. As janelas capturavam a condensação e estragavam a fachada legível de Kahn. Um restauro realizado em 2006 por Ennead Architects (então Polshek Partnership) utilizou materiais modernos para substituir as janelas e integrar o controle climático atualizado. O projeto também reverteu as extensas tentativas feitas nos anos 60 para cobrir as janelas, paredes e escadaria do silo com divisórias de gesso. [15] A restauração precisa do prédio estabelecia um alto padrão para a preservação do modernismo americano - um campo jovem, mas vital -, ao mesmo tempo em que criava o edifício moderno no campus revivalista de Yale como digno de economia. [16]

© Samuel Ludwig
© Samuel Ludwig

Mesmo com uma fachada restaurada, o interior de Kahn ainda triunfa. Em última análise, é um edifício para seus usuários - aqueles visitantes que, hoje, vêem a arte sob aluz cuidadosamente elaborada e aqueles alunos que, nos anos cinquenta, iniciaram sua educação arquitetônica no espaço de Kahn. Purves, que passou incontáveis horas na sala de desenho do quarto andar como estudante de graduação, afirma que um estudante que trabalha no espaço “pode ver Kahn lutando um pouco e se identificar com essa luta”. O crítico de arquitetura Paul Goldberger, que estudou em Yale uma década após a conclusão da galeria de Kahn, oferece uma avaliação semelhante do edifício - ecoada por muitos estudantes que frequentaram o espaço: "sua beleza não surge à primeira vista, mas vem somente após o tempo gasto dentro dela".

© Samuel Ludwig
© Samuel Ludwig

Notas

[1] Loud, Patricia Cummings and Michael P Mezzatesta. The Art Museums of Louis I. Kahn. Durham, NC: Published by Duke University Press in association with the Duke University Museum of Art, 1989. 52-57.
[2] Loud, 59.
[3] Purves, Alexander. “The Yale University Art Gallery by Louis I. Kahn.” Yale University Art Gallery Bulletin (2000): 108.
[4] Ibid.
[5] Loud, 68.
[6] Kahn, Louis and Boris Pushkarev. “Order and Form.” Perspecta 3 (1955): 51
[7] Loud, 73.
[8] Loud, 54
[9] Loud, 82-83.
[10] Purves, 111.
[11] Loud, 84.
[12] Kahn, 49.
[13] Purves
[14] Loud, 80.
[15] Loud, 91.
[16] DesBrisay, Lloyd. "The Renovation of Louis Kahn's Yale University Art Center: A Significant Moment for Architectural Preservation." ArchDaily. January 19, 2018. 
[17] Goldberger, Paul. “Challenge and Comfort.” The Kenyon Review 31, no. 4 (Fall 2009): 23. 

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Louis Kahn
Escritório
Cita: Comberg, Ella. "Clássicos da Arquitetura: Galeria de Arte da Universidade de Yale / Louis Kahn" 28 Mai 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/895254/classicos-da-arquitetura-galeria-de-arte-da-universidade-de-yale-louis-kahn> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.