O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Clássicos da Arquitetura: Arts United Center / Louis Kahn

Clássicos da Arquitetura: Arts United Center / Louis Kahn

Clássicos da Arquitetura: Arts United Center / Louis Kahn
© Jeffery Johnson
© Jeffery Johnson

Em 1961, o arquiteto Louis I. Kahn foi contratado pela Fine Arts Foundation para projetar e desenvolver um grande complexo de artes no centro de Fort Wayne, Indiana. O ambicioso Centro de Belas Artes, agora conhecido como Arts United Center, atenderia a comunidade de 180.000 pessoas oferecendo espaço para uma orquestra, teatro, escola, galeria e muito mais. Como um Lincoln Center em miniatura, os desenvolvedores esperavam atualizar e melhorar a cidade através de uma nova arquitetura cívica. No entanto, devido a restrições orçamentárias, apenas uma fração do projeto total foi concluída. Esse é um dos projetos menos conhecidos de Kahn, que durou mais de uma década, e seu único edifício no Centro-Oeste dos Estados Unidos.

© Jeffery Johnson
© Jeffery Johnson

A proposta original abrangia um salão filarmônico, uma escola de arte, uma galeria e um teatro cívico unidos em um grande complexo. No entanto, os problemas começaram no início do projeto, já que a estimativa de 20 milhões de dólares do arquiteto diminuiu para 2,5 milhões de dólares do Fine Arts Center.

© Jeffery Johnson
© Jeffery Johnson

De 1961 a 1964, ao completar o Richards Medical Center na Universidade da Pensilvânia, Kahn e seu escritório trabalharam uma série de propostas para o projeto. Uma coleção de modelos de gesso realizada pelo MoMA revela a intenção de Kahn em chegar a uma única entrada para todas as atividades - acessadas a pé ou de carro. "Eu acho que quando todas essas atividades se juntam, há algo ali que é criado", disse Kahn. “Eles certamente funcionam em si mesmos, mas quando se juntam, há algo novo.” [1] Esses interesses na relação da construção e do programa, como a maioria do projeto, curvam-se à economia. As realidades mundanas do estacionamento significavam que a intenção de Kahn para uma torre de estacionamento elevada, como parte do complexo, desapareceria em maquetes de estudo posteriores.

© Jeffery Johnson
© Jeffery Johnson
© Jeffery Johnson
© Jeffery Johnson

Um esquema mais desenvolvido parece ter sido resolvido por volta de 1964. Uma implantação revela um campus com nove edifícios orbitando ao redor de praças e jardins centrais. Nesse conceito, o Philharmonic Hall estava ligado ao Teatro de Artes Cênicas por um Anexo Filarmônico octogonal que unia os espaços. Um pátio central ligava esses teatros ao Museu Histórico, ao Museu de Arte, ao Centro de Recepção e ao Anfiteatro, enquanto a Escola de Arte ocupava quatro estruturas separadas na borda do local. [2]

© Jeffery Johnson
© Jeffery Johnson

No entanto, em 1964, o financiamento para o projeto era escasso. Seus planos para o Centro de Belas Artes foram suspensos até 1966, quando a atenção passou do complexo maior para o design do Teatro de Artes Cênicas. Desenvolvido ao terminar o Kimbell Art Museum em Fort Worth, Texas, o conceito de Kahn para a estrutura dupla articulada dependia da noção de um violino e seu case, ou, como ele descreveu, um “violino dentro do estojo do violino”. O "violino de concreto" com seus painéis facetados, representaria a estrutura interna do salão enquanto o exterior de tijolos, abrigando lobbies e espaços adjacentes, atuariam como o estojo do violino completamente separado do conteúdo interno. [3]

© Jeffery Johnson
© Jeffery Johnson

Este conceito era menos metafórico do que pragmático. Como o terreno era adjacente às linhas ferroviárias, a separação física e acústica do teatro e da sala de concertos era uma preocupação primordial para o arquiteto. Essa noção de um edifício dentro de um prédio também se baseia no interesse de Kahn pelas ruínas clássicas e aparece em um projeto simultâneo: a Phillips Exeter Library, em New Hampshire, concebida como três “anéis” de estruturas semelhantes a ruínas. [4]

A essência do teatro também cativou Kahn durante o projeto - tanto no que significava para o público quanto para os próprios artistas. Espaços para ensaios e preparação foram concebidos como capelas de atores seculares na linhagem das estruturas clássicas de Delfos, onde os artistas podiam se envolver com suas artes.

© Jeffery Johnson
© Jeffery Johnson

Para o público, a experiência era para ser mais fascinante do que reflexiva. “Quando você ouve os acordes familiares da Quinta Sinfonia, é como um parente entrando na sala que você não vê há muito tempo, e você percebe pela primeira vez que seus olhos são azuis”, Kahn disse uma vez. [5] Uma série de esboços produzidos entre 1966 e 1968 mostra uma luta contínua para negociar a forma, o espaço, a acústica, os pontos cegos e os pontos de vista. Assim, o "violino" concreto foi concebido como um instrumento habitável - que permitia que os espectadores vissem e se sentissem tão bem quanto se envolvessem com o familiar e o estrangeiro. [6]

© Jeffery Johnson
© Jeffery Johnson

Além do interior de concreto, talvez o elemento mais marcante seja a fachada antropomórfica. Os grandes arcos de tijolos e as vigas alongam-se com a entrada recuada, têm uma aparência de uma máscara ou rosto, onde os arcos representam os olhos, e os raios aparecem sobre a entrada ou a boca. O foco na entrada desta entrada para uma estrutura do plano original, onde o processo de consulta pode ser uma estratégia para a revelação da vida do edifício. Os dois arcos parecem as luzes da janela de um segundo andar e os espaços de reunião. [7]

Planta
Planta
Fachadas
Fachadas

No verão de 1970, o escritório de Kahn havia completado os desenhos para o teatro, e a construção prosseguiu pouco depois. No final, apenas o Teatro de Artes Performáticas foi concluído dos nove edifícios propostos para o Centro de Belas Artes de Fort Wayne. O teatro foi oficialmente inaugurado em 1973, um ano antes da morte de Kahn em 1974. [8]

Cortes
Cortes
Cortes
Cortes

Em última análise, o Teatro de Artes Performativas foi relativamente decepcionante para Kahn, pois representava apenas uma sombra do plano original e traía sua visão de uma arquitetura de inter-relações. “A forma é aquela que lida com partes inseparáveis”, disse Kahn. “Se você tira uma coisa, você não tem a coisa toda, e nada é realmente respondível àquilo que o homem quer aceitar como parte de seu modo de vida, a menos que todas as suas partes estejam juntas.” [9] Como Comenta Joseph Rykwert, é difícil acreditar que a face marcante da fachada tenha sido um acidente. [10] Em vez disso, continua a ser um testemunho duradouro das negociações e muitas vezes frustrantes realidades de fazer arquitetura.

  • Arquitetos

  • Localização

    303 E Main St, Fort Wayne, IN 46802, Estados Unidos
  • Arquite

    T. Richard Shoaff
  • Engenharia Estrutural

    Harry Palmbaum
  • Engenharia Mecânica / Elétrica

    Fred S. Dubin Associates
  • Engenharia Acústica

    Dr. Cyril M. Harris
  • Consultoria de Teatro

    George C. Izenour Associates
  • Cliente

    Fine Art Foundation, Fort Wayne
  • Ano do projeto

    1973
  • Fotografias

Notas
[1] Heinz Ronner, Sharad Jhaveri and Alessandro Vasella, Louis I. Kahn: Complete Works 1935-74 (Boulder: West View Press, 1977), 205.
[2] Ibid, 210.
[3] Jospeh Rykwert, Louis Kahn (New York, Harry N. Abrams Inc., 2001), 58.
[4] Vincent Scully, “Louis Kahn and the Ruins of Rome,” MoMA 12 (Summer 1992): 1-13.
[5] Carlos Brillembourg, “An Impossible Interview with Louis I. Kahn,” BOMB 40 (Summer 1992): 17.
[6] Ronner, Jhaveri and Vesella, 215.
[7] Jack Perry Brown, Louis Kahn in the Midwest (Chicago: Art Institute of Chicago, 1989), 13.
[8] Rykwert, 58.
[9] Ronner, Jhaveri and Vesella, 206.
[10] Rykwert, 58.

Ver a galeria completa

Sobre este escritório
Louis Kahn
Escritório
Cita: Pavka, Evan. "Clássicos da Arquitetura: Arts United Center / Louis Kahn" [AD Classics: Arts United Center / Louis Kahn] 24 Abr 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/893234/classicos-da-arquitetura-arts-united-center-louis-kahn> ISSN 0719-8906