O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Geodésica de madeira abriga o maior planetário do mundo

Geodésica de madeira abriga o maior planetário do mundo

Geodésica de madeira abriga o maior planetário do mundo
Geodésica de madeira abriga o maior planetário do mundo, © Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko

O projeto, inscrito em um gasômetro em São Petersburgo, visa transformar uma área industrial em um centro educacional e científico, com uma grande tela de projeção localizada em uma cúpula geodésica de 37 metros de diâmetro.

Materializado principalmente com madeira e ligações metálicas, baseia-se num modelo geométrico estrutural ideal para criar um grande impacto com uma construção leve e resistente.

© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko © Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko © Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko © Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko + 33

Da equipe de projeto. A cúpula geodésica do Planetário é parte de uma ideia em grande escala para transformar uma área industrial em um projeto arquitetônico moderno e um centro científico e educacional com "o maior planetário do mundo".

© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko

O edifício central do planetário é um gasômetro, um monumento arquitetônico com conotações históricas. Construído em 1884 por Rudolf Bernhard para a "Sociedade de Iluminação da Cidade" de São Petersburgo para armazenamento e fornecimento de gás para lâmpadas de rua, permaneceu abandonado por 120 anos desde o surgimento da eletricidade. Em 2015, o futuro autor e inspirador do projeto viu o gasômetro pela primeira vez e uma ideia veio em sua mente para um grande planetário que seria inscrito no projeto existente. Dois anos depois, esse sonho, aparentemente fugaz e incrível, tornou-se realidade - o planetário foi inaugurado em 4 de novembro de 2017.

© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko

Desta forma engenhosa, a história deu uma segunda chance ao gasômetro, mantendo sua principal função - iluminação - recriada com a ajuda de modernas tecnologias de construção e projeção visual:

Como antes o gasômetro trouxe luz nas ruas da cidade, agora ele levará a luz do conhecimento para todos os habitantes deste planeta.

© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko

Estruturalmente, o gasômetro é uma torre de tijolo de 42 m de diâmetro e 20 m de altura, com um volume total de 40.000 metros cúbicos. No topo do edifício, há uma cúpula Schwedler com treliças radiais de metal, conectadas por hastes formando uma estrutura de "roda de bicicleta". Essas construções lançaram as bases para o desenvolvimento de sistemas de revestimento leve para espaços de grande diâmetro.

© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko

A aparência de uma cúpula geodésica dentro da cúpula da Schwedler parecia demonstrar a próxima etapa no desenvolvimento desses tipos de sistemas, baseado em um modelo geométrico de construção mais otimizado (em termos estruturais). Vale ressaltar que a primeira cúpula geodésica de tamanho completo (baseada no icosaedro) também foi um planetário, inaugurado em Jena no ano de 1926.

© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko

Partindo da tarefa de construir uma tela de projeção tridimensional em uma meia esfera de 37 metros de diâmetro, o projeto foi selecionado. A esfera de 10 frequências ditou a escolha do material das suas partes (espuma de PVC). A geometria do fulereno (grade hexagonal) é aplicada como estrutura. Assim, em cada triângulo da estrutura da cúpula geodésica, um elemento hexagonal é inscrito. Cada elemento é cercado por outros elementos formando uma única tela, que consiste em 1400 partes de 36 tipos de dimensão.

© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko

A estrutura da cúpula é feita de vigas LVL (150 × 75 em seção transversal) em conectores de aço "Haeckel" (em homenagem ao naturalista alemão, explorador de formas naturais) que se assemelham a estrelas do mar. No total, o quadro consiste em 1500 vigas e 507 conectores de aço, e o peso total da estrutura é de 20 toneladas.

© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko

No processo de construção, os engenheiros enfrentaram o desafio de projetar, produzir e montar uma esfera de projeção central para 39 projetores que iluminem uniformemente a enorme tela do planetário. Dada a geometria geral da tela hexagonal, eles decidiram usar o modelo de molécula de fulereno C60 para a forma externa da pirâmide central dos projetores. Os projetistas usaram simulações CAD de força e fluxos de ar de projetores de aquecimento (gerando cerca de 18 kW de calor), seleção da espessura ideal do metal para aliviar a construção, acelerar e simplificar o processo de montagem.

© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko

Cientificamente falando, tal nidificação fractal de fulerenos da mesma frequência em outro fulereno é literalmente chamado de "matryoshka russa", que na verdade é esse objeto histórico.

© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko

O projeto foi desenvolvido, produzido, montado e inaugurado em 2 meses pela comunidade de sonhadores privados, engenheiros, arquitetos. Devido a restrições orçamentárias e prazos apertados, a equipe mobilizou uma rede de pequenas oficinas locais, que projetaram vários elementos da construção. A comunidade internacional "DomesWorld" de construtores de geodésicas reuniu-as no canteiro de obras (de 10 a 30 pessoas trabalharam no local durante todo o mês).

© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko

Evgeny Gudov e a equipe da empresa Art-technologies trabalharam no conteúdo multimídia e equipamentos do planetário, na sincronização de projetores e no design de eventos públicos. Seus projetos anteriores foram dedicados à animação multimídia. "Animou" quadros de artistas russos e estrangeiros ("Living Canvases") e criou museus de projeção em várias cidades da Rússia.

© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko
© Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko

Agora, a primeira parte do projeto - o planetário e as plataformas educacionais - está implementada: sala de aula e laboratório. O próximo estágio supõe a construção de um aglomerado científico inteiro composto por um salão de estrelas, um museu de exposições espaciais, aulas de educação e um observatório. A capacidade estimada do planetário após realizar as principais etapas de construção é de 1 milhão de pessoas por ano.

Projeto e produção: Geosota Company
Equipe de Construção: DomesWorld Community
Localização: St. Petersburg, Rússia
Datas: 25 de Setembror - 5 de Novembro 2017
Organizadores do edifício: Evgeny Gudov, Pavel Brayvo
Multimídia e Projeções: ART-Technologies
Fotografias: Anastasia Ra, Daria Priroda, Olga Romanenko

Geometria: V10 (1/2) geodésica clássica (icosaedro + fulereno)
Diâmetro: 37 m
Altura: 18.5 m
Equipe de Construção: 10-30 pessoas
Tempo de Construção: 1 mês

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Cita: AD Editorial Team. "Geodésica de madeira abriga o maior planetário do mundo" [This Wooden Geodesic Dome Contains the World's Largest Planetarium] 06 Abr 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/892073/geodesica-de-madeira-abriga-o-maior-planetario-do-mundo> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.