O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Desenhos de Michelangelo mostram porque arquitetos deveriam ser generalistas, não especialistas

Desenhos de Michelangelo mostram porque arquitetos deveriam ser generalistas, não especialistas

  • 07:00 - 7 Março, 2018
  • por
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
Desenhos de Michelangelo mostram porque arquitetos deveriam ser generalistas, não especialistas
Desenhos de Michelangelo mostram porque arquitetos deveriam ser generalistas, não especialistas, © Duo Dickinson
© Duo Dickinson

Esse artigo fi publicado originalmente por Common Edge como "Michelangelo’s Lesson: Specialization in Architecture is Not The Only Way."

Uma exposição recente no The Metropolitan Museum, em Nova York, Michelangelo: Divine Draftsman & Designer, ofereceu um vislumbre da mente e dos métodos de um verdadeiro polímata. A exibição acabou de encerrar, então, ofereço aqui essa seleção de imagens. A fotografia foi incentivada e a intimidade da apresentação permitiu estabelecer algumas relações e ideias.

Estive estudando ou praticando arquitetura por 45 anos, e a exposição esclareceu como os arquitetos podem pensar sobre o que fazem. Provavelmente significou uma coisa para todos, sua beleza ressonante, mas eu vi as complexidades de uma vida criativa em meios de aplicação.

© Duo Dickinson
© Duo Dickinson

A curadora Carmen C. Bombach torna o intelecto extenso, complexo e entrelaçado de Michelangelo Buonarroti transparente e reforçado. Há uma maquete do teto da Capela Sistina. Um grande modelo arquitetônico do século XVI usado no desenho de uma capela. Um estudo para um afresco totalmente exposto. E é claro, há pinturas, esculturas e desenhos arquitetônicos dispostos em um suave fluxo que eu pude ver antes que as hordas chegassem. Se eu fosse um historiador, eu poderia explicar as complexidades e a alegria lírica encontradas em "Disegno", a teoria do Renascimento de que toda a beleza foi encontrada na natureza e o fundamento de toda a arte.

Porém, é mais do que isso.

© Duo Dickinson
© Duo Dickinson

A confluência sem esforço de palavras, desenhos, música, humanos, edifícios, linhas de carbono e tinta sépia revelou uma realidade que estamos perdendo na avalanche da tecnologia. À medida que nosso conhecimento é coletado, filtrado e coordenado em enormes bancos de dados novos, o impulso humano é dominar a tecnologia, para que se torne seu escravo: sem macacos de CAD, basta transformar a inteligência artificial em seu próprio macaco, o maior e mais recente fantoche a ser dominado. Isso ainda pode acontecer.

© Duo Dickinson
© Duo Dickinson

Mas a realidade efetiva é que toda profissão está se dividindo em especialização. Existem agora centenas de tipos de médicos. Partituras de especializações de advogados. Os arquitetos que eram uma vez como os veterinários, apenas com a diferenciação entre "Grandes Animais" e "Pequenos animais", gerou hoje em dia inúmeros consultores treinados que se concentram em telhados, paredes de vidro, iluminação, sustentabilidade, conservação de energia, isolamento, segurança, desenvolvimento e gerenciamento de informações, sistemas HVAC, gráficos, design universal, interiores, bem como todas as peculiarizações da função de construção: cidades, prisões, bibliotecas, transportes, comércios, judirídicos, acadêmicos, multi-residenciais, hospitais, varejo, religiosos, e assim por diante e por diante.

A balcanização da arquitetura em constelações de operadores independentes de conhecimentos exclusivos destrói a simplicidade da concepção, a elegância natural do pensamento e a coincidência sem esforço de arquitetura, palavra, música, corpo e objetos que dançavam pelas salas do Met.

© Duo Dickinson
© Duo Dickinson

Cento e trinta e três pequenos desenhos foram colocados em luz brilhante, muitos com os dois lados expostos, pois o precioso 16º papel foi usado duas vezes, frente e verso. A metáfora é óbvia: por que não usar os dois lados? Por que não ser simultâneo e não sequencial? Por que não pensar em todas as coisas, não em algumas coisas, quando criamos edifícios?

Por que copiar quando você pode inventar? Usando a única linguagem arquitetônica disponível para ele, Michelangelo criou algo fora do seu tempo.

Por que excluir a história, as formas de refletir as memórias e os usos que são tecidos para aqueles que usam os edifícios?

Por que falar em línguas, usando linguagem que torna a clareza impossível?

© Duo Dickinson
© Duo Dickinson

Por que relegar materiais a categorias - tudo branco, madeira ou pedra, como espaço, sólido e vazio - sem reconhecer movimento, tempo, água, gravidade?

Por que projetar para a tela, a imagem perfeita congelada em duas dimensões, quando nós humanos usamos todos os edifícios através da experiência do movimento? 

Por que não ambos e, usando ambos os lados do papel?

Um desenho mostra, com tinta sépia, um pórtico de um lado e avança o esboço de estudo musculoso para uma escultura. A tinta sépia sangra para a parte de trás do papel e, em seguida, o carbono é aplicado sobre isso: sinergia instantânea. Corpo e construção: sobreposição, combinação, sendo uma singularidade na mente de seu criador, não a negação separada e destilada entre si.

Outros desenhos mostram, de fato, a evolução congelada da arquitetura, do detalhe à linha ao formato, a medida que o comprimento, a forma e os detalhes evoluem em uma folha de papel: simplesmente porque não há nenhuma camada sobre camada, removendo a passada sob a atual. Eu acho que ele viu o valor do último desenho e como ele esboçou sobre ele - o desenho como uma coisa viva e crescente.

Os arquitetos naturalmente pensam assim: tudo de uma vez, um ensaio de pensamento, mas muitos querem oferecer um produto acabado de destilação prístina.

Por que apresentar uma polêmica quando podemos conversar?

© Duo Dickinson
© Duo Dickinson

Podemos limitar nossa linguagem ao frio destilado, mas às vezes menos é, bem, apenas menos. Às vezes, mais não dilui ou obscurece, enriquece, nem tudo, o tempo todo: mas muito mais do que nos ensinam. E agora, a profissão está mudando para um estádio onde a configuração padrão é simplesmente "menor". Mas isso pode prever o que você vê aqui. Em vez disso, as máquinas podem ser usadas por seres humanos, que se esforçam para se sobrepor, recombinar e tecer o que quiserem.

Michelangelo criou música, prosa, poesia, músculos, olhos, dedos com paredes, telhados, ele apara com cor e luz, material e forma. Tudo em pequenos desenhos. Tudo de uma vez. Assim como pensamos.

Olhe esses desenhos, ouça a explosão de criatividade de 400 anos de idade.

© Duo Dickinson
© Duo Dickinson

A tecnologia sempre nos mudou. Nós surfamos na mídia e a mídia mudou a forma como pensamos: da madeira, da pele animal, do papel de rastreamento, dos pixels e dos elétrons. A forma como criamos está sempre mudando, mas agora podemos redescobrir o que faz nossas mentes pensarem espontaneamente, ou podemos coreografar o que concordamos ser prudente.

Podemos lembrar o valor da criação, ou podemos estar seguros no nosso uso defendível das ferramentas que devemos controlar. Controlar ou sermos controlados, depende de nós.

Duo Dickinson é arquiteto há mais de 30 anos. Autor de oito livros, ele é crítico de arquitetura do New Haven Register, escreve sobre design e cultura para o Hartford Courant, e está na faculdade no Building Beauty Program no Sant'Anna Institute em Sorrento, Itália.

Sobre este autor
Duo Dickinson
Autor
Cita: Dickinson, Duo. "Desenhos de Michelangelo mostram porque arquitetos deveriam ser generalistas, não especialistas" [The Beautiful Drawings of Michelangelo Show Us Why Architects Should Be Polymaths, Not Specialists] 07 Mar 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/890038/desenhos-de-michelangelo-mostram-porque-arquitetos-deveriam-ser-generalistas-nao-especialistas> ISSN 0719-8906