Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Michelangelo

Michelangelo: O mais recente de arquitetura e notícia

Desenhos de Michelangelo mostram porque arquitetos deveriam ser generalistas, não especialistas

Esse artigo fi publicado originalmente por Common Edge como "Michelangelo’s Lesson: Specialization in Architecture is Not The Only Way."

Uma exposição recente no The Metropolitan Museum, em Nova York, Michelangelo: Divine Draftsman & Designer, ofereceu um vislumbre da mente e dos métodos de um verdadeiro polímata. A exibição acabou de encerrar, então, ofereço aqui essa seleção de imagens. A fotografia foi incentivada e a intimidade da apresentação permitiu estabelecer algumas relações e ideias.

Estive estudando ou praticando arquitetura por 45 anos, e a exposição esclareceu como os arquitetos podem pensar sobre o que fazem. Provavelmente significou uma coisa para todos, sua beleza ressonante, mas eu vi as complexidades de uma vida criativa em meios de aplicação.

De Brunelleschi aos dias de hoje: documentário mostra a evolução da arquitetura da Toscana

Todos os anos, milhares de turistas visitam a região italiana da Toscana para conhecer monumentos e edifícios célebres. Figuras arquitetônicas de renome, como Michelangelo e Brunelleschi, transformaram as cidades da Toscana em palcos do renascimento cultural entre os séculos XIV e XVII. Tempos passados, porém. Hoje, a Toscana enfrenta problemas como o declínio dos subúrbios, edifícios abandonados e especulação imobiliária.

Poderiam os espíritos desses mestres renascentistas ser emulados na Toscana de hoje? Este é exatamente o tema que a associação cultural 120g explora em seu novo documentário Tuscanyness. O filme descreve como essa natureza do renascimento cultural está viva hoje através dos arquitetos nascidos e formados na região da Toscana. Aqui, os arquitetos emergentes têm a oportunidade única de ouvir os ensinamentos do passado para moldar a arquitetura do futuro.

Michelangelo: aprendizagem da arquitetura / Domingos Tavares

Da editoraMichelangelo aprendeu a ser arquitecto quando os códigos de competência e estabilidade do saber tiveram de ser rompidos para se encontrar a resposta necessária a cada problema concreto. Senhor de uma fé inabalável e municipalista convicto, reteve os antecedentes neoplatónicos instalados no espírito artístico florentino, a componente de valorização do papel do homem como ser e destinatário da arte e o sentido eminentemente científico do conhecimento ao serviço da democratização da vida na República.