O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. A natureza como coautora em projetos de arquitetura

A natureza como coautora em projetos de arquitetura

A natureza como coautora em projetos de arquitetura
A natureza como coautora em projetos de arquitetura, Piscinas de Marés de Leça da Palmeira / Alvaro Siza. Foto: © Fernando Guerra | FG+SG
Piscinas de Marés de Leça da Palmeira / Alvaro Siza. Foto: © Fernando Guerra | FG+SG

Lidar com o contexto onde está inserido um projeto é parte essencial do exercício da arquitetura, seja negando ou incorporando os elementos preexistentes e as condicionantes do entorno nas propostas. Apesar dessa constante, entender o que há em volta como atuante direto nas decisões de desenho e organização do espaço vai além de simplesmente considerar boas vistas, ventilação natural ou orientação, trata-se de enxergar essas condições como agentes ativas nos projetos, isto é, como coautoras.

Os casos em que essa prática se faz mais notável são provavelmente aqueles que pensam os elementos da natureza nesse papel atuante, e essa é a postura adotada por alguns escritórios como verdadeiro partido inicial para o desenho dos espaços.

Exemplo disso é o escritório Casagrande Laboratory encabeçado pelo arquiteto finlandês Marco Casagrande, que propõe uma arquitetura que atua como mediadora da relação do homem e da mulher modernos com a natureza. Na descrição de seus trabalhos vemos com frequência a ideia da natureza como co-arquiteta no processo de elaboração projetual. Essa coautoria é dada como ponto de partida para propostas que reconectam a sociedade contemporânea com alguns elementos da natureza, os quais a arquitetura produzida pelo escritório não pretende confrontar-se. Pelo contrário, as estratégias observadas nos projetos estão, muitas vezes, ligadas ao aproveitamento desses recursos naturais disponíveis para criar ambientes e programas diversos.

A partir de uma abordagem que coloca em destaque a relação corpo-natureza, o grupo de arquitetos escolhe alguns elementos, como o vapor d'água, a vegetação, a madeira, entre outros, para alimentar o sentido relacional que o projeto pretende estabelecer entre seus habitantes, seu programa e o local onde se implanta. Ruin Academy  / Marco Casagrande, © AdDa, Tsai Ming-Hui. Ruin Academy / Marco Casagrande. Foto: © AdDa, Tsai Ming-Hui
A partir de uma abordagem que coloca em destaque a relação corpo-natureza, o grupo de arquitetos escolhe alguns elementos, como o vapor d'água, a vegetação, a madeira, entre outros, para alimentar o sentido relacional que o projeto pretende estabelecer entre seus habitantes, seu programa e o local onde se implanta. Ruin Academy / Marco Casagrande, © AdDa, Tsai Ming-Hui. Ruin Academy / Marco Casagrande. Foto: © AdDa, Tsai Ming-Hui

De modo geral, isso rende à produção do escritório uma estreita conexão entre o processo de desenho e a análise do lugar de implantação dos projetos, sobretudo no que diz respeito à leitura das potencialidades locais e de elementos que elevem as novas tensões da relação corpo-natureza colocadas a partir do recorte programático específico de cada proposta.

Corte do projeto "Ruin Academy" de Marco Casagrande
Corte do projeto "Ruin Academy" de Marco Casagrande

Explorar as relações entre corpo e arquitetura não significa, necessariamente, mimetizar tradições inauguradas no Renascimento que estabeleciam parâmetros de harmonia, geometria e proporção naturais como referências a serem seguidas. Trata-se muitas vezes de incorporar ao pensar projetual a noção de natureza como força de ação permanente que traz consigo características que podem ser exploradas de forma muito rica na composição da arquitetura, como texturas, cores, temperaturas e contrastes. Isso se torna evidente em alguns projetos que se valem de sua implantação muito específica para estabelecer essas conexões compositivas, como é o caso das Piscinas de Marés de Leça da Palmeira, projeto do arquiteto português Álvaro Siza Vieira.

A parte edificada do projeto se combina com os elementos existentes em termos de cor, textura e materialidade. Piscinas de Marés de Leça da Palmeira / Alvaro Siza. Foto: © Fernando Guerra | FG+SG
A parte edificada do projeto se combina com os elementos existentes em termos de cor, textura e materialidade. Piscinas de Marés de Leça da Palmeira / Alvaro Siza. Foto: © Fernando Guerra | FG+SG

Considerando as formações rochosas da costa e a dinâmica própria das marés, a construção dialoga ora em um sentido de evidenciar a ação humana no local, ora de incorporá-la a uma leitura global da paisagem, uma vez que o material escolhido para a intervenção vai de encontro à materialidade do espaço natural.

Templo do Bosque / Marco Casagrande. Foto: © Lina Pilibaviciute
Templo do Bosque / Marco Casagrande. Foto: © Lina Pilibaviciute

A principal questão colocada nesses casos é adotar um tipo de relação mais específico do que se conduz em outras iniciativas que lidam com a natureza, como é o caso da arquitetura biomimética ou dos projetos sustentáveis. Trata-se, sobretudo, de colocar a arquitetura e aqueles que a produzem sob uma perspectiva mais ampla, de conjunto e contato com interferências e oportunidades conferidas pelo meio.

Espaços que consideram as dinâmicas do ambiente dentro no projeto também lidam com a natureza como agente ativo. Casa Experimental Muuratsalo / Alvar Aalto. Foto: © Nico Saieh
Espaços que consideram as dinâmicas do ambiente dentro no projeto também lidam com a natureza como agente ativo. Casa Experimental Muuratsalo / Alvar Aalto. Foto: © Nico Saieh

A compreensão de que o lugar é um elemento presente e ativo, que dita dinâmicas, faz incorporar características, orienta o desenho e, portanto, torna-se dado de projeto, ajuda a criar a noção de que a arquitetura não pode ser vista de forma restrita, como elemento isolado, mas sim como forma de interação, reação e mediação entre as funções e necessidades cotidianas e o espaço que elas ocupam.

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Julia Brant
Autor
Cita: Julia Brant. "A natureza como coautora em projetos de arquitetura" 08 Fev 2018. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/888530/a-natureza-como-coautora-em-projetos-de-arquitetura> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.