O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. O que podemos aprender sobre arquitetura a partir do rastreamento ocular das pessoas

O que podemos aprender sobre arquitetura a partir do rastreamento ocular das pessoas

O que podemos aprender sobre arquitetura a partir do rastreamento ocular das pessoas
O que podemos aprender sobre arquitetura a partir do rastreamento ocular das pessoas, © Ann Sussman
© Ann Sussman

Este artigo foi publicado originalmente pela Common Edge como "Game-Changing Eye-Tracking Studies Reveal How We Actually See Architecture."

Enquanto muitos arquitetos tem se agarrado por muito tempo ao velho ditado de que "a forma segue a função", a forma segue a função do cérebro pode ser o lema dos anunciantes e fabricantes de automóveis de hoje, que cada vez mais usam ferramentas de alta tecnologia para entender os comportamentos humanos ocultos e, em seguida, projetar seus produtos para atendê-los (sem nunca terem pedido nossa permissão!)

Ferramentas biométricas como um EEG (eletroencefalograma) que mede ondas cerebrais, software de análise de expressão facial que segue as mudanças de nossas expressões, e o rastreamento ocular, que nos permite gravar movimentos oculares "inconscientes", são onipresentes em todos os tipos de publicidade e desenvolvimento de produtos hoje — além da psicologia ou dos departamentos médicos onde você pode esperar vê-los. Nos dias de hoje, você também os encontrará instalados nos laboratórios de pesquisa comportamental e experiência do usuário em escolas de negócios, como a Universidade Americana (American University) no Distrito da Columbia e o Instituto Politécnico de Worcester (Worcester Polytechnic Institute - WPI) em Massachusetts.

O que acontece quando você aplica uma medida biométrica como o rastreamento ocular para a arquitetura? Mais do que esperávamos...

De fato, após a execução de quatro estudos-piloto olhando para edifícios na cidade e subúrbio (Nova Iorque, Boston, Somerville e Devens, MA) desde 2015, pensamos que essas tecnologias estão a revolucionar a nossa compreensão de como a arquitetura afeta as pessoas e, em um primeiro momento, permitem-nos prever as respostas humanas, incluindo coisas como as pessoas vão querer permanecer fora de um novo edifício ou, em frações de segundo, optar por fugir. (Há mais em nosso primeiro estudo de rastreamento ocular na capa da Planning Magazine, junho de 2016.)

Em suma, acreditamos que uma vez que você "veja" como olhamos para edifícios, você nunca mais olhará a arquitetura da mesma forma novamente. Então, aqui estão três descobertas inesperadas coletadas a partir do rastreamento ocular na arquitetura:

1. Pessoas ignoram fachadas em branco

© Ann Sussman
© Ann Sussman

Este resultado irá atingi-lo na cabeça como uma tonelada de tijolos. Coloque isso em letras garrafais: pessoas não tendem a olhar para grandes coisas em branco, fachadas sem características, ou arquiteturas com quatro faces de vidro repetitivas. Nossos cérebros, trabalho de 3,6 bilhões de anos de evolução, não estão configurados para isso. Isso é provável porque as grandes coisas, em branco e sem características raramente nos mataram. Ou, de outra forma, nossa arquitetura moderna atual simplesmente não tem estado por aí tempo suficiente para impactar os comportamentos e um sistema nervoso central que se desenvolveu ao longo de milênios para garantir a sobrevivência das espécies na natureza. Do ponto de vista visual do cérebro, as fachadas em branco poderiam muito bem não estar lá.

Você pode ver isso no estudo acima. Mostra duas visualizações da biblioteca Stapleton de Nova Iorque, uma com janelas existentes, à direita e, à esquerda, uma sem elas (uma versão com fotos que fizemos da mesma fachada). Os pontos amarelos brilhantes representam "fixações" que indicam onde os olhos descansam enquanto tomam a cena em um intervalo de 15 segundos. As linhas entre eles são os "vislumbres" que seguem o movimento entre as fixações. Em média, os espectadores moviam seus olhos 45 vezes por intervalo de teste, com pouco ou nenhum esforço consciente ou consciência de sua parte, e nenhuma direção. Na imagem à esquerda, sem janelas, os examinadores ignoraram o exterior, salvo a porta de entrada. Este já não é o caso com a imagem à direita. Fotos abaixo mostram mapas de calor que agregam os dados de visualização de múltiplos indivíduos. Esses mapas brilhantes, onde as pessoas mais observaram, sugerem quanto os padrões de aberturas importam: eles mantêm as pessoas fixadas na fachada, fornecendo áreas de contraste aos olhos que inatamente procuram e depois se prendem em algum ponto. Nossos estudos descobriram que os edifícios com janelas (ou áreas simétricas de alto contraste) perenemente chamavam a atenção, e aquelas que não tinham, não.

© Ann Sussman
© Ann Sussman
© Ann Sussman
© Ann Sussman

2. Fixações conduzem a exploração

 

Por que importa onde as pessoas olham sem controle consciente? Essa é a pergunta final. No decorrer de nossa pesquisa, selecionamos um mantra da ciência cognitiva, "as fixações conduzem a exploração", e aprendemos que os hábitos ocultos inconscientes, como onde nossos olhos se "fixam" sem um estímulo consciente, determina onde a nossa atenção vai e isso é extremamente significativo. Por quê? Por causa de fixações inconscientes, por sua vez, atividades conscientes diretas e comportamento. Não é de admirar que Honda e  GM usem essa tecnologia. Não é de admirar que os anunciantes de todas as marcas também. Querem saber aonde nós olhamos para que possam gerenciar nosso comportamento, certificando-se de que um anúncio prende a atenção, conforme pretendido, antes de ser lançado. Querem gerenciar nosso comportamento inconsciente para que tenham o resultado consciente que desejam de nossos cérebros, (sem ter que levantar um dedo metafórico!)

© Ann Sussman
© Ann Sussman

E o que dizer da arquitetura? O rastreamento dos olhos pode nos ajudar a desvendar as experiências em fração de segundos que impulsionam nossas ações em torno de edifícios de maneiras que talvez nunca possamos perceber. Para ver como nossas "fixações dirigem a exploração", vamos tomar a cena acima. À esquerda está Davis Square em Somerville, MA, um distrito residencial denso perto de Cambridge, lar de muitas faculdades e empresas. À direita, a imagem mostra uma versão fotográfica da mesma cena. No ano passado, pedimos mais de 300 pessoas em palestras onde eles prefeririam ficar de pé e esperar por um amigo: na frente do prédio em branco ou na frente do prédio com o mural colorido de Matisse. Surpreendentemente - sem sequer conversar um com o outro - todos escolheram o mesmo lugar, em frente ao mural.

Por quê? Acontece que o rastreamento ocular sugere algumas respostas interessantes. O mapa de calor abaixo indica que o mural fornece pontos de fixação para focar, e estes nos dão um tipo de conexão que gostamos ou que parece fazer sentir-nos melhor. Sem essas conexões, as pessoas aparentemente não sabem para onde ir - ficam ansiosas - e por isso não selecionaram a área em branco. Incrível o poder das fixações para conduzir a exploração, seja em anúncios ou em arquitetura. (Acho que tem que ser dessa maneira, uma vez que só tem um cérebro.)

© Ann Sussman
© Ann Sussman

3. Pessoas olham para as pessoas, continuamente

© Ann Sussman
© Ann Sussman

E ao final, ironicamente, a coisa mais importante dos estudos de rastreamento dos olhos à arquitetura nos revelaram não ter nada a ver com edifícios. Em vez disso, sugeriu o quanto o nosso cérebro é programado para procurar e ver as pessoas. Somos uma espécie social e nossa percepção é relacional. Estudos de rastreamento ocular observam isso, repetidamente. Sim, a arquitetura é importante, mas, do ponto de vista do nosso cérebro, as pessoas são mais importantes. Não importa onde elas estejam.

Vimos esse rastreamento ocular da famosa Copley Square em Boston com sua histórica Igreja da Trindade (1877) e a igualmente histórica Torre de Hancock (c.1976), que recentemente mudou de gerenciamento e agora é chamada de 200 Clarendon (veja as imagens acima). Em 2015, a torre apresentou uma instalação de arte temporária de um homem parado em um barco flutuante. Adivinhe para onde as pessoas olhavam?

Se você escolheu a pequena silhueta do homem, você está certo. Richardsonian Romanesque  tem o seu apelo, e pode haver conservadores modernistas, mas quando se trata de corpos humanos, é isso que seu cérebro quer que você se concentre. (Veja o mapa de calor mais vermelho). É isso que as pessoas foram olhar. Por outro lado, mal conseguiram dar uma olhada no vidro.

Se há uma conclusão abrangente, é esta: só podemos esperar para salvar nós mesmos se soubermos o que somos. A evolução é real e somos artefatos do processo. O rastreamento ocular na arquitetura revela antigos algoritmos que nos conduzem, mesmo que não possamos percebê-los. A arquitetura que é humana envolve nossa natureza animal reconhecendo nossa notável história. Em termos de como tomamos o mundo, nossos antepassados aprenderam a maneira difícil de buscar imediatamente áreas de alto contraste e outras criaturas, particularmente rostos, e passaram as dicas salva-vidas para nós. Esses comportamentos não desaparecerão em breve.

Então, nos encontramos hoje, homens modernos, aprimorados para olhar a silhueta de alguém de fora do 35º andar de um arranha-céus. Realmente não faz sentido, a menos que você considere de onde viemos e a luta pela sobrevivência que nos fez.

Graças ao Instituto de Boston ao projeto Centro de Ciência Humana, The Devens Enterprise Commission, o Prof. Justin B. Hollander e Hanna Carr, a Universidade Tufts e Dan Bartman, o Departamento de Planejamento da Cidade de Somerville para assistência inestimável e apoio à pesquisa. Para ferramentas tecnológicas de mudanças, muitos agradecimentos ao iMotions e 3M VAS e seus funcionários por tornar possível esse tipo de pesquisa

Ann Sussman é um autor, arquiteto e pesquisador biométrico. Seu livro Cognitive Architecture, Designing for How We Respond to the Built Environment (2015), e co-autoria de Justin B Hollander, ganhou o prêmio EDRA de pesquisa em 2016. Mais informações em: annsussman.com e em seu blog, geneticsofdesign.com. Janice M Ward é escritora, designer, blogueira e advogada da STEM. Ela e Ann Sussman desenvolveram a capa na edição de junho de 2016 da Planning Magazine: Usando rastreamento ocular e outras ferramentas biométricas para ajudar os planejadores a moldar ambientes construídos. Mais informações em acanthi.com a geneticsofdesign.com.

Sobre este autor
Ann Sussman & Janice M Ward
Autor
Cita: Ann Sussman & Janice M Ward. "O que podemos aprender sobre arquitetura a partir do rastreamento ocular das pessoas" [Here's What You Can Learn About Architecture from Tracking People's Eye Movements] 29 Jan 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Pereira, Matheus) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/887713/o-que-podemos-aprender-sobre-arquitetura-a-partir-do-rastreamento-ocular-das-pessoas> ISSN 0719-8906