O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. O desafio de construir um espaço público em uma cidade violenta no México

O desafio de construir um espaço público em uma cidade violenta no México

O desafio de construir um espaço público em uma cidade violenta no México
O desafio de construir um espaço público em uma cidade violenta no México, Cortesía de Jardín Botánico de Culiacán
Cortesía de Jardín Botánico de Culiacán

O que acontece com o espaço público de uma cidade que aprendeu a aceitar a violência como fator cotidiano? Embora seja ingênuo acreditar que a arquitetura por si só possa resolver problemas sociais e políticos complexos, também é importante entender como e de onde pode agir de alguma maneira, por menor que seja.

Indubitavelmente, a onda de violência que surgiu no México durante este século é mais palpável em certas regiões do país, resultando em sociedades vulneráveis e devastadas pela insegurança. Desde 2005, a arquiteta mexicana Tatiana Bilbao tem participado do desenvolvimento de um projeto multidisciplinar em Culiacán, capital do estado de Sinaloa, amplamente reconhecido pela violência relacionada ao narcotráfico abrigado na cidade.

O Jardim Botânico Culiacán é um espaço público que, a partir de 2002, empreendeu um ambicioso projeto sob a direção de Agustin Coppel. Começou a recrutar vários artistas para visitar o terreno e conceber peças de arte que foram integradas ao Jardim, contribuindo ao espaço uma dimensão artística que denotou reações variadas em seus visitantes, funcionando como uma experiência estética, sensorial e intelectual.

Incrivelmente, esta pequena cidade no norte do México é o lar de um espaço com obras de artistas reconhecidos internacionalmente, como James Turrell, Olafur Eliasson, Dan Graham, Richard Long, Gabriel Orozco, Teresa Margolles, entre outros. 

Cortesía de Jardín Botánico de Culiacán
Cortesía de Jardín Botánico de Culiacán

Na entrevista a seguir, Bilbao nos conta sobre as fases que o projeto teve, as que ainda estão por concluir, o compromisso social do arquiteto ao trabalhar com as comunidades que desconhece e as vantagens de apresentar arte contemporânea fora da "caixa branca" do tradicional museu

Quando e como você se envolveu com esse projeto?

Tatiana Bilbao (TB): Na verdade, não há um ano de início do projeto... Posso dizer-lhe que cheguei em junho de 2005. O Jardim Botânico teve muitas evoluções. No início, Don Carlos Murillo concentrou-se neste incrível trabalho de fazer uma coleção botânica. Depois, Agustín [Coppel] se envolveu e começou a doar uma parte de sua coleção de arte e eventualmente convidou Patrick Charpenel para ajudá-lo com a curadoria da área. Foi quando tudo começou a se transformar, entre 2004 e 2005. Patrick propôs realizar um projeto mais ambicioso, comissionando cada artista convidado a fazer uma peça específica ao Jardim. Então eles me convidaram. Cheguei e disse: por que não fazemos um projeto abrangente?

A primeira coisa que decidimos foi que nosso principal objetivo era fazer um projeto que reforçaria o Jardim Botânico e levaria a estar entre os melhores do mundo. Para isso, tivemos que investir muito na ideia da coleção, como ela é vivida e como é moldada, em termos físicos e espaciais. Taller de Operaciones Ambientales chegou a fazer uma classificação de tudo o que estava no Jardim, em um levantamento em escala 1:1. Naquela época, Patrick pediu aos artistas que visitassem o local e se conscientizassem do espaço e do contexto social que o rodeava. Paralelamente, tentamos encontrar uma plataforma que nos ajudasse a integrar tudo: o jardim existente, a coleção de arte e a construção de alguns edifícios ou pavilhões que fariam funcionar o programa.

Primeiro, fomos ver, em termos de estrutura, o que requeria o Jardim: armazéns, espaços de oficina, áreas de manutenção e locais para funcionários. Por outro lado, a parte botânica: coleta de sementes, herbário, estufa... finalmente toda a parte do programa educacional e artístico: auditório, salas de aula, espaços expositivos e uma biblioteca. Criamos um programa que dividimos em todo o jardim e que começou a ser construído em fases.

Cortesía de Jardín Botánico de Culiacán
Cortesía de Jardín Botánico de Culiacán

O Jardim Botânico Culiacán é um projeto em que tem trabalhado há mais de dez anos. Como arquiteta, o que considera que se ganha desenvolvendo um projeto com tanta pausa?

TB: Se ganha muito. No começo, foi um dos meus primeiros projetos e foi muito emocionante, continua a ser, a verdade é dos meus projetos favoritos. Mas naquela época era o único. Eu pensei "agora, deixe-o começar; antes que termine!". Queria ver tudo por toda parte. E agora que passou o tempo eu penso, que incrível...

Uma das coisas que foi deixada à entender é o tempo que a arquitetura requer, e é muito prejudicial. Por um lado, há uma coisa do efêmero ou a rapidez na qual se pode fazer a arquitetura, e para alguns programas ela funciona para remover a carga da permanência. Mas acho que em termos de espaços públicos, é melhor que tenham tempo suficiente para produzi-la. Como arquiteta, o tempo dá permissão para ver o que acontece; para entender o que é o lugar; reagir mais profundamente. Acima de tudo, dá permissão para que entendemos-a.

E de qualquer forma, não entendemos isso, asseguro-lhe que alguém de Culiacán entende melhor do que eu. Eu não nasci lá e não é minha cultura, mas creio que dar-me a oportunidade de viver mais ali me permitiu agir de forma diferente.

Cortesía de Jardín Botánico de Culiacán
Cortesía de Jardín Botánico de Culiacán

Em uma cidade com os problemas sociais que enfrenta Culiacán, qual o papel da arquitetura?

TB: Em primeiro lugar, a maior responsabilidade é não acreditar que você sabe tudo. É muito arrogante chegar pensando que você vai resolver algo em que não conhece. É necessário assumir o papel que você é a peça que menos conhece o lugar do que todos aqueles que estão lá. Agindo dessa forma, há um benefício em ver as coisas de fora.

No Jardim, é incrível ver como todos os tipos de pessoas convergem e se tornou um oásis dentro da cidade. É muito curioso porque o acesso é gratuito e todos os estratos da cidade se juntam, e todas as idades, de alguma forma eu vejo isso como um refúgio. O fato de ter gerado - e não o gerei, mas sim Carlos Murillo há muitos anos - um espaço democrático que pôde oferecer interessantes atividades para todos os estratos da cidade, é valioso para a cidade e, no final, torna-se um refúgio.

É o que devemos promover, em termos de espaço público, deve ser um espaço democrático e aberto e deve oferecer possibilidades para todos. Esse espaço não permite a essa sociedade decidir o que pode fazer com ele, é a melhor arquitetura para um espaço público. É o que tem sido bem sucedido no Jardim Botânico de Culiacán.

Cortesía de Jardín Botánico de Culiacán
Cortesía de Jardín Botánico de Culiacán

Nunca vi as pessoas interagirem com a arte como fazem neste lugar: sem sequer saber que é considerado arte e, no entanto, parecendo entender que algo está acontecendo de maneira diferente do que acontece no resto da cidade. A que isso se deve?

TB: Você sabe o que estava lá? Quebre a caixa branca. Isso foi algo que não percebemos até que estivéssemos lá. É impressionante como o Jardim Botânico está promovendo a arte contemporânea em Culiacán de uma maneira que nada fez e nada mais teria feito.

Por exemplo, o Museu de Arte de Sinaloa [MASin] se transformou muito e teve exibições incríveis, mas ainda é um museu. Ainda existe uma restrição e nem todos se atrevem a ir, porque, no final, é uma instituição, um espaço fechado. Ao colocar a arte de forma tão espontânea e justamente sem restrições em um espaço aberto, ela começa a interagir com as pessoas.

Cortesía de Jardín Botánico de Culiacán
Cortesía de Jardín Botánico de Culiacán

E sob as regras impostas pelo povo...

TB: Totalmente. Por exemplo, foi muito curioso o que aconteceu com a peça de Teresa Margolles, uma série de bancos de cimento misturados com água do necrotério que foi usado para lavar os corpos de vítimas do narcotráfico. Nós os instalamos, mas por um ano eles não tiveram a descrição que dizia o que havia acontecido com a peça. Quando foi finalmente colocado, foi construída uma revolução. As pessoas foram ao governo, as senhoras que usaram-os se prepararam e queixaram-se profundamente de que ninguém lhes havia explicado isso. Elas não entendiam o porquê. Então Teresa foi ao Jardim e deu uma palestra, e de repente essas senhoras se tornaram as principais promotoras da arte no Jardim.

E isso é o que a arte contemporânea tem a fazer, trata-se justamente disso, para ser um reflexo de seu tempo e que as pessoas possam refletir sobre as coisas que acontecem através dela. Há mais arte política do que outra, evidentemente é muito política, mas também é uma questão social. E isso nunca aconteceu em um museu. Essas senhoras já se aproximaram da arte de uma maneira muito importante, muito forte, por terem confrontado-a e terem tido a oportunidade de fazê-la todos os dias. Essa é a chave, onde os muros foram quebrados e a arte tornou-se cotidiana.

Cortesía de Jardín Botánico de Culiacán
Cortesía de Jardín Botánico de Culiacán

Para mim, isso diz muito sobre como agir em um só lugar. Qualquer um teria pensado neste caso a grande idéia de ter uma coleção e alguém que doasse o dinheiro. Vamos fazer um museu, ótimo! E o que teria acontecido? Nada. A arte não teria permeado a sociedade. Isso me leva a pensar sobre como agir de muitos ângulos e entender que você não pode impor um programa como arquiteto. Não é fácil afastar-se disso e não acho que o tenha conseguido completamente, no Jardim foi uma coincidência incrível.

Não é fácil se afastar do que você traz de volta. No entanto, ensinou-me a refletir sobre cada passo que tomo... como agir, como não impor meu pensamento sobre algo que creio ser bom. Se este fosse um museu, obviamente, as intenções teriam sido excelentes... mas não necessariamente uma boa intenção gera um bom resultado. Tendo participado deste projeto, aprendi a sempre questionar se o que eu realmente proponho é a melhor solução para este lugar, para essa cultura ... Isso me fez integrar todos os tipos de pessoas em meu processo.

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Karina Zatarain
Autor
Cita: Zatarain, Karina. "O desafio de construir um espaço público em uma cidade violenta no México" [Tatiana Bilbao habla sobre el desafío de construir un espacio público en una ciudad violenta en México] 27 Dez 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Pereira, Matheus) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/886050/o-desafio-de-construir-um-espaco-publico-em-uma-cidade-violenta-no-mexico> ISSN 0719-8906