O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Odeia a arquitetura contemporânea? Culpe a economia, não os arquitetos

Odeia a arquitetura contemporânea? Culpe a economia, não os arquitetos

Odeia a arquitetura contemporânea? Culpe a economia, não os arquitetos
Odeia a arquitetura contemporânea? Culpe a economia, não os arquitetos , <a href='https://www.archdaily.com/65609/center-for-brain-health'>Lou Ruvo Center for Brain Health / Frank Gehry</a>. Image © <a href='https://www.flickr.com/photos/kimberlyreinhart/4586001600'>Flickr user kimberlyreinhart</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-nd/2.0/'>CC BY-ND 2.0</a>
Lou Ruvo Center for Brain Health / Frank Gehry. Image © Flickr user kimberlyreinhart licensed under CC BY-ND 2.0

Esse artigo foi publicado anteriormente pelo Common Edge como "The Politics of Architecture Are Not a Matter of Taste."

No final do mês passado, o Current Affairs publicou um ensaio de Brianna Rennix e Nathan J. Robinson, intitulado Why You Hate Contemporary Architecture: And if you don’t, why you should. (Por que você odeia a arquitetura contemporânea: e se você não faz isso, por que deveria fazer). O texto, escrito em um léxico de internet divertido no qual todos os objetos das críticas são "lixo", é tão carregado de ironia - o mais pobre dos substitutos para análise - que é difícil discernir um argumento central. Ainda assim, gostaria de questionar a premissa central do ensaio: os autores denominam a "arquitetura contemporânea" como feia e opressiva, e esse gosto não é nada imoral.

Desde o início, os autores usam o termo "arquitetura contemporânea" como um cobertor que abrange desde o SESC Pompéia de Lina Bo Bardi, um edifício brutalista concluído em 1982 até a Sede Caltrans feita pelo escritório Morphosis em 2004 - dois edifícios totalmente diferentes operando em diferentes tradições intelectuais e contextos políticos/históricos. Esta definição aleatória trai a natureza inteiramente histórica de seus argumentos. Em um caso, eles traçam uma comparação diagonal entre o Beacon Hill de Boston (um bairro construído no século XIX), o Guggenheim de Frank Lloyd Wright (completado em 1959 em Nova York) e o Tour de Montparnasse (Paris, 1969). O tratamento desses edifícios, de alguma forma equivalente e comparável, revela que com todos os esforços para criar um argumento enraizado na teoria da esquerda, os autores ignoraram inteiramente as condições históricas e materiais que variam enormemente em torno da criação de qualquer um dos edifícios a que se referem.

Enquanto os autores levam seus leitores em um grande passeio de ônibus pelas Maravilhas Arquitetônicas Através do Tempo, dificilmente pode-se dizer que sua viagem é histórica. No seu núcleo, o argumento que eles trazem é estético. Mas, mesmo por esses padrões, é vago. Os autores renunciam qualquer análise visual ou formal, cometendo o erro superficial de contar ao invés de mostrar ("Este edifício é feio porque tem elementos ruins." Vs. "Esses elementos tornam esse edifício feio por tais motivos."), Na tentativa de apresentar uma acusação contra a aparência do que eles chamam de "arquitetura contemporânea". Rennix e Robinson também se inscrevem na teoria da história do Grande Homem, mitificando arquitetos bem conhecidos a ponto de tratar suas ideias como o evangelho. Para os autores, este evangelho pode ser tolo, bobo, equivocado, pedante, mas é evangelho. O oposto diametral das palavras de outros arquitetos é o que os autores descrevem condescendentemente como a opinião do senso comum "da maioria das pessoas", que sabe o que é bom quando vem e gostam mais dos edifícios antigos.

De acordo com os autores, esses "edifícios antigos", independentemente de onde eles foram construídos, são todos bonitos. Cada um deles é uma obra de arte e devemos criar mais edifícios que se pareçam com eles. Não importa que a construção gótica de Veneza, que os autores insistem em afirmar que devemos "construir mais", foi em grande parte patrocinada pela elite veneziana e as classes dominantes; ou que todos os edifícios que citam como inegavelmente "bons" e "bonitos" se encaixam confortavelmente no cânon da história arquitetônica, uma construção moldada nos últimos três séculos por pessoas com poder e dinheiro.

Essas ideias terrivelmente simplistas sobre o que faz uma arquitetura ser "boa" preenchem o ensaio de Rennix e Robinson. Em uma instância particularmente preocupante, os autores oferecem uma regra geral para os arquitetos: "quanto mais verde e mais exuberante o lugar, mais adorável se torna" e usam os Jardins Suspensos da Babilônia como evidência para apoiar esta regra. (Não está claro se os autores sabem que não há evidências de que este último exemplo tenha sido realmente construído.) Os autores apresentam arquitetos com muitos modelos para serem imitados, mas ainda lutam para articular uma definição clara de beleza - apesar de sua insistência que a beleza é categórica e objetiva, e que a razão pela qual não fazemos edifícios bonitos é não termos desenvolvido um idioma para falar sobre a beleza. Eu me pergunto como J.J. Winckelmann ou Immanuel Kant ou Umberto Eco ou Edmund Burke, todos os quais dedicaram grandes porções de suas vidas a questões de estética, reagiriam à afirmação de que simplesmente não passamos tempo suficiente pensando em maneiras de como falar sobre a beleza. Infelizmente, os autores não compartilham essa curiosidade particular e, em vez disso, fazem a proposição ridícula de que, para determinar se um edifício é bonito, devemos perguntar o som que ele faria se pudesse falar.

Metodologias questionáveis de lado, mesmo pelos próprios padrões dos autores, a beleza é definível, mas ainda subjetiva e variável, dependendo inteiramente de normas culturais relacionadas aos sentimentos vacilantes e fugazes que ela evoca: alegria, curiosidade e encantamento. Contudo, vou deixar esta questão em particular e concentrar-me no fato de que os autores afirmam que a arquitetura construída hoje não é bonita em nenhum padrão.

Esta é uma implicação de que a arquitetura está em crise. Nisso podemos concordar. Mas está em crise, não porque os edifícios feitos hoje não sejam simétricos, ou porque seus arquitetos temem a beleza ou o ornamento. Está em crise porque a arquitetura - e aqui uso esse termo para significar edifícios que foram projetados para a construção no mundo físico - não se encaixa como uma mercadoria nas estruturas econômicas capitalistas. Não há valor, no sentido marxista da palavra, para ser extraído de ornamentos adicionais, de um plano equilibrado e habilmente composto, de uma beleza impressionante, exceto nos casos de edifícios concebidos como monumentais. Não há "sentimento" que faça dinheiro para um investidor. A razão pela qual a arquitetura contemporânea altamente projetada se manifesta quase que exclusivamente em estruturas icônicas é que essa é a única maneira de investir em design e qualidade estética podendo gerar lucro para alguém. Os arquitetos cujo trabalho ele cita - Zaha Hadid, Frank Gehry, Peter Eisenman - acabam por estar entre os poucos cujo trabalho foi irreverente o suficiente para atrair investimentos, ou pelo menos uma posição alardeada nos salões rarefeitos das escolas de arquitetura Ivy League.

O Guggenheim Bilbao, feito por Gehry e finalizado em 1997,muitas vezes é creditado com a popularização da cidade e os picos no turismo - agora conhecido como o "efeito Bilbao". Imagem © <a href='https://www.flickr.com/photos/ndrwfgg/9480202128'>Flickr user ndrwfgg</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
O Guggenheim Bilbao, feito por Gehry e finalizado em 1997,muitas vezes é creditado com a popularização da cidade e os picos no turismo - agora conhecido como o "efeito Bilbao". Imagem © Flickr user ndrwfgg licensed under CC BY 2.0

É difícil dizer como seria o trabalho desses arquitetos se as pressões do capitalismo não fossem um fator no seu design. Frank Gehry, que os autores confusamente (e incorretamente) chamam de "arquiteto favorito dos arquitetos", há muito desenhou edifícios que aumentam a ira e as críticas da comunidade arquitetônica por razões semelhantes as citadas pelos autores. Mas por que ele continua fazendo isso? Porque ganha dinheiro. O Guggenheim Bilbao, desenhado por Gehry e finalizado em 1997, é muitas vezes creditado com a popularização da cidade e os picos no turismo. O "efeito Bilbao" é uma maneira simplista de pensar e compreender as forças complexas que influenciam o desenvolvimento de qualquer cidade, mas o desejo de recriá-lo em outros lugares levou os investidores a buscarem projetos espetaculares de arquitetos dispostos a fornecer-lhes.

Opostas a essa "arquitetura-estrela" estão outras manifestações - complexos habitacionais, hospitais, edifícios governamentais - de "arquitetura contemporânea" que os autores denunciam com um vigor semelhante. Esses edifícios são freqüentemente caracterizados por fachadas e planos retilíneos, materiais baratos e detalhes ruins, mas proliferam nas cidades em grande parte graças às pressões exercidas pelo capital. Eles fornecem a aparência de modernização, o enrolamento ascendente de alto design, com nenhum dos trabalhos (ou gastos relacionados) necessários para projetá-lo ou construí-lo. A falta de qualidade e banalidade típica da arquitetura cotidiana contemporânea decorre da mesma lógica capitalista que resultou no mito do "Efeito Bilbao". Enquanto essas questões se manifestam visualmente, o problema na verdade não é estético. É, fundamentalmente, um problema de economia. O que parece ser um acidente feliz, Rennix e Robinson quase conseguem corrigir: eles sugerem que "devemos sair da prisão [de nossas ideias] e destruir o sistema econômico". Mas não são nossas ideias que são as prisões; É o próprio sistema econômico.

Essa ideia não é inteiramente desconhecida para a profissão arquitetônica que nas últimas duas décadas tem recuperado lentamente a natureza política de seu trabalho. Na frente deste movimento está o grupo estadunidense The Architecture Lobby, uma formação de arquitetos de esquerda que se organiza com base no seu status como trabalhadores para defender o valor de seu trabalho. Ao invés de assumir a luta contra o capitalismo por meio de sombras com sua precipitação estética, o grupo procura enfrentá-lo nos meios de produção arquitetônica. Sua crítica está enraizada na economia política e na compreensão de que não há "fora" para o capitalismo. Se mudarmos o sistema econômico, temos que quebrá-lo desde dentro. Essa ideia parece iludir completamente os autores, e é aqui que eles perdem completamente o raciocínio. Eles apontaram para tudo - arquitetos e seu ego, seu mau gosto, suas más ideias, seu desprezo e desdém pelas "massas" - menos para o verdadeiro culpado: a necessidade absoluta de tudo que seja produzido sob o capitalismo para gerar lucro.

Minha profunda gratidão a Keefer Dunn, ao lado de quem desenvolvi essas ideias e cujas notas sobre esse ensaio foram imensamente úteis.

Marianela D'Aprile é uma arquiteta, escritora e educadora com sede em Chicago. Seu trabalho aborda a interseção da política e da arquitetura, com foco na América Latina, movimentos da esquerda, violência estatal e espaços públicos.

Sobre este autor
Marianela D'Aprile
Autor
Cita: D'Aprile, Marianela. "Odeia a arquitetura contemporânea? Culpe a economia, não os arquitetos " [Hate Contemporary Architecture? Blame Economics, Not Architects] 27 Nov 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/884310/odeia-a-arquitetura-contemporanea-culpe-a-economia-nao-os-arquitetos> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.