O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Exposição "Neighbourhood, Where Alvaro meets Aldo" é remontada em Lisboa

Exposição "Neighbourhood, Where Alvaro meets Aldo" é remontada em Lisboa

Exposição "Neighbourhood, Where Alvaro meets Aldo" é remontada em Lisboa
Exposição "Neighbourhood, Where Alvaro meets Aldo" é remontada em Lisboa, © atelierXYZ
© atelierXYZ

Como resposta ao desafio lançado pelo curador geral da 15.ª Bienal de Arquitetura de Veneza, Alejandro Aravena – Reporting from the Front –, Portugal apresentou, em 2016, um pavilhão site-specific construído numa frente urbana em plena regeneração física e social, dentro da cidade de Veneza, e mais especificamente da ilha de Giudecca. Na verdade, a ideia de instalar o pavilhão português in situ despoletou a conclusão do projeto de regeneração do Campo di Marte, proposto pelo arquiteto Álvaro Siza, há mais de 30 anos. Após a “ocupação” deste local em construção, a exposição deu lugar a um novo habitat arquitetônico destinado aos residentes da Giudecca.

© atelierXYZ © atelierXYZ © atelierXYZ © atelierXYZ + 19

© atelierXYZ
© atelierXYZ

Deste modo, e inversamente ao que ocorre nos pavilhões de outros países, situados nos Giardini da Bienal de Veneza, onde a arquitetura serve de suporte genérico a um novo display expositivo em cada ano, neste pavilhão temporário foi a presença denunciante de um display expositivo singular que motivou a decisão política de terminar a arquitetura do conjunto, interrompida desde 2010 por falência do construtor. A conclusão desta obra, por parte das autoridades italianas, a que se seguirá a atribuição das casas aos habitantes do Campo di Marte, constitui por isso o resultado mais gratificante desta aventura por nós partilhada com Álvaro Siza.

© atelierXYZ
© atelierXYZ

A representação oficial portuguesa escolheu como tema central o notável trabalho de Siza no domínio da habitação social, abarcando os seus projetos em diferentes cidades – Campo di Marte (Veneza); Schlesisches Tor (Berlim); Schilderswijk (Haia); e Bairro da Bouça (Porto) –, e neles evidenciando a sua experiência de participação social, enquanto reflexo de uma compreensão democrática da cidade e da cidadania europeias. Esses diferentes projetos geraram verdadeiros lugares de vizinhança, tema central na atual agenda política europeia, em prol de uma sociedade mais inclusiva e multicultural. Siza tem trabalhado estes conceitos em proximidade com, entre outras, a cultura arquitetónica italiana e, em particular, com o legado conceptual e ideológico de Aldo Rossi, cujo relevante ensaio A Arquitetura da Cidade perfez, precisamente, 50 anos em 2016. Nesse sentido, a exposição destacou esse estimulante encontro entre Álvaro e Aldo; dois nomes metafóricos, que podem também representar os vizinhos que se cruzam entre si, todos os dias, em todas as esquinas dos bairros de Siza.

© atelierXYZ
© atelierXYZ

A exposição foi instalada no edifício projetado por Siza, ainda inacabado. Este edifício faz parte do referido plano de regeneração do Campo di Marte, de 1985, ganho pelo arquiteto português num concurso realizado dois anos antes, e que acabou por incluir outros arquitetos e outros bairros, como um conjunto de habitação social projetado por Aldo Rossi.

© atelierXYZ
© atelierXYZ

No início de 2016, alguns meses antes da inauguração da Bienal de Veneza, Álvaro Siza regressou, a nosso convite, aos quatro bairros sociais que constituem o centro desta exposição. No Porto, em Veneza, em Haia e em Berlim, Siza visitou e conviveu com os diferentes residentes, entre antigos e novos vizinhos, percebendo a evolução dos seus habitats, mas também as principais transformações sociais e urbanas ali ocorridas, e hoje partilhadas por muitas outras cidades europeias: processos de imigração, guetização, gentrificação e turistificação.

© atelierXYZ
© atelierXYZ

Essas visitas e esses vizinhos foram retratados em imagens de diferentes suportes, respetivamente mostradas no exterior e no interior do Pavilhão de Portugal. Tratam-se de verdadeiros documentos da vida quotidiana, só possíveis graças à boa vontade dos residentes. Esses registos foram produzidos por uma qualificada equipa profissional e multidisciplinar, constituída por Cândida Pinto e Rodrigo Lobo (vídeos da exposição, Canal SIC), Jordi Burch e Nicolò Galleazi (fotografias da exposição), a quem agradecemos o seu profundo empenho. Acompanham inúmeros outros documentos cedidos pelo Canadian Centre for Architecture (CCA), parceiro institucional, que, em conjunto com o ATER Venezia, o IUAV, a Municipalidade de Veneza Murano Burano, a UNESCO Venezia, o Instituto Camões, a Embaixada de Portugal em Itália, e a Ordem dos Arquitectos Portugueses, se revelaram essenciais para a concretização desta iniciativa. O nosso apreço estende-se ainda aos autores que contribuíram para o catálogo, com os seus importantes textos interpretativos da obra de Siza e dos lugares onde esta se insere: Mirko Zardini, Alberto Ferlenga, Andrea Barina, Adri Duivesteijn, Brigitte Fleck, Alexandre Alves Costa e Vittorio Gregotti.

© atelierXYZ
© atelierXYZ

O nosso último agradecimento vai naturalmente para Álvaro Siza, notável arquiteto, cidadão do mundo e agora também da acolhedora ilha da Giudecca.

A exposição Neighbourhood, Where Alvaro meets Aldo foi remontada em Lisboa, na Garagem Sul do Centro Cultural de Belém, e permanece aberta ao público até 11 de fevereiro de 2018.

© atelierXYZ
© atelierXYZ

Neighbourhood, Where Alvaro meets Aldo

  • CCB - Garagem Sul
  • 16 de novembro de 2017 - 11 de fevereiro de 2018
  • curadoria de Nuno Grande e Roberto Cremascoli
  • Projecto de arquitetura de COR Arquitectos (Cremascoli Okumura Rodrigues) e Nuno Grande
  • Área: 1590 m²
  • Fornecedor principal OTIIMA
  • Fotos: atelierXYZ

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Nuno Grande e Roberto Cremascoli
Autor
Cita: Nuno Grande e Roberto Cremascoli. "Exposição "Neighbourhood, Where Alvaro meets Aldo" é remontada em Lisboa" 19 Nov 2017. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/883909/exposicao-neighbourhood-where-alvaro-meets-aldo-e-remontada-em-lisboa> ISSN 0719-8906