O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. As inesperadas soluções de baixa tecnologia que possibilitaram a construção do Guggenheim de Bilbao

As inesperadas soluções de baixa tecnologia que possibilitaram a construção do Guggenheim de Bilbao

As inesperadas soluções de baixa tecnologia que possibilitaram a construção do Guggenheim de Bilbao
Alpinista instalando painéis de fachada de titânio durante a construção do Museu Guggenheim de Bilbao. Foto: Aitor Ortiz. Imagem © 2017 FMGB Guggenheim Bilbao
Alpinista instalando painéis de fachada de titânio durante a construção do Museu Guggenheim de Bilbao. Foto: Aitor Ortiz. Imagem © 2017 FMGB Guggenheim Bilbao

Este artigo foi publicado originalmente em guggenheim.org/blogs, com o título "How Analog and Digital Came Together in the 1990s Creation of the Guggenheim Museum Bilbao,"  e é utilizado com permissão.

O Museu Guggenheim de Bilbao, que comemora seu vigésimo aniversário este mês, foi aclamado como um pináculo do progresso tecnológico desde sua abertura em outubro de 1997. Embora o uso do software de modelagem CATIA (Computer Aided Three-Dimensional Interactive Application) tenha sido, sem dúvidas, inovador, alguns dos maiores momentos de engenhosidade durante o projeto e a construção do edifício foram claramente de baixa tecnologia. Desenvolvido entre 1991 e 1997, o edifício curvado e angular revestido em titânio foi concebido no ponto de virada entre a prática analógica e a digital. Essa mudança profunda envolveu e permeou todos os aspectos do projeto, desde o processo projetual e técnicas construtivas até os métodos tecnológicos de comunicação utilizados.

Museu Guggenheim de Bilbao, 1997. Imagem © David Heald
Museu Guggenheim de Bilbao, 1997. Imagem © David Heald

A complexidade do edifício foi, em muitos casos, melhor comunicada através de modelos físicos, de modo que as fotos anotadas em detalhes das maquetes construídas à mão foram distribuídas para garantir que todos estivessem "falando a mesma língua". Outras informações de projeto foram transmitidas através de métodos exclusivos, então disponíveis: ao longo do projeto, horas foram gastas no telefone diariamente, reuniões presenciais foram realizadas a cada seis semanas e mais de 16.000 faxes foram enviados. A equipe principal do projeto foi composta por funcionários em Nova Iorque, Los Angeles e Bilbao, respectivamente, da Fundação Solomon R. Guggenheim,  Frank O. Gehry and Associates (agora Gehry Partners), uma equipe de 150 pessoas do arquiteto executivo IDOM e uma entidade jurídica criada pelo Governo Basco: Consorcio Guggenheim Bilbao. Todos esses, além dos engenheiros estruturais da SOM em Chicago, dos engenheiros mecânicos Cosentini em Nova Iorque e de inúmeros contratados, constituíram um escritório de 24 horas em cidades em todo o mundo.

As fotografias de maquetes de trabalho foram fotocopiadas e avaliadas por Frank O. Gehry and Associates para decidir opções de projeto com as partes interessadas no projeto em Nova Iorque e Bilbao. Esta imagem mostra um experimento com a colocação de uma coluna em uma das galerias do museu. Foi enviado para o ex-diretor adjunto do Museu, Michael Goven, por Doug Hanson, arquiteto responsável no Frank O. Gehry e Associates, em 24 de agosto de 1993. Imagem Cortesia de Solomon R. Guggenheim Museum Archives, Nova York
As fotografias de maquetes de trabalho foram fotocopiadas e avaliadas por Frank O. Gehry and Associates para decidir opções de projeto com as partes interessadas no projeto em Nova Iorque e Bilbao. Esta imagem mostra um experimento com a colocação de uma coluna em uma das galerias do museu. Foi enviado para o ex-diretor adjunto do Museu, Michael Goven, por Doug Hanson, arquiteto responsável no Frank O. Gehry e Associates, em 24 de agosto de 1993. Imagem Cortesia de Solomon R. Guggenheim Museum Archives, Nova York

Dos milhares de faxes enviados, 6.000 foram dedicados exclusivamente à fachada do edifício. Frank O. Gehry and Associates já tinham trabalhado com fachadas metálicas, mas ficaram frustrados depois de revisarem uma série de maquetes em Bilbao. Experimentando com abrasão e polimerização do metal, os arquitetos sentiram que o aço era muito reflexivo ao sol e muito maçante nos dias cinzas e chuvosos de Bilbao. Por acaso, um pedaço de titânio na pilha de amostras de materiais da empresa captou os olhos da equipe. Em um dia incomum de Los Angeles nublado, a placa quadrada de metal foi pregada em um poste telefônico no estacionamento do escritório; Tornou-se dourada com a luz cinzenta e todos acabaram concordando que o material deveria compor o projeto.

Quando você pensa sobre titânio, os primeiros objetos que vêm à mente são, provavelmente, tacos de golfe e peças de avião. Caracterizado por sua relação força / peso, este material leve é ​​caro e raramente usado como material de construção exterior, razão pela qual não foi originalmente considerado para o museu. Exatamente 42.875 painéis de titânio compõem a fachada icônica do Museu Guggenheim de Bilbao. A história da escolha, compra, processamento e aplicação deste metal é composta por cálculos e um feliz acaso. Os obstáculos mais conhecidos nesta saga foram ligados às circunstâncias que envolvem sua compra: no momento, o titânio era mais que o dobro do custo do aço. Esse impedimento inicial não parou a equipe, que após pesquisar as propriedades do metal confirmou que o titânio poderia ser usado com a metade da espessura do aço. Essa conclusão foi suficiente para considerar seriamente o uso do material, que foi incluído como uma alternativa ao aço inoxidável na envoltória da fachada. Incrivelmente, assim como a equipe expôs a oferta, a Rússia lançou titânio no mercado a um preço baixo. Desnecessário dizer que o preço subiu logo após o metal ter sido comprado para o Museu Guggenheim de Bilbao, ressaltando essa oportunidade singular.

Os benefícios intrínsecos do titânio variam de sua força à sua resiliência - o metal não oxida. Essas qualidades do material foram conhecidas e exploradas à medida que os detalhes da construção do edifício eram elaborados. No caso em questão: os painéis de titânio com a espessura de uma folha de papel (0,38 mm) ondulam no vento segundo o projeto. Os clipes de aço inoxidável são posicionados no ponto médio de cada painel entre juntas tradicionais, fazendo com que o metal torne-se ondulado em vez de ficar aplainado. Além disso, a qualidade transformadora da fachada do museu - esse fulgor dourado - também foi cuidadosamente calibrada. Depois que o titânio foi extraído na Rússia, ele foi processado pela Timet (Titanium Metals Corporation) em Pittsburgh. As experiências foram realizadas ao longo de um ano para garantir que apenas a combinação correta de produtos químicos e calor fosse usada durante o processo de laminação para criar a qualidade da superfície que parece se transformar sem esforço em resposta ao céu de Bilbao.

Essas duas fotografias, tiradas em 1997, ilustram a gama de tons da fachada de titânio, pois refletem o céu flutuante. Imagem © David Heald
Essas duas fotografias, tiradas em 1997, ilustram a gama de tons da fachada de titânio, pois refletem o céu flutuante. Imagem © David Heald

A equipe enfrentou um desafio sem precedentes quando o titânio estava pronto para ser instalado. Embora cada painel de 60 a 90 centímetros fosse leve o suficiente para ser manipulado confortavelmente por uma única pessoa, o equipamento de instalação padrão (um guindaste, por exemplo) não era projetado para acomodar as curvas verticais côncavas do edifício. Em vez de conceber um método de instalação de alta tecnologia tão complexo e particular quanto o próprio edifício, alpinistas foram contratados para instalar os painéis. O gerente de projeto do IDOM, Luis Rodriguez Llopis, resume o pensamento por trás dessa solução engenhosa: "Descobrimos que era mais fácil contratar alpinistas e treiná-los como instaladores do que contratar instaladores e treiná-los como alpinistas".

Alpinista instalando painéis de fachada de titânio durante a construção do Museu Guggenheim de Bilbao. Foto: Aitor Ortiz. Imagem © 2017 FMGB Guggenheim Bilbao
Alpinista instalando painéis de fachada de titânio durante a construção do Museu Guggenheim de Bilbao. Foto: Aitor Ortiz. Imagem © 2017 FMGB Guggenheim Bilbao

Conhecido por suas curvas suaves e assimétricas, a falta de repetição na forma do Museu Guggenheim Bilbao é atribuída ao uso da tecnologia digital pioneira. Na realidade, é a interação entre métodos automatizados e analógicos e a relação entre ao volume total idiossincrático do edifício e a grade bastante regular de painéis de titânio que culmina com o efeito que se tornou icônico. Embora o empreiteiro com sede em Itália, a Permasteelisa, tenha utilizado arquivos CATIA para cortar os painéis de titânio com um roteador CNC (Computer Numerical Control), vale ressaltar que 80 por cento dos painéis de fachada possuem quatro dimensões padrão (os outros 20 por cento exigiram apenas 16 perfis únicos). Ouvir a tremulação desses painéis em um dia agitado e observar o titânio assumir as cores do céu em constante mudança de Bilbao é, ao mesmo tempo, catártico e fascinante. O mais interessante é observar que essas características efêmeras impressionantes foram meticulosamente planejadas e tornadas possíveis por arquitetos, engenheiros e alpinistas.

Alpinista instalando painéis de fachada de titânio durante a construção do Museu Guggenheim de Bilbao. Foto: Aitor Ortiz. Imagem © 2017 FMGB Guggenheim Bilbao
Alpinista instalando painéis de fachada de titânio durante a construção do Museu Guggenheim de Bilbao. Foto: Aitor Ortiz. Imagem © 2017 FMGB Guggenheim Bilbao

© 2017 The Solomon R. Guggenheim Foundation

Cita: Mendelsohn, Ashley. "As inesperadas soluções de baixa tecnologia que possibilitaram a construção do Guggenheim de Bilbao" [The Unexpected Low-Tech Solutions That Made the Guggenheim Bilbao Possible] 18 Out 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/881860/as-inesperadas-solucoes-de-baixa-tecnologia-que-possibilitaram-a-construcao-do-guggenheim-de-bilbao> ISSN 0719-8906