O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Três cidades que usaram o urbanismo para se reinventar

Três cidades que usaram o urbanismo para se reinventar

  • 10:00 - 9 Outubro, 2017
  • por
Três cidades que usaram o urbanismo para se reinventar
Três cidades que usaram o urbanismo para se reinventar, Bruxelas, Bélgica. Image © saigneurdeguerre via Visualhunt /  CC BY-NC-SA
Bruxelas, Bélgica. Image © saigneurdeguerre via Visualhunt / CC BY-NC-SA

Cidades têm de acompanhar o ritmo da sociedade. Por isso, se reinventam. Ou deveriam. Pois, quando o pensamento urbanístico é deixado de lado, os problemas aparecem. A falta de acessibilidade, a centralização de serviços públicos, o pouco estímulo ao uso do espaço urbano e até a violência são alguns dos pontos que acometem as cidades mal planejadas.

Pensando nisso é que arquitetos e urbanistas europeus e norte-americanos se reuniram em 2003 para discutir e estabelecer o novo urbanismo, com base em casos que deram certo e antes que se instaurasse o caos. Afinal, o pensamento vigente de organização não atende mais às necessidades das metrópoles contemporâneas.

Após essa primeira reunião, o Conselho Europeu de Urbanismo foi criado. Os arquitetos belgas Christian Lasserre e Joana Alimanestianu, e Lucien Steil, de Luxemburgo, passaram a liderar o novo movimento de urbanismo, que se inspira em alguns bons exemplos, como Tapiola, na Finlândia, Bruxelas, na Bélgica, e Bogotá, na Colômbia, cidades que criaram soluções simples, mas impactantes para a vida contemporânea.

E na base do novo urbanismo, estão aspectos como minimizar os efeitos da urbanização dispersa; estimular o uso misto do espaço urbano; valorizar a circulação de pedestres; incentivar o uso da bicicleta; dar máxima atenção às demandas da comunidade organizada em pequenos núcleos ou distritos; e preservar os bens de interesse histórico, por meio da atribuição de usos atuais para os espaços incorporados ao projeto urbano.

Bruxelas

Bruxelas, Bélgica. Image © Photo via VisualHunt
Bruxelas, Bélgica. Image © Photo via VisualHunt

Foi na capital da Bélgica que o novo pensamento urbanístico nasceu. A pós-doutorada em geografia urbana e plano espacial pela Universidade Saint-Louis de Bruxelas, Sofie Vermeulen, explica que a cidade adotou, no início dos anos 2000, um planejamento urbano capaz de a transformar em metrópole internacional. Desde então, além das políticas bem-sucedidas de mobilidade urbana e descentralização de serviços públicos, Bruxelas trabalha na revitalização de áreas centrais. O status de cidade cosmopolita atrai cada vez mais turistas de negócios, além de variados congressos mundiais.

Bogotá

Bogotá, Colômbia. Image © Pichiko Photography via Visual hunt /  CC BY-SA
Bogotá, Colômbia. Image © Pichiko Photography via Visual hunt / CC BY-SA

Atualmente com sete milhões de habitantes, a capital da Colômbia chamou atenção pela forma com que diminuiu o índice de violência urbana. De acordo com informações do governo local, Bogotá baixou de 82 para 16 homicídios por 100 mil habitantes entre 1998 e 2008. Para o ex-prefeito da metrópole, Enrico Peñalosa, que esteve no Brasil em 2010 para explicar o processo, a razão principal para a solução da violência urbana foi a mobilidade. Criou-se um sistema binário de transporte urbano, com canaletas exclusivas para os ônibus e priorização de pedestres e ciclistas nas vias da cidade. “O estacionamento não é garantido constitucionalmente. Se há carros estacionados numa rua, o governo pode tira-los e fazer uma ciclovia”, explica. E foi essa uma das soluções colocadas em prática por lá.

Tapiola

Tapiola, Finlândia. Image © ConnectIrmeli via VisualHunt.com /  CC BY-NC-ND
Tapiola, Finlândia. Image © ConnectIrmeli via VisualHunt.com / CC BY-NC-ND

Fundada em 1953, Tapiola foi planejada para ser uma cidade-jardim. Isso foi um reflexo do pós-guerra, quando a Europa passou a tratar da preservação e conservação de bens naturais. A cidade, localizada na costa sul da Finlândia, convida os cidadãos a interagir com o sistema de espaços livres e verdes e desenvolvimento sustentável. Essa relação, para o mestre em projeto urbano pela Graduate School of Design da Universidade e Harvard, Adilson Macedo, recuperou o potencial imobiliário de algumas regiões e descentralizou serviços e comércio.

Via Gazeta do Povo - HAUS

Ver a galeria completa

Sobre este autor
HAUS
Autor
Cita: HAUS. "Três cidades que usaram o urbanismo para se reinventar" 09 Out 2017. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/881115/tres-cidades-que-usaram-o-urbanismo-para-se-reinventar> ISSN 0719-8906