O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Por que Jan Gehl não necessariamente odeia os arranha-céus

Por que Jan Gehl não necessariamente odeia os arranha-céus

  • 07:00 - 19 Setembro, 2017
  • por
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
Por que Jan Gehl não necessariamente odeia os arranha-céus
Por que Jan Gehl não necessariamente odeia os arranha-céus, © <a href='https://www.flickr.com/photos/gruban/288465746/'>Flickr user gruban</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>CC BY-SA 2.0</a>
© Flickr user gruban licensed under CC BY-SA 2.0

Esse artigo foi originalmente publicado em Common Edge como "Jan Gehl on Why Tall Buildings Aren’t Necessarily Bad for Street Life."

Jan Gehl, o grande urbanista dinamarquês, tem muito em comum com Jane Jacobs. Durante a maior parte do último meio século, seu foco tem sido o desenvolvimento de cidades orientadas para as pessoas. O autor de uma série de livros, incluindo  Life Between BuildingsCities for PeoplePublic Spaces—Public Life e, mais recentemente, How to Study Public Life, Gehl e seus colegas também serviram como consultores para as cidades de Copenhague, Londres, Melbourne, Sidney, Nova York e Moscou. Gehl Architects atualmente tem escritórios em Copenhague, Nova York e San Francisco. Conversei com Gehl sobre Jacobs, a loucura do planejamento urbano modernista e a forma urbana duradora da cidade de Nova York.

Martin C Pedersen: Você lembra quando leu pela primeira vez Morte e Vida [de Grandes Cidades]?

Jan Gehl: Eu me formei em 1960 e passei alguns anos trabalhando em arquitetura padronizada. Então, me casei com uma psicóloga e comecei a interessar-me pela fronteira entre arquitetura e ciências sociais. E eu adquiri um interesse especial no que as pessoas fazem em espaços públicos e como a forma desses espaços influenciou a vida das pessoas que os usavam. Recebi um subsídio para ir a Itália por meio semestre em 1965, para estudar praças italianas: como elas funcionavam, por que elas funcionavam, quais serviam, quais não. Depois disso, fui convidado pela escola de arquitetura da Royal Danish Academy of Fine Arts, para continuar esses estudos em uma bolsa de pesquisa. Isso resultou em um livro que escrevi chamado Life Between Buildings. Foi durante esses estudos que encontrei seu livro.

MCP: Ele ajudou no seu trabalho ou era de uma perspectiva muito americana. Qual foi a sua resposta a esse livro?

JG: Lembro-me da minha enorme surpresa de que o primeiro capítulo tenha sido sobre a segurança na calçada, porque naquele momento não era um problema nesta parte da Europa. Só aprendi a conhecer esse medo em 1972, quando visitei a América do Norte pela primeira vez. Mas seu livro foi altamente inspirador, especialmente em relação à minha pesquisa. Minha esposa e eu começamos a estudar como a forma construída influenciou o comportamento das pessoas. Ficamos incandescentes ao ver como o tráfego estava arruinando as cidades e como arquitetos e planejadores insensíveis estavam colocando subúrbios e áreas residenciais modernistas em blocos de concreto. Nós olhamos para isso e pensamos: há algo de errado aqui, algo deve ter sido negligenciado. E o que foi negligenciado foi como tudo isso influenciou a vida das pessoas. Isso tornou-se meu assunto de estudo. Jane estava estudando o mesmo.

Também posso dizer-lhe outra coisa: em 1962, um ano depois de seu livro ter saído, o conselho da cidade de Copenhague fechou um quilômetro da rua principal e transformou-a em uma rua livre de carros. Eles estavam reagindo à invasão de automóveis. E eles não sabiam nada sobre Jane Jacobs. Eles apenas pensaram que a cidade estava se deteriorando com todo esse trânsito e eles tinham que fazer alguma coisa.

MCP: Você conheceu Jacobs?

JG: Ah sim. Eu estava escrevendo hoje sobre o meu relacionamento com ela, porque algumas pessoas estão escrevendo um livro sobre minha vida. Eu morava em Toronto em 1972/73, ensinando na universidade. Jane estava morando na Avenida Albany, a poucos quarteirões de distância. Mas não a conheci naquele ano, porque a escola de arquitetura nos dizia que ela não deveria ser perturbada. Ela odiava acadêmicos locais que interrompiam seu trabalho. Então, eu ensinei  sobre Jacobs enquanto estava em Toronto, mas nunca me aproximei dela. Além disso, meus livros ainda não apareceriam em inglês. Em algum momento, enviei alguns livros meus, em inglês, para Jane, e logo tínhamos uma boa correspondência. Ela foi muito gentil em ler meus livros. Trocamos livros e cartas. Uma vez eu recebi uma excelente carta dela. Eu tinha machucado minha perna e estava em uma cadeira de rodas. Jane ouviu falar sobre isso através de algumas pessoas que me viram em Copenhague. Ela me escreveu esta carta de duas páginas sobre os joelhos quebrados e "quão sortudo eu era já que se tratava de uma falha" mecânica "e não uma falha médica, porque as coisas mecânicas podem ser consertadas." Ela esperava que eu melhorasse rapidamente e pudesse estar em Toronto e juntos poderíamos fazer algo pela cidade. Essa carta manuscrita agora está enquadrada no meu escritório. Eu a conheci pessoalmente, bastante tarde, durante uma visita a Toronto, na sua varanda. Nós discutimos o Novo Urbanismo. Se isso era bom para a humanidade ou não era tão bom para a humanidade. Se era bom, ou se era um truque de marketing um tanto oco.

MCP: O que vocês concluíram?

JG: Posso recordar distintamente que pensamos que os princípios do Novo Urbanismo eram bastante bons. E eles eram especialmente aplicáveis para preencher áreas urbanas existentes, onde o transporte público era bom e onde os serviços da cidade estavam próximos. Mas em muitos dos novos empreendimentos construídos nos mesmos princípios - ao mesmo tempo em queeles podem remeter aos bons velhos tempos, e podem ser chamados de caminháveis - haveria três carros escondidos atrás da varanda, em algum lugar, porque todas as condições prévias não estarão disponíveis nos subúrbios americanos. Você não conseguiu sonhar com um VLT e muitos desses novos assentamentos estavam um pouco isolados no mar profundo dos subúrbios.

© Sandra Henningsson via Common Edge
© Sandra Henningsson via Common Edge

MCP: Encontrei uma ótima citação sua no seu site: "Primeiro vida, depois espaços, depois edifícios." Você pode explicar essa progressão?

JG: Talvez eu comece com o movimento modernista. Vamos tomar Brasília como um exemplo. Essa cidade parece fantástica de um avião. É uma grande águia. O chefe da águia é o Parlamento. As asas são as unidades residenciais. O pescoço são os vários ministérios para a administração. É como se Brasília fosse concebida a partir de um avião, onde eles simplesmente se moviam em torno das várias peças e volumes no modelo até que eles criassem uma boa composição. Não havia ninguém no chão, observando como os espaços funcionavam entre esses volumes. Nas cidades antigas, temos espaços; Nas cidades modernistas, temos espaços restantes. Eles colocaram os prédios primeiro. Então, pediram aos arquitetos paisagistas que arrumassem, e então eles olharam pela janela para ver se havia pessoas curtindo esses espaços que sobravam, apenas para descobrir que não havia nenhuma. Eu chamo isso de síndrome de Brasília.

No meu livro, Cidades para Pessoas, eu ressalto que nos antigos assentamentos urbanos, eles sempre fizeram o contrário. Primeiro, você teria um caminho e uma atividade humana, então alguns galpões ao longo do percurso. Ao longo dos séculos, esses galpões se transformaram em edifícios e ruas. Então, começa a vida, com as pessoas se movendo em direção ao rio, para onde quer que estejam e depois são os espaços que a vida humana exige, e então os edifícios foram construídos em relação a esses espaços. Desta forma, temos ruas, formadas pelas praças da cidade, com base no que o olho pode ver. Tudo foi construído nos pés e no olho, até que os modernistas começaram a voar e a abandonar seus edifícios. Esse ainda é um grande problema no planejamento urbano. Eu os chamo de "pássaros-arquitetos de merda", que voam ao redor e pousam em edifícios altos ao acaso. Em um processo como este, os espaços entre esses edifícios serão invariavelmente espaços abertos, em vez de espaços para pessoas.

MCP: Você deve enlouquecer quando visita uma cidade como Nova York e vê os edifícios altos. Esses prédios não estão sendo construídos para a escala de pessoas, estão?

JG: Eu não sou tão crítico em Nova York, porque eles têm esse padrão de grelha muito firme. Mesmo os edifícios mais novos estão alinhados em boas ruas. Se você estiver em frente ao Empire State Building, não pode realmente perceber o quão alto é, porque encontra a rua de forma amigável. Tudo depende de como esses grandes edifícios são assentados no chão e os espaços que eles criam. Como você pode saber, eu fui um consultor de Nova York na transformação de Times Square e Herald Square, então eu apreciei a cidade e não estou tão preocupado. Não é tão importante o quão alto é o edifício, ou quanto parece uma garrafa de perfume, é mais importante como ele interage com a cidade. Nunca pergunte o que a cidade pode fazer pelo seu prédio, sempre pergunte o que seu prédio pode fazer pela cidade.

MCP: Eu também encontrei outra citação interessante relacionada à missão do nosso lugar: "A vida pública em espaços de boa qualidade é uma parte importante de uma vida democrática". O que você quer dizer com isso?

JG: Esse é meu ponto de vista, que o homem é um animal social. Se queremos realmente punir as pessoas, nós as isolamos de outras pessoas. Ao longo da história da humanidade, as pessoas se juntaram com outras pessoas, e os espaços onde nos conhecemos sempre foram importantes em nossas vidas. E mesmo hoje, com o advento de nossas ferramentas digitais, o espaço público é tão popular como sempre, porque é onde nos encontramos com nossos concidadãos. A Primeira Emenda da sua Constituição inclui o direito de dirigir-se a seus concidadãos em um fórum público. Nós também vemos que sempre que um ditador assume o controle, a primeira coisa que ele faz é proibir as pessoas de se reunir. Isso é perigoso para sua ditadura. Quando Franco morreu e a democracia voltou para a Espanha, a primeira coisa que fizeram em Barcelona foi construir duzentos espaços públicos, para que as pessoas pudessem se encontrar e celebrar a liberdade de falar no domínio público.

MCP: Aqui nos Estados Unidos, o verdadeiro espaço público está ficando cada vez mais raro. Muitas vezes, o espaço público é de propriedade privada.

JG: Viajei muito nos Estados Unidos e vi todos esses empreendimentos. Mas também vi o contrário. Cidades e centros da cidade, que foram largamente abandonados, sendo revitalizados. Já vimos isso nos Estados Unidos, e nós certamente o vimos em lugares como Melbourne. Em Copenhague, onde moro, a cidade tem uma política oficial: seremos a melhor cidade do mundo para as pessoas. E estas outras coisas estão implícitas: caminharemos mais, visitaremos nossos parques e praças; devemos fazer isso porque é bom para o clima, bom para a cidade, bom para a nossa saúde e bom para a democracia, se você conhecer seus concidadãos como parte do seu dia-a-dia. Essa é a política oficial, e eles têm sido bastante bem sucedidos em segui-la e desenvolver uma grande cidade para as pessoas. Em Copenhague, você vê muitos filhos nas ruas, porque é uma cidade agradável para ser uma criança.

MCP: É uma cidade agradável para ser um adulto também.

JG: Sim, mas isso é consequência. 

Martin C. Pedersen é diretor executivo do Common Edge Collaborative. Um escritor, editor e crítico, atuou como editor executivo na revista Metropolis por quase quinze anos.

Cita: Pedersen, Martin . "Por que Jan Gehl não necessariamente odeia os arranha-céus" [Why Jan Gehl, the Champion of People-Oriented Cities, Doesn't Necessarily Dislike Skyscrapers] 19 Set 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/879827/por-que-jan-gehl-nao-necessariamente-odeia-os-arranha-ceus> ISSN 0719-8906

Mais entrevistas em nosso Canal de YouTube