O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Os arquitetos precisam sair de suas mesas e aprender na obra, de acordo com nossos leitores

Os arquitetos precisam sair de suas mesas e aprender na obra, de acordo com nossos leitores

Os arquitetos precisam sair de suas mesas e aprender na obra, de acordo com nossos leitores
Os arquitetos precisam sair de suas mesas e aprender na obra, de acordo com nossos leitores, © José Tomás Franco
© José Tomás Franco

Os arquitetos sabem o suficiente sobre construção e materiais? Perguntamos isso a fim de provocar uma discussão entre os nossos leitores, e o número de respostas em nossos sites foi enorme.

Tendo lido e coletado todos esses comentários, é claro que a maioria dos nossos leitores concordam que o que atualmente é ensinado sobre materiais e processos construtivos não é suficiente. A grande maioria deles admite que adquiriram esse conhecimento através do trabalho de campo, anos depois de terem se formado. Então, novamente, perguntamos: se o conhecimento material é tão importante para o desenvolvimento de nossa profissão, por que não é uma parte fundamental dos currículos nas universidades de todo o mundo?

No entanto, alguns de nossos leitores contestam essa visão, afirmando que os arquitetos não precisam saber tudo e que não podemos sacrificar o bom desenho às restrições que impactam o processo construtivo. Baseiam seus argumentos na presença de especialistas, a quem devemos recorrer sempre que necessário, em um processo coeso e colaborativo entre as diferentes disciplinas.

Veja os melhores comentários recebidos e junte-se à discussão abaixo.

Ponto de vista 1: O conhecimento técnico é realmente conseguido na prática, e aprender somente na teoria não é o suficiente

De Lucas Downes:

Como estudante do 5º ano da graduação da KSU (Kansas state University), descobri que minha educação não me preparou para a "arquitetura real". Fazemos muitos projetos fantasiosos que parecem usar tecnologia alienígena em sua estrutura para clientes com orçamentos infinitos.

Mas, além de algumas aulas de construção civil e uma tentativa de desenvolver detalhamentos construtivos no 4º ano de ateliê, não adquirimos muita orientação. Eu tenho todo o meu conhecimento dos meus estágios. E acho que a experiência é um fator importante. Você pode demonstrar as seções de uma parede para um estudante durante todo o dia, mas isso não significará muito até que ele a veja na prática.

De Alexandra Ayres:

Quando terminei meu primeiro semestre, não tinha ideia sobre nenhum método construtivo. No meu último ano, nos pediram para fazer um detalhamento para o projeto final e a maioria de nós usou a revista Detail como fonte.

Todo o meu conhecimento da construção vem de trabalhar em escritórios de arquitetura e em obras visitadas. As universidades devem ensinar a construção a partir do primeiro dia.

De Reaping:

Tivemos alguns cursos de materiais e construção, mas eles não me prenderam. Aprendi mais nos 5 anos após a faculdade do que eu afirmaria que poderia aprender na universidade. A experiência da vida real é onde você começa a ver essas coisas.

De Chad Sutter:

Eu cresci em torno de construções, trabalhei em obras durante a faculdade e fazendo pequenos projetos. Tinha uma melhor compreensão dos materiais e da construção do que alguns dos meus professores, incluindo um que estava muito orgulhoso com seu mestrado em Pratt; Ele não tinha ideia sobre como os materiais podiam ser usados, e como eles estavam unidos ou conectados.

Eu também vi muitos graduados em Arquitetura e Desenho Industrial com tão pouca compreensão da construção que nunca poderiam ter algo construído fora da escola, pelo menos não sem um mentor experiente guiando seu trabalho. Isso é o que me preocupa com algumas escolas que oferecem licenciatura após a graduação, acho que acabará em alguns desastres.

De RPR:

Uma carreira na arquitetura pode ser descrita como um compromisso ao longo da vida com a aprendizagem . É por isso que os arquitetos são considerados novatos nos meados de seus quarenta anos. Vejo isso como um pouco de falha na própria instituição.

Os alunos que seguem a rota prescrita e trabalham exclusivamente em escritórios frequentemente esperam aprender por osmose, em vez de "fazer". Qualquer coisa fora do que eles estão expostos é a aprendizagem autodidata. Isso pode funcionar, mas coisas como as provas, tentar trabalhar durante o curso e tentar ter uma vida fora da esfera da arquitetura realmente tornam o processo um pouco mais lento.

De Lindsey Leardi:

No meu primeiro ano na Universidade Estadual do Kansas, fomos solicitados à criar formas com menos material e entender os espaços criados. Nossos materiais eram simplesmente materiais de modelagem: madeira balsa, espuma e aglomerado; que têm muito pouca ou nenhuma comparabilidade aos materiais reais da construção.

Como você pode defender algo que não tem ideia de como construir? Como você avalia o sucesso do projeto de algo sem materiais? Como você pode começar a entender a atmosfera que criou sem materiais?

De Jason Le:

Eu estudei arquitetura. Aprendi todos os meus métodos construtivos, materiais e regulamentos gerais através do trabalho. Só fui à campo há 1 ano, mas aprendi mais do que na Universidade. A universidade apenas ensina você a vender sua ideia, não importa o quão ridícula seja.

De Eric:

Eu acredito que o principal problema é que os arquitetos são frequentemente instruídos a pensar o desenho e a construção como atividades separadas. Primeiro, nós projetamos, e então aplicamos os sistemas construtivos ao desenho.

Por outro lado, na empresa em que trabalhei, os projetos sempre começavam com a metodologia construtiva desde o início do processo projetual. O que era interessante era que os projetos realmente melhoravam quando passavam pelos processos de desenvolvimento e construção. Isso apenas acontece quando o arquiteto tem uma firme compreensão em suas intenções de desenho e como os sistemas construtivos utilizados no processo de projeto estendem e enriquecem o projeto. Todos os projetos em que trabalhei encaixavam-se no cronograma e orçamento (embora os orçamentos variassem amplamente de um projeto ao outro), também.

De Tom Harrison:

A maioria da educação arquitetônica se concentra em como vender ideias com belos desenhos - independentemente da qualidade da ideia. Talvez um foco melhor seja sobre como projetar algo que possa ser construído dentro do orçamento que efetivamente executará a função para a qual se destina.

De Percy:

Os arquitetos de hoje preferem ser artistas ou estrelas, mas o que vemos é o sintoma e não a doença. A doença é a própria Academia. Nossos predecessores, na maioria das vezes, sabiam o que estavam fazendo, sabiam tudo sobre o material e a estrutura era importante para seus projetos.

Muitos estudantes não tem ideia em como aproveitar ao máximo seus materiais e quais são suas fragilidades. A Academia deve formar escultores e não desenhistas. A realidade é que a materialização de nossas obras e, portanto, a construção, é fundamental. Não ensinar isso nas universidades mutila nossa profissão.

De Duncan Whatmore:

Não é uma falta de conhecimento sobre materiais ou construção que cria esse cenário. Muitos anos atrás, os arquitetos decidiram abandonar as disciplinas "chatas" de custos e gerenciamento de projetos, a fim de se concentrar nas partes do "desenho divertido". Consequentemente, eles não tinham o controle do processo que permitia que suas visões fossem realizadas. Claro, o conhecimento da construção é essencial, mas a falta disso não é o principal fator em causar esse efeito - é o controle.

© José Tomás Franco
© José Tomás Franco

Ponto de vista 2: O conhecimento da construção deve tornar os projetos mais eficientes, mas sem sacrificar o bom desenho

De Reaping:

Se houvesse algum híbrido de uma Escola de Arquitetura e uma Escola de Construção, onde ambos os lados tivessem a chance de aprender com o outro grupo, acho que poderíamos ver projetos muito mais criativos que não precisassem sacrificar-se tanto.

Mas do que eu posso dizer, geralmente os caras com quem você trabalha in loco têm maior experiência uma vez que estão construindo há anos, enquanto eu só posso afirmar que fui à escola e sei como desenhar belas imagens. Mas é aí que um escritório cheio de caras experientes realmente entra. Eles podem guiá-lo através de alguns projetos e começar a mostrar-lhe que os pensamentos improváveis são atingidos quando você recebe um orçamento que é quase totalmente consumido pelos projetos mais genéricos.

De Bram Tamasoleng:

Muitas das respostas dirão que a experiência do dia-a-dia funciona para se tornar um bom arquiteto. É verdade, com a experiência, você aprenderá a melhor maneira de usar materiais e detalhes, mas lembre-se de que as coisas que você aprendeu em sua graduação são o poder de imaginar e criar. Por isso, devo dizer, o arquiteto deve pensar sobre como criar uma solução para superar os problemas que surgem por causa de suas ideias inovadoras, seja um problema de orçamento ou uma questão de não ter certeza se o detalhe funcionará ou não.

Eu digo se um arquiteto não conseguiu superar o problema, o que significa que não é a solução certa para o cliente nem para si mesmo. As opções são apenas para escolher o caminho certo para o caso certo. Às vezes, o processo pode ser de julgamento e erro, mas é o que faz um arquiteto - criar e inovar, e não apenas ser ditado ao "modo convencional".

De Lucas Downes:

Eu não acho que deveríamos tomar mais disciplinas de detalhamento e aulas de construção de edifícios, mas um pouco mais de preparação seria extremamente útil. Claro que limitaria o projeto, mas seria mais realista, e isso proporcionaria mais desafios - o que, por sua vez, poderia criar um projeto mais interessante.

De Jtbochi:

Eu realmente não acho que a faculdade é capaz de ensinar este tipo de conhecimento sem realmente fazê-lo no campo. O que as escolas podem fazer é ensinar os alunos a serem pensadores globais. Isso é realmente o que um arquiteto faz diariamente. Ele ou ela tem que saber algo sobre todos os aspectos do projeto e se o arquiteto não sabe, eles sabem quem faz e coordena com todas as partes para encontrar uma solução. Os engenheiros têm uma visão notoriamente estreita, mas são especialistas em seu campo preciso. O arquiteto deve ser um tomador de decisão confiante, porque o contratado e os consultores geralmente saem do seu caminho para passar a decisão final na linha e o cliente está olhando para o arquiteto para tomar a decisão certa.

No entanto, para aqueles que pensam que os arquitetos são apenas sonhadores, alguns são ... e isso é bom porque, se não fossem sonhadores, apenas repetiríamos sucessos passados ​​e nunca avançaríamos verdadeiramente. Um bom arquiteto sabe quando sonhar e impulsionar o invólucro e também quando ser pragmático e resolver o problema.

De Lindsey Leardi:

Um conhecimento tenaz de materiais construtivos produz um projeto melhor. Os meus colegas que têm a melhor compreensão dos materiais são alguns dos melhores projetistas que conheço.

© José Tomás Franco
© José Tomás Franco

Ponto de vista 3: Arquitetos não precisam saber tudo e podemos consultar ou aprender com os especialistas

De Lester Kanali:

A forma como os construtores insistem que os arquitetos cheguem ao seu nível para construir algo que realmente "funciona" é exatamente da mesma forma que eles devem chegar ao nível do arquiteto. Deve ser um processo mais coeso ao invés de atacar a competência de qualquer um dos profissionais.

De Nora Hild:

A escola de arquitetura nos ensina sobre arquitetura - a teoria/desenho, história e escala humana. É o trabalho de um empregador ensinar sobre construção e materiais para graduados em arquitetura. E isso é responsabilidade dos graduados fazerem suas próprias pesquisas sobre as melhores práticas, em minha opinião.

De Tom Scooter Seiple:

Há uma ênfase significante em "conhecer tudo" no setor da indústria da construção, especialmente na arquitetura. Não que seja ruim ser ambicioso em saber mais (estou aprendendo a codificar e revisar estatísticas agora mesmo), mas muitas vezes sinto que gera uma mentalidade de superioridade e excesso de confiança. Não há nada de errado com especialistas em consultoria. Aqueles são os que dedicaram suas carreiras, eles são recursos!

O que outras profissões relacionadas pensam

De Rj Kietchen:

Você trabalha com o custo de construção, não o projeto. Como ex-contratado geral, posso atestar o caminho da construção real que é seguido após consultar um arquiteto. O arquiteto, armado com habilidades de desenho, imaginação e pouco mais, desconhece 95% do que é necessário para desenvolver uma propriedade, os materiais envolvidos, os custos diretos e indiretos associados e os clientes; tanto construtores como usuários finais.

Eu consulto-os quando os clientes já os mantiveram e nunca de outra forma. 40% do meu tempo de construção foi gasto educando o arquiteto sobre porque as coisas não podem ser construídas da maneira que elas o projetaram. No esquema final, você vê o que o cliente conseguiu construir, mas isso nunca impediu o arquiteto de apresentar a primeira imagem, tentando justificar por que eles foram contratados.

De @imrighturwrong:

Os arquitetos deveriam ser obrigados a trabalhar no campo por 1-2 anos antes de receber uma licença. Isso os ajudaria a perceber que apenas porque você pode desenhar algo não significa que você pode construí-lo.

Entender: o concreto não é perfeitamente plano, o aço não é plano e nivelado. Além disso, com o tipo de pessoas lá fora, realmente fazendo o trabalho (falta de comerciantes), os bons estão ficando cada vez mais distantes. Além disso, não pense que você possa simplesmente ficar sentado em seu escritório. Você tem que visitar a obra. Especialmente quando é uma reforma. Confie em mim. Como empreiteiro, sabemos quando você escolheu não fazer a sua devida diligência. Isso resulta em atrasos e com excesso de orçamento com ordens de mudanças excessivas e papelada que ninguém tem tempo de sobra para fazer. Então, por favor, leve seu trabalho a sério. Estamos contando com você.

De Michael Moore:

Eu não sou um arquiteto no papel. Não tenho nenhum diploma que diga que sou. O que tenho é experiência de vários anos (29 anos) e tenho 37 anos de idade. Comecei a trabalhar durante as férias de verão quando criança. Eu realmente me apaixonei pelo negócio, construindo algo com minhas mãos e vendo isso ganhar vida. Comecei a ler desenhos técnicos e a colocar casas para serem construídas quando eu tinha 15 anos de idade. Realmente surpreendi os proprietários da casa de que uma criança estava concebendo tudo, e se eles tivessem algum pedido para fazer mudanças, eles tinham que falar comigo. Eu digo isso, para dizer isso: a experiência é, de longe, a melhor educação que você pode ter nas mãos.

De Cameron Abt:

Francamente, estou chocado ao saber que este já não é o caso. Eu sou um engenheiro elétrico e de sistemas, mas tive que frequentar muitas aulas de desenho mecânico, civil e outras para que pudéssemos entender as restrições e objetivos de outros campos. (...) Nos ensinar como projetar para produção, manutenção e venda não só reduziu o número de iterações necessárias no projeto  para chegar a um produto final, mas reduziu significativamente o custo total de propriedade do sistema.

Nem todas as escolas de engenharia são assim - alguns dos meus amigos passaram a trabalhar com colegas que tiveram que aprender sobre a fabricação no trabalho. Mas eu sei que meus amigos logo foram profissionalizados à frente por causa disso. E eu pensaria, do meu conhecimento limitado de arquitetura,  que o mesmo seria verdadeiro para estudantes de arquitetura.

Atualmente, estou trabalhando com muitos arquitetos em nome de desenvolvedores, produzindo visitas para novos projetos. Isso me surpreende de quantas mudanças em arquitetura e identificação precisam ser feitas pelo empreendedor porque o arquiteto não estava preocupado com a viabilidade de construção ou, às vezes, mais frequentemente, a manutenção do espaço depois disso.

Dicas e possíveis soluções por nossos leitores...

De Anushish Pagia:

No meu ponto de vista, uma melhor abordagem para o campo poderia ser classificar primeiro os materiais disponíveis e, em seguida, usar esses materiais depois de estudar suas propriedades para o nosso projeto.

De Rj Kietchen:

Conheça todos os custos para cada material que você propor, incluindo 25% para o lixo, então conheça cada quantidade de tempo de compilação e custo para cada material e todos os projetos que você propor, incluindo 25% para o desperdício. Em seguida, tome 60 per cento do valor do projeto orçado para a construção e, em seguida, calcule os custos e tempo do material para que o projeto proposto seja inferior ao valor de 60%. Isso resultará em um projeto concluído no valor orçado e você obterá outro contrato para projetar.

De Eric:

Eu incentivaria fortemente os outros a visitarem muitas construções em obra durante sua educação e na sua experiência inicial após a formação. Se a sua empresa tiver projetos em construção, visite a obra do projeto com os arquitetos deste, mesmo que não esteja trabalhando no projeto. Isso pode exigir visitas antes ou depois de seu horário normal de trabalho. Tire muitas fotos, faça muitas perguntas e ouça.

Os contratantes são muitas vezes surpreendidos e satisfeitos quando um jovem arquiteto expressa interesse no que eles fazem, então aproveite ao máximo essas oportunidades quando elas surgirem. Você se tornará um arquiteto melhor!

Verifique todos os comentários recebidos em nosso artigo anterior aqui e através do nosso Facebook aqui.

Sobre este autor
José Tomás Franco
Autor
Cita: Franco, José Tomás. "Os arquitetos precisam sair de suas mesas e aprender na obra, de acordo com nossos leitores" [Architects Urgently Need to Leave Their Desks to Work More on Site, According to Our Readers] 29 Ago 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Pereira, Matheus) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/878378/os-arquitetos-precisam-sair-de-suas-mesas-e-aprender-na-obra-de-acordo-com-nossos-leitores> ISSN 0719-8906
Ler comentários

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.