O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Qual será o futuro do urbanismo após o conflito na Colômbia?

Qual será o futuro do urbanismo após o conflito na Colômbia?

Qual será o futuro do urbanismo após o conflito na Colômbia?
Qual será o futuro do urbanismo após o conflito na Colômbia?, Cartografia Original Eduardo Orozco Añazco na arquitetura pós-conflito. Imagem © Richard Gerald
Cartografia Original Eduardo Orozco Añazco na arquitetura pós-conflito. Imagem © Richard Gerald

No processo de acordo de paz entre a Colômbia e a guerrilha, o arquiteto colombiano Enrique Uribe Botero dividiu no diário local El Espectador uma visão reflexiva sobre os 26 assentamentos transitórios propostos pelo governo para receber cerca de 8.000 ex-guerrilheiros em estruturas urbanas temporárias. Na opinião do autor, estes assentamentos estariam no caminho de transformarem-se em núcleos humanos permanentes.

Uribe baseia sua análise na compreensão das características urbanas, políticas e sociais das Zonas Veredales Transitórias de Normalização (ZVTN) que, segundo os acordos firmados pelas partes em conflito, deveriam ser estabelecidas no início de 2017 e funcionariam até 29 de Maio do mesmo ano, esperando que, para sua dissolução, a maioria de seus habitantes já se encontrassem incorporados a outros núcleos urbanos ou a programas de incentivo em áreas rurais.

A ZVTN utilizada como caso de estudo foi a Zona Veredal Mariana Páez, localizada na viela  Buenavista em Mesetas (Departamento de Meta), onde, ao término dos 180 dias do acordo, o assentamento longe do estágio transitório ou independente, transformou-se em um ato urbano sem precedentes, tendo em conta não só a posse das terras, mas também a criação de vínculos com o território em uma região que foi ocupada por décadas por seus atuais habitantes.

Zona Veredal Mariana Páez. Imagem via Zona Veredal Mariana Páez Mesetas Meta [Facebook] Zona Veredal Mariana Páez. Imagem via Zona Veredal Mariana Páez Mesetas Meta [Facebook] Cartografia Original Eduardo Orozco Añazco na arquitetura pós-conflito. Imagem © Richard Gerald Zona Veredal Mariana Páez. Imagem via Zona Veredal Mariana Páez Mesetas Meta [Facebook] + 10

Este fenômeno de ocupação evolutiva concentra a atenção de Uribe ao dirigir sua crítica aos corpos de planejamento institucional, reconhecendo neste caso "o auto-engano das autoridades ao defini-las [as ZVTN] como transitórias, pois, não tendo sido assim, o projeto destes assentamentos deveria ter sido encomendado a um profissional da área, do contrário outro galo cantaria".

Por outro lado, coloca Uribe, as entidades governamentais e os escritórios de planejamento não realizaram uma leitura que abarcasse aspetos quantitativos e qualitativos, entendendo que, historicamente "a cidade não se caracteriza nem pelo número de seus habitantes, nem pelas atividades dos homens que ali residem, mas por suas características particulares de estatuto jurídico, de sociabilidade e de cultura", como postula o historiador francês George Duby em seu livro Histoire de la France Urbaine (1980).

Cartografia Original Eduardo Orozco Añazco na arquitetura pós-conflito. Imagem © Richard Gerald
Cartografia Original Eduardo Orozco Añazco na arquitetura pós-conflito. Imagem © Richard Gerald

Uribe considera "bastante ingênuo pensar que as centenas de pessoas que participaram da redação destes acordos pensaram que estes assentamentos não durariam mais de 180 dias", ainda mais quando, ao longo da história e desenvolvimento das cidades, as comunidades definiram formas particulares de organização espacial que muitas vezes se distanciaram os postulados urbanísticos. Na realidade, os conglomerados urbanos refletem -como qualquer lugar destinado ao habitat- os interesses sociais e os ideais de um grupo humano.

Resumindo, pouco se sabe de um dos grandes protagonistas do pós-conflito na Colômbia: o urbanismo e seus atores. Uribe defende que as ZVTN e em especial o caso estudado, passarão para a história do urbanismo colombiano como pontos nevrálgicos na consolidação de um território participativo "definido por um grupo humano com características únicas e irrepetíveis, construído por pessoas que tiveram muito pouco contato com o que são as cidades, habituadas a uma forma de vida única, onde o sentido de comunidade é definitivo para sua sobrevivência.".

Leia o artigo de Enrique Uribe Botero aqui.

Foto Aerea da Zona Veredal Mariana Páez. Imagem © Luis Guillermo Gómez A.
Foto Aerea da Zona Veredal Mariana Páez. Imagem © Luis Guillermo Gómez A.

Zona Veredal Mariana Páez. Imagem via Zona Veredal Mariana Páez Mesetas Meta [Facebook]
Zona Veredal Mariana Páez. Imagem via Zona Veredal Mariana Páez Mesetas Meta [Facebook]
Zona Veredal Mariana Páez. Imagem via Zona Veredal Mariana Páez Mesetas Meta [Facebook]
Zona Veredal Mariana Páez. Imagem via Zona Veredal Mariana Páez Mesetas Meta [Facebook]

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Richard Gerald
Autor
Cita: Gerald, Richard . "Qual será o futuro do urbanismo após o conflito na Colômbia?" [¿Cuál será el futuro del urbanismo del posconflicto en Colombia?] 13 Jul 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Brant, Julia) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/875605/qual-sera-o-futuro-do-urbanismo-apos-o-conflito-na-colombia> ISSN 0719-8906