O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Mapas antigos mostram por que inventar coisas pode ser uma má ideia

Mapas antigos mostram por que inventar coisas pode ser uma má ideia

Mapas antigos mostram por que inventar coisas pode ser uma má ideia

É difícil imaginar um mundo inexplorado. Hoje, GPS e mapas de satélite nos guiam pelas cidades, sejam familiares ou novas, enquanto as técnicas de varredura e mapeamento estão gradualmente tirando último ar de mistério em relação aos territórios ainda inexplorados do planeta. No entanto, a elaboração de mapas nos séculos XVI e XVII era uma arte, ainda que bastante incerta e repleta de lacunas.

Primeiro mapa do Polo Norte (1606)

Septentrionalium Terrarum. Imagem © Gerard Mercator (Domínio Público)
Septentrionalium Terrarum. Imagem © Gerard Mercator (Domínio Público)

O Septentrionalium Terrarum, concluído em 1606 por Gerard Mercator, apresenta o Polo Norte como uma enorme montanha rodeada por todos os lados pelo mar e quatro massas terrestres. Sem qualquer informação sobre o que estava "lá em cima", Mercator também descreveu características particulares para cada placa tectônica; de acordo com Atlas Obscura, "a de baixo à direita é supostamente o lar de 'pigmeus, cuja altura é de quatro pés' - provavelmente outra referência ao Inventio Fortunata, que descreveu grupos de pessoas de pequeno porte que vivem nas regiões polares."

Primeiro mapa do continente americano (1550)

Mapas antigos mostram por que inventar coisas pode ser uma má ideia, Tabula novarum insularum, quas Diversis respectibus Occidentales & Indianas uocant. Imagem © Sebastian Münster (Domínio Público)
Tabula novarum insularum, quas Diversis respectibus Occidentales & Indianas uocant. Imagem © Sebastian Münster (Domínio Público)

ATabula novarum insularum, quas Diversis respectibus Occidentales & Indianas uocant, ou dito de outro modo, o primeiro mapa do continente americano feito por Sebastian Münster (1550) é o primeiro mapa conhecido a apresentar toda a América do Norte e do Sul em uma forma realmente continental. Enquanto a América do Norte é apresentada grosseiramente, visivelmente sem a compreensão da escala e distância , o esboço da América do Sul está ligeiramente mais perto da realidade.

Um dos primeiros mapas do continente africano (1573)

Prester John, ou, um mapa do Reino Abyssinian. Imagem © Abraham Ortelius (Domínio Público)
Prester John, ou, um mapa do Reino Abyssinian. Imagem © Abraham Ortelius (Domínio Público)

O Prester John, ou, um mapa do Reino Abyssinian por Abraham Ortelius (1573) é, por um lado, uma representação relativamente exata de uma porção da África em termos de contornos geográficos, mas é basicamente apenas isso. O mapa tinha a intenção de retratar as terras assumidas pelo lendário e extraordinariamente rico Rei Cristão Prester John - uma figura de status folclórico para os europeus do século XVI. Este monarca mitológico não existia de fato, mas, dada a escala do continente, temos que parabenizar Ortelius por sua proeza técnica.

The Phantom Atlas: The Greatest Myths, Lies and Blunders on Maps

Veja outros "mapas errados" na 1843 Magazine inspirada pelo The Phantom Atlas (Edward Brooke-Hitching).

Cita: AD Editorial Team. "Mapas antigos mostram por que inventar coisas pode ser uma má ideia" [These Maps Show Why It's a Bad Idea To Make Things Up] 31 Mai 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Baratto, Romullo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/872385/mapas-antigos-mostram-por-que-inventar-coisas-pode-ser-uma-ma-ideia> ISSN 0719-8906