O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. A inspiração de I.M. Pei: uma comparação de sua arquitetura com a arte minimalista

A inspiração de I.M. Pei: uma comparação de sua arquitetura com a arte minimalista

A inspiração de I.M. Pei: uma comparação de sua arquitetura com a arte minimalista
A inspiração de I.M. Pei: uma comparação de sua arquitetura com a arte minimalista, JFK Biblioteca Presicencial e Museu em Massachusetts, de I.M. Pei. Imagem © <a href='https://www.flickr.com/photos/masstravel/8568079947'>Flickr user masstravel</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-nd/2.0/'>CC BY-ND 2.0</a>
JFK Biblioteca Presicencial e Museu em Massachusetts, de I.M. Pei. Imagem © Flickr user masstravel licensed under CC BY-ND 2.0

Ontem, dia 26 de abril de 2017, comemoramos o aniversário de 100 anos de I.M. Pei. A ocasião oferece uma oportunidade maravilhosa para dar uma olhada retrospectiva em um dos arquitetos mais significativos e produtivos dos últimos 100 anos, com muitas organizações de eventos, comemorações e simpósios para falar sobre Pei e seus projetos notáveis. No entanto, nesses eventos, assim como em toda a carreira de I.M. Pei, é improvável que haja muita conversa intelectual sobre seu legado arquitetônico. A principal discussão em torno de I.M. Pei ainda está focada em seu talento de projeto e narrativas intrigantes sobre o carisma que ele usa para convencer os clientes a continuarem através de projetos árduos.

Embora o próprio Pei nunca tenha falado muito sobre sua teoria projetual ou sobre a base intelectual de seus projetos, essas simples narrativas deixam certas questões sem resposta: de onde vem a inspiração de I.M. Pei para a forma arquitetônica? Como seu projeto arquitetônico afetou os arquitetos e artistas e contribuiu intelectualmente para o mundo da arte contemporânea?

Para discutir o trabalho de I.M, partimos de dois projetos de arte. O primeiro deles é a famosa instalação de canaletas de alumínio de Walter de Maria, "Triangle, Circle, Square", de 1972, e o segundo é o desenho de Sol LeWitt, "All Double Combinations of Six Geometric Figures", de 1977.

Walter De Maria, Channel Series: Circle, Square, Triangle, 1972. Image via <a href='http://2011-2014.pastelegram.org/reviews/59'>pastelgram.org</a> used under fair use
Walter De Maria, Channel Series: Circle, Square, Triangle, 1972. Image via pastelgram.org used under fair use
Sol LeWitt, All Double Combinations (Superposta) em seis figuras geométricas (Círculo, Quadrado, Retângulo, Trapézio e Paralelogramo), 1977. Image via <a href='http://www.artnet.com/artists/sol-lewitt/all-double-combinations-superimposed-of-six-vImvdYvL8SPmcHPzOBj1bA2'>artnet.com</a> used under fair use
Sol LeWitt, All Double Combinations (Superposta) em seis figuras geométricas (Círculo, Quadrado, Retângulo, Trapézio e Paralelogramo), 1977. Image via artnet.com used under fair use

Ambas estas obras são compostas de formas primitivas, especialmente as mais básicas, o triângulo, o círculo e o quadrado. Estas formas são também os elementos formais mais poderosos aplicados nos edifícios significativos de I.M. Pei. Cada edifício clássico de Pei tem uma gestalt clara que pode ser percebida como um ícone poderoso ou facilmente desintegrada em um conjunto de geometrias simples.

Se o Triangle, Circle, Square de Walter de Maria for o exemplo mais direto da obsessão da arte minimalista com as formas primitivas individuais, a pintura de Sol LeWitt dá um passo adiante, examinando as regras básicas do mundo visual expondo o poder destas formas elementares. Nestes dois renomados artistas minimalistas, vemos uma abordagem artística que ecoa a abordagem arquitetônica de I.M. Pei, que explora os limites da composição espacial, enquanto ainda mantendo a clareza formal das formas primitivas e a legibilidade de suas regras de composição.

Seis geometrias elementares na obra de Sol LeWitt, ‘All Double Combinations’. Cortesia de Tianci Han
Seis geometrias elementares na obra de Sol LeWitt, ‘All Double Combinations’. Cortesia de Tianci Han

Como outros desenhos de Sol LeWitt, All Double Combinations pode ser simplesmente desconstruído em imagens separadas de acordo com cada figura elementar. As superposições dessas figuras assemelham-se aos diagramas de I.M. Pei mostrando a lógica espacial básica de suas plantas ou cortes arquitetônicos, e assim os edifícios de I.M. Pei podem ser desintegrados ou decompostos de forma semelhante em um grupo de figuras geométricas primitivas.

O exemplo mais claro que demonstra uma combinação ousada de todas essas três formas é a JFK Presidential Library and Museum em Massachusetts. Como a força que podemos sentir a partir da instalação de alumínio de Walter de Maria, cada uma das geometrias mais elementares isoladas das obras-primas de I.M. Pei expõem sua energia espacial com uma declaração forte da forma primitiva e perfeita.

Planta da Biblioteca JFK em Massachusetts como uma combinação de formas primitivas: Triângulos, Circulos e Quadrados. Cortesia de Tianci Han
Planta da Biblioteca JFK em Massachusetts como uma combinação de formas primitivas: Triângulos, Circulos e Quadrados. Cortesia de Tianci Han
Elementos triangulares em edifícios clássicos de Pei mostrados na mesma escala. Cortesia de Tianci Han
Elementos triangulares em edifícios clássicos de Pei mostrados na mesma escala. Cortesia de Tianci Han
Elementos circulares em edifícios clássicos de Pei mostrados na mesma escala. Cortesia de Tianci Han
Elementos circulares em edifícios clássicos de Pei mostrados na mesma escala. Cortesia de Tianci Han
Elementos quadrados em edifícios clássicos de Pei mostrados na mesma escala. Cortesia de Tianci Han
Elementos quadrados em edifícios clássicos de Pei mostrados na mesma escala. Cortesia de Tianci Han

É intrigante que Sol LeWitt, trabalhando como designer gráfico, passou um breve período no escritório I.M. Pei and Associates na década de 1950, mas parecem nunca ter se falado muito sobre ambos juntos, e um estudo comparativo abrangente desses dois mestres artísticos ainda falta. Além disso, a obsessão com formas primitivas de Walter de Maria e muitos outros artistas minimalistas notáveis mostra que a linguagem comum que compartilham com I.M. Pei foi formada no mesmo contexto artístico amplo. Nos últimos 100 anos, a ascendência e o ápice da carreira de I.M. Pei se sobrepõem significativamente com o período ativo da arte minimalista. Embora Pei nunca tenha se associado a nenhuma escola específica, como um arquiteto de sucesso que está interessado e mantém uma conexão com o mundo da arte contemporânea, a influência da arte minimalista sobre ele é óbvio.

Linha do tempo da vida e obra de I.M. Pei, Sol LeWitt e Walter de Maria. Cortesia de Tianci Han
Linha do tempo da vida e obra de I.M. Pei, Sol LeWitt e Walter de Maria. Cortesia de Tianci Han

Geograficamente, essa influência mútua é ainda mais evidente quando pensamos no que aconteceu no século passado com a capital do mundo da arte contemporânea, Nova Iorque, especificamente Manhattan. Como mostrado abaixo, a cidade teve uma enorme contribuição para a promoção dos movimentos mais significativos na história da arte contemporânea americana. O Expressionismo Abstrato, o Conceitualismo e o Minimalismo tomaram consecutivamente a cidade como seu principal palco. A maioria dos artistas renomados desses movimentos tinham estúdios ou grandes exposições em Nova Iorque. É a cidade onde I.M. Pei viveu e trabalhou durante a maior parte de sua vida, e também o mesmo lugar em que Sol LeWitt e Walter de Maria passaram décadas exercendo seu talento artístico. Ao mesmo tempo em que a arte contemporânea americana estava atingindo seu clímax na cidade, linguagens formais simples e poderosas que dependiam de formas primitivas tornaram-se um dos estilos proeminentes para arquitetos e artistas. O fato de que a clareza formal dos edifícios de I.M. Pei é também a característica definidora da arte minimalista não é apenas uma coincidência, mas uma consequência da inspiração mútua criada por sobreposições cronológicas e geográficas.

Nova Iorque como a capital mundial da arte e as carreiras de Pei, LeWitt, de Maria. Cortesia de Tianci Han
Nova Iorque como a capital mundial da arte e as carreiras de Pei, LeWitt, de Maria. Cortesia de Tianci Han

A relação entre I.M. Pei e a Arte Minimalista não se baseia apenas numa semelhança superficial. Em vez disso, uma similaridade mais profunda nas ideias por trás de seu fascínio com formas primitivas mostra um terreno comum intelectual estabelecido por uma das principais filosofias ativas no mundo da arte visual durante o período dos anos 1950 aos anos 1980. Distanciando-se do avanço tecnológico da era e da complicada realidade política, essas geometrias simples, puras e primitivas levaram as pessoas de volta a uma meditação sobre as regras básicas de nosso mundo material.

No entanto, o resultado final do trabalho arquitetônico de I.M. Pei é, no entanto, extremamente diferente em comparação à arte minimalista. A arte minimalista pretende abandonar a descrição específica dos objetos e buscar uma abstração, concepção e percepção "desobjetivadas" do mundo visual. Os objetos desaparecem na arte minimalista. Para I.M. Pei, embora os elementos básicos da composição formal permaneçam os mesmos, o resultado final torna-se objetos arquitetônicos claramente definidos. Sem dúvida, cada edifício icônico de Pei dá uma declaração poderosa e vocal como um objeto independente. Isso mostra que a prática arquitetônica de I.M. Pei, embora compartilhando seus começos conceituais com a arte minimalista, emerge em um resultado diferente. Isso é provável devido à natureza do trabalho arquitetônico que, depois de ser realizado através de materiais de construção e detalhes específicos, a "objetificação" das geometrias primárias é reforçada por características explícitas, longe da abstração e pensamento lógico infinito que os minimalistas buscavam explorar.

Le Grand Louvre em Paris. Imagem © Greg Kristo
Le Grand Louvre em Paris. Imagem © Greg Kristo

A exploração arquitetônica recente - sobre a ambiguidade, a dualidade e a incerteza - está em nítido contraste com a clareza formal e não hesitante dos edifícios icônicos de I.M. Pei. As geometrias atuais utilizadas pelas práticas arquitetônicas populares tentam muitas vezes borrar a linha entre a legibilidade de um objeto arquitetônico independente e o contexto circundante, tanto física quanto conceitualmente. Nesse sentido, as obras-primas de Pei são mais como "monumentos" irrepetíveis e insubstituíveis, como as estruturas clássicas romanas ou renascentistas. São edifícios maravilhosos, mas pertencem a uma idade passada. Apesar de I.M. Pei sempre hesitar em falar sobre as ideias ou teorias por trás de suas obras, seu trabalho produtivo em sua vida e seu status como um dos arquitetos mais importantes da história moderna, nos deixa um legado abundante, de  que ainda podemos explorar os valores intelectuais não só no campo da arquitetura, mas no contexto mais amplo do mundo da arte visual.

Tianci Han possui Mestrado em Arquitetura da Harvard Graduate School of Design (2014) e Tsinghua School of Architecture (2012). Trabalhou como arquiteto na Pei Cobb Freed &amp; Partners de 2014 até abril de 2017.

Cita: Han, Tianci. "A inspiração de I.M. Pei: uma comparação de sua arquitetura com a arte minimalista" [I.M. Pei’s Inspiration: A Comparison of Masterful Architecture with Minimalist Art] 27 Abr 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/870108/a-inspiracao-de-im-pei-uma-comparacao-de-sua-arquitetura-com-a-arte-minimalista> ISSN 0719-8906