O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Essas imagens de manicômios abandonados mostram arquiteturas que foram projetadas para curar

Essas imagens de manicômios abandonados mostram arquiteturas que foram projetadas para curar

Essas imagens de manicômios abandonados mostram arquiteturas que foram projetadas para curar
Essas imagens de manicômios abandonados mostram arquiteturas que foram projetadas para curar, Cortesia de Matt Van der Velde
Cortesia de Matt Van der Velde

Com a pintura rachada, a vegetação crescendo, a ferrugem e a decadência, edifícios abandonados esculpiram um gênero fotográfico que brinca com o nosso complexo fascínio com os remanescentes perversos do nosso passado. Enquanto o interesse intelectual em ruínas tem sido registrado há séculos, a popularidade e controvérsias do "ruin porn" contemporâneo pode ser rastreado até em torno de 2009, quando a série feral houses do fotógrafo James Griffioen provocou um debate sobre o potencial prejuízo na apropriação estética do colapso urbano.

Um assunto favorito neste campo são os manicômios americanos, cujos trágicos restos carregam ecos da história desagradável de tratamento de doença mental nos Estados Unidos. Estes sanatórios financiados pelo Estado estavam intensamente superlotados e, muitas vezes, alojavam pacientes em condições deploráveis no século XX. A partir de 1955, com a introdução da droga antipsicótica Thorazine, essas instituições foram fechadas em grande número, para nunca mais serem reabertas [1]. Agora, esses manicômios fechados, mas não demolidos, que pontilham o país, são objeto da "ruin porn" que negligencia uma parte igualmente importante da narrativa dos edifícios: seu começo. Em sua recente sessão de fotos Abandoned Asylums,, o fotógrafo Matt Van der Velde retrata este período anterior da arquitetura de manicômios, quando as instituições foram construídas na crença de que o ambiente construído teria o poder de curar.

Cortesia de Matt Van der Velde Cortesia de Matt Van der Velde Cortesia de Matt Van der Velde Cortesia de Matt Van der Velde + 61

Cortesia de Matt Van der Velde
Cortesia de Matt Van der Velde

Antes de meados dos anos 1800, o tratamento dos doentes mentais muitas vezes considerava um espectro de doenças perigosas e ameaçadoras. Os enfermos mentais mais desfavorecidos acabavam em albergues, já que não havia nenhuma instituição psiquiátrica financiada pelo Estado na época. Nesses locais, os doentes não recebiam tratamento algum e viviam em condições miseráveis. A falta de cuidados especializados significava que os "loucos" do século 18 muitas vezes acabavam em prisões como a única solução para o perigo percebido para si e para a sociedade [2].

Cortesia de Matt Van der Velde
Cortesia de Matt Van der Velde

A mudança ocorreu nos anos 1800 de múltiplas direções. A influência européia dos quakers popularizou o movimento de tratamento moral em psiquiatria, que defendia o tratamento humano dos pacientes e uma rotina regimentada. De importância significativa para o tratamento moral bem-sucedido estava o determinismo ambiental -a crença de que o ambiente de vida influencia o comportamento- dando à arquitetura um papel central no tratamento psicológico mais humanizado [3]. Cada elemento do ambiente construído foi pensado para ter um efeito potencialmente curativo sobre os doentes mentais, e as instituições foram concebidas com a intenção de que os pacientes eventualmente seriam curados e retornariam à sociedade. Como os manicômios eram novos para os Estados Unidos, alguns dos primeiros projetos foram inspirados pelo Centro de Tratamento Moral Quaker de York na Inglaterra, com este projeto reavaliado e adaptado como contexto e orçamento alterado [4].

Cortesia de Matt Van der Velde
Cortesia de Matt Van der Velde

Os vitorianos acreditavam que a industrialização e o capitalismo eram as principais causas da doença mental. Em ambientes urbanos, onde essas forças eram mais palpáveis, acreditavam que os membros mais fracos da sociedade seriam incapazes de lidar com essas pressões modernas e, eventualmente, tornarem-se lunáticos [5]. Portanto, qualquer opção de tratamento viável poderia incluir apenas separar fisicamente os pacientes da cidade, e os primeiros asilos dedicados foram construídos em áreas cercadas pela natureza. Da mesma forma, a crença prevalecente no miasma médico, que teorizava que a doença se espalhava pelo ar estancado e sujo, significava que a ventilação devia ser priorizada no projeto e que as cidades densas e poluídas eram locais impróprios para isso [6]. A ventilação levou ao uso experimental de pavilhões e quadriláteros, bem como a incorporação de muitas pequenas janelas de guilhotinas [7].

Cortesia de Matt Van der Velde
Cortesia de Matt Van der Velde

Na década de 1850, depois da longa batalha travada pelo educador e lobista Dorothea Dix para instituições psiquiátricas financiadas pelo Estado, a arquitetura de hospícios nos Estados Unidos começou a desenvolver seu próprio estilo distintivo. Thomas Story Kirkbride tornou-se a voz definitiva sobre o assunto depois de publicar sobre a construção, organização e arranjos gerais de hospitais para os insanos em 1854. Enquanto seu manifesto não foi aderido exclusivamente por outros arquitetos, criou um conjunto de orientações para os projetos e tornou-se o guia contra o qual todos os outros métodos foram comparados [8].

Cortesia de Matt Van der Velde
Cortesia de Matt Van der Velde

Os hospícios de Kirkbride incorporavam grandes elementos clássicos como pórticos, cúpulas e colunas que, além de criar um ambiente esteticamente agradável para os pacientes e suas famílias das classes alta e baixa, permitiam que os prédios se tornassem uma fonte de orgulho cívico. Mais do que a vergonha que os edifícios abandonados simbolizam hoje, essas instalações eram percebidas como indícios da generosidade da comunidade para os menos afortunados; como locais para caridade, esforços cristãos que construíam o mérito para a sociedade [2]. Edifícios mais estéreis não teriam conseguido o mesmo efeito. As fotos de Van der Velde mostram que muitos desses manicômios ainda mantêm suas intenções em ordem, ao invés de imagens comuns que são ignorantes desses recursos.

Cortesia de Matt Van der Velde
Cortesia de Matt Van der Velde

Cortesia de Matt Van der Velde Cortesia de Matt Van der Velde Cortesia de Matt Van der Velde Cortesia de Matt Van der Velde Cortesia de Matt Van der Velde Cortesia de Matt Van der Velde Cortesia de Matt Van der Velde Cortesia de Matt Van der Velde Cortesia de Matt Van der Velde + 61

Além do exterior, Kirkbride também tinha planos detalhados de como organizar melhor os vários programas que um manicômio. Ele projetou o "plano linear", que colocava os pacientes em alas hierárquicas que se moviam para fora com base no sexo e nos sintomas, com os pacientes mais graves e mais severamente doentes mais distantes do centro, onde eram menos perturbadores. O edifício estendeu-se em toda a propriedade de modo que todos os quartos tinham acesso à luz solar e ar fresco, promovendo a importância da ventilação e da natureza no processo de tratamento. No centro, onde as formas arquitetônicas mais luxuosas eram frequentemente construídas, estavam os salões e a capela, onde os pacientes podiam socializar com membros da família visitantes sem ter que levá-los para as enfermarias. Alguns dos recursos destinados a humanizar os asilos ainda podem ser vistos naqueles que permanecem em pé, como os tapetes para amortecer som, janelas abundantes para um sentido da natureza, e moldagem cuidadosamente trabalhada e ornamentação que não poderia normalmente associar com tais espaços .

Cortesia de Matt Van der Velde
Cortesia de Matt Van der Velde

Na virada do século 20, tornou-se claro que a maioria dos pacientes não entravam em manicômios e mais tarde retornavam à sociedade depois de serem curados de suas doenças por seu ambiente meticulosamente projetado e plano de tratamento. O determinismo ambiental tinha perdido o respeito como uma abordagem psiquiátrica, e o financiamento para os manicômios estava começando a diminuir. A era da arquitetura humanística para a doença mental havia terminado e uma nova era de tratamento cirúrgico caracterizada por superlotação, lobotomia e condições cruéis foi inaugurada, criando as bases para as edificações abandonadas de hoje -e nosso mórbido fascínio por eles.

Cortesia de Matt Van der Velde
Cortesia de Matt Van der Velde

Referências:

[1] Torrey, E. Fuller. "People in the Shadows: The Many Faces of Mental Illness." Out of the Shadows: Confronting America's Mental Illness Crisis. New York: Wiley, 1998. Print.
[2] Velde, Matt Van Der, and Carla Yanni. Foreword. Abandoned Asylums. Versailles: Jonglez, 2016. Print.
[3] Yanni, Carla. The Architecture of Madness: Insane Asylums in the United States. Minneapolis: U of Minnesota, 2007, 33.
[4] Ibid, 8
[5] Ibid, 3
[6] Ibid, 36
[7] Ibid, 40
[8] Ibid, 38

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Isabella Baranyk
Autor
Cita: Baranyk, Isabella. "Essas imagens de manicômios abandonados mostram arquiteturas que foram projetadas para curar" [These Images of Abandoned Insane Asylums Show Architecture That Was Designed to Heal] 23 Mar 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/867728/essas-imagens-de-manicomios-abandonados-mostram-arquiteturas-que-foram-projetadas-para-curar> ISSN 0719-8906
Ler comentários