O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Pavilhão
  4. Reino Unido
  5. RSH+P
  6. 1999
  7. Clássicos da Arquitetura: Millennium Dome / Richard Rogers (RSHP)

Clássicos da Arquitetura: Millennium Dome / Richard Rogers (RSHP)

Clássicos da Arquitetura: Millennium Dome / Richard Rogers (RSHP)
Clássicos da Arquitetura: Millennium Dome / Richard Rogers (RSHP), Millennium Dome (CC-BY-2.0)
Millennium Dome (CC-BY-2.0)

Em 1994, com o terceiro milênio se aproximando, o Reino Unido anunciou um festival nacional para o ano 2000. Em meio a um novo senso de otimismo, o festival de um ano, que ficou conhecido como Millennium Experience, tomaria a forma de uma exposição celebrando "quem somos, o que fazemos e onde vivemos". Sob a direção de projeto de Mike Davies, um parceiro do escritório de Richard Rogers (hoje conhecido como RSHP), o Millennium Dome foi projetado para abrigar a exposição.

Em uma façanha extraordinária de arquitetura e engenharia, a grande cúpula, que abrange um volume de 2,2 milhões de metros cúbicos, foi erguida, desde o conceito inicial ao topo, em apenas dois anos. Embora a Millennium Experience tenha sido encerrada no ano de 2000, o edifício que a alojou foi, desde então, utilizado para uma variedade de usos, em grande parte devido ao projeto caracteristicamente flexível de Richard Rogers.

Passarela elevada  (CC-BY-2.0) Um suporte de aço perfura o dossel da cúpula (CC-BY-2.0) Duas torres de serviço cilíndricas estão adjacentes à cúpula (CC-BY-2.0) The 'Body Zone'  (CC-BY-2.0) + 8

O Skylon e Dome of Discovery em 1951 Festival da Grã-Bretanha (CC-BY-2.0)
O Skylon e Dome of Discovery em 1951 Festival da Grã-Bretanha (CC-BY-2.0)

O Millennium Dome era o ponto focal de um masterplan de Rogers para uma península em Greenwich, Londres, na margem sul do rio Tamisa. Este terreno de 300 acres apresentava uma variedade de dificuldades. Antes de ser comprado pelo governo para a reconstrução, o local era posse da British Gas que o tinha usado para a disposição de resíduos tóxicos, o que significava que a terra teria que ser descontaminada antes que os trabalhos de construção pudessem começar. Um poço de ventilação do túnel Blackwall, que transporta o tráfego rodoviário abaixo do Tâmisa também estava no local proposto da cúpula e precisava ser acomodado no projeto. A área também estava mal conectada com os transportes públicos e a infraestrutura rodoviária era incapaz de acomodar o número previsto de visitantes. Felizmente, os planos já estavam em andamento para uma extensão da Linha Jubilee na rede de metrô de Londres, e a estação North Greenwich foi aberta em 1999.

A estrutura de cúpula foi eleita como a solução de projeto mais apropriada para a demanda, em grande parte devido às rigorosas restrições de tempo impostas ao projeto. Foi só em 1996 -comparativamente tardio para um projeto desta escala- que a península de Greenwich foi escolhida como local para o festival, e era essencial que todos os trabalhos de construção fossem concluídos em 1998, a fim de possibilitar tempo suficiente para as exposições serem montadas até a virada do milênio. Em vez de criar pavilhões separados para cada uma das exposições que constituiriam o evento, foi mais eficiente em termos de tempo e custo-efetivo criar um único recinto para abrigá-las todas. De acordo com Davies, a forma da península também sugeriu uma estrutura circular: "o local tinha uma incrível vista de 270 graus do rio, de modo que um círculo fazia sentido". [1]

Duas torres de serviço cilíndricas estão adjacentes à cúpula (CC-BY-2.0)
Duas torres de serviço cilíndricas estão adjacentes à cúpula (CC-BY-2.0)

O projeto da cúpula destaca um círculo de doze mastros de aço, cem metros de altura, que suportam uma rede de cabos de alta tensão. Os setenta quilômetros de cabeamento são cobertos por um tecido de PTFE branco de apenas um milímetro de espessura, com um forro interior para absorver som e condensação. As especificações da obra são surpreendentes: a circunferência tem um quilômetro, a altura é de cinquenta metros no seu pico, e abrange uma área de oitenta mil metros quadrados. De acordo com o espírito festivo da exposição que abrigou, a arquitetura da cúpula foi destinada a transmitir um senso de otimismo sobre o novo milênio. Como Davies relatou: "não é por acaso que esses mastros se estendem naquele ângulo como se fossem braços levantados que dizem 'Sim!'" [2]

A Millennium Experience foi concebida para ser a mais recente de uma longa série de festivais nacionais, incluindo o Festival Britânico em 1951 e a Grande Exposição Mundial em 1851. A cúpula também respondeu a esses eventos anteriores através de explícitas referências arquitetônicas. As estruturas mais emblemáticas do Festival Britânico foram o Skylon (uma estrutura em forma de charuto de aço) e a Cúpula da Descoberta (uma abóbada que abriga uma exposição educacional). O legado arquitetônico de ambas estruturas é amalgamado em um único edifício no Millennium Dome, claramente evidente nos mastros em forma de charuto e no próprio conceito da cúpula.

The 'Body Zone'  (CC-BY-2.0)
The 'Body Zone' (CC-BY-2.0)

Enquanto o Millennium Dome faz referências arquitetônicas ao passado, o tecido de PTFE branco revestido de Teflon dá à estrutura uma aparência altamente futurista. Como a autora Elizabeth Wilhide observou, "é macia e dura, arredondada e espetada; abraça o chão e alcança o céu. "[3] Tecnicamente não é nem mesmo uma cúpula, pois sua carga não descansa em sua circunferência, mas nos mastros de aço; Uma descrição mais precisa (mas menos comercializável) seria um "tampão esférico".

A Linha do Meridiano de Greenwich passa a poucos metros da cúpula, e o projeto do edifício contém muitas alusões ao conceito de tempo. Davies, que se descreve como um "astrônomo entusiasta" [4], especificou que deveria haver doze mastros, um para cada mês do ano, e vinte e quatro "vieiras" (os recortes curvos na base da copa) Uma para cada hora do dia. Além disso, a cúpula tem um diâmetro de 365 metros, representando cada dia do ano, e os painéis da copa são baseadas nas linhas celestes de longitude e latitude. Estas referências baseadas no tempo são particularmente apropriadas dado o propósito do projeto em celebrar um evento significativo do calendário.

Palco do Millennium Show no centro da cúpula (CC-BY-2.0)
Palco do Millennium Show no centro da cúpula (CC-BY-2.0)

A sustentabilidade foi uma consideração chave na concepção da cúpula, com grande cuidado para minimizar o impacto ambiental do edifício. O escoamento das águas pluviais da cobertura é recolhido em piscinas, naturalmente filtradas através de camas de juncos, e recicladas como águas cinzas para os sanitários. O tecido translúcido da cobertura permite que a luz solar entre na cúpula, reduzindo assim a necessidade de iluminação interior e diminuindo as demandas de energia do edifício. Qualquer energia necessária é proveniente de fontes renováveis, nomeadamente de resíduos domésticos, de esgotos e de vento. [6] A cúpula também é ventilada naturalmente, com aberturas no centro do telhado liberando o ar quente ascendente e doze ventiladores extraindo o ar fresco do exterior.

Por necessidade, o processo de projeto da cúpula foi colaborativo, como a complexidade de sua engenharia exigiu os arquitetos trabalharem em estreita colaboração com os engenheiros do projeto Buro Happold. Glyn Trippick, sócios de engenharia estrutural de Buro Happold, rotulou a abóbada "uma colaboração verdadeira entre o arquiteto e o engenheiro. É um dos poucos projetos em que você não pode dizer quem liderou. "[7] A influência estilística de ambas as empresas pode, de fato, ser vista no projeto final da cúpula. Richard Rogers aplicou seu tratamento de "interior-exterior" da assinatura ao edifício, colocando as plantas de serviço do edifício em torres cilíndricas em torno do exterior da abóbada para o acesso fácil. Como no Centre Pompidou em Paris, vários componentes do edifício são codificados por cores: o amarelo é usado para elementos estruturais, como os mastros, enquanto o laranja é usado para circulação de pedestres  e o vermelho para as torres internas de iluminação. Buro Happold, entretanto, tinha uma história em estruturas tensionadas. O fundador da empresa, Ted Happold, havia colaborado com Frei Otto em vários projetos semelhantes, como o aviário do Zoológico de Munique.

Passarela elevada  (CC-BY-2.0)
Passarela elevada (CC-BY-2.0)

A decisão de construir uma única cúpula expansiva, em vez de pavilhões individuais, desassociou a arquitetura da exposição e criou um espaço mais flexível. Richard Rogers tinha explorado o uso de estruturas do tipo em muitos de seus trabalhos anteriores, incluindo a Fábrica Fleetguard na Bretanha e o não-construído Massy Autosalon. [9] Como a cúpula, estes edifícios são em grande parte livres de suportes internos, permitindo que os layouts dos espaços possam ser facilmente modificados. Na cúpula, essa flexibilidade foi tomada um passo adiante. Os cilindros de serviço ao redor do perímetro da cúpula apresentam o que Davies descreveu como um "sistema de estante flexível", [10] em que as aletas externas dos cilindros podem ser facilmente separadas e as plantas de serviço adicionadas ou removidas conforme necessário.

Graças ao grande grau de flexibilidade no seu projeto, a cúpula foi adaptada com sucesso para múltiplas utilizações desde o fechamento da Millennium Experience. Em 2003 a abóbada hospedou um festival de música organizado pela prefeitura de Londres, assim como o festival de inverno Wonderland. No ano seguinte, a instituição de caridade Crisis fez uso da cúpula como um abrigo para os sem-teto durante o período de Natal. Em 2007, após um período de dois anos de desenvolvimento, a cúpula reabriu como um centro de entretenimento. Rebatizada de O2 (após um acordo do patrocínio com a companhia de telecomunicação do mesmo nome), vem sendo usada como um local para concertos e eventos hospedando competições da ginástica e de basquete durante os Jogos Olímpicos de Londres 2012.

Um suporte de aço perfura o dossel da cúpula (CC-BY-2.0)
Um suporte de aço perfura o dossel da cúpula (CC-BY-2.0)

A Millennium Experience recebeu críticas altamente negativas, em grande parte devido à espiral de custos da exposição e ao pouco público que recebeu -atraiu apenas seis milhões de visitantes ao longo do ano, pouco mais de 10% da população britânica na época e metade do que era esperado. O Millennium Dome sofreu por associação, e muitas vezes enfrentou críticas por ter excedido o orçamento. De fato, em £ 43 milhões, o projeto arquitetônico estava bem abaixo do orçamento e relativamente barato para uma obra de tal escala. Mas Rogers explicou que "o custo citado invariavelmente incluía o conteúdo". [11]

O maior sucesso do Millennium Dome não reside em seu conteúdo, mas em sua arquitetura triunfante e festiva. Arquitetos e engenheiros da cúpula criaram uma das estruturas mais icônicas do século 20, e sua resistência é um testemunho de sua previdência e proeza. Ao projetar um edifício adaptável, eles permitiram que a cúpula respondesse às demandas de um novo milênio. Tony Blair, que defendeu a construção do Millennium Dome como primeiro-ministro do Reino Unido, resumiu seu legado: "Celebraremos o milênio com um novo dinamismo em nosso país. O Millennium Dome simboliza esse dinamismo". [12]

A base de um suporte de aço (CC-BY-2.0)
A base de um suporte de aço (CC-BY-2.0)

References
[1]
Wainwright, Oliver. “How we made the Millennium Dome”. The Guardian. 17 de Março de 2015. Acesso em 10 de Agosto de 2016. [link]
[2] Wilhide, Elizabeth. The Millennium Dome. HarperCollins: London, 1999. p.14.
[3] Ibid. Wilhide. p.9.
[4] Ibid. Wainwright.
[5] Ibid. Wilhide. p.146.
[6] Powell, Kenneth. Richard Rogers: The Complete Works (Vol. 3). Phaidon: London, 2007. p.86.
[7] Ibid. Wilhide. p.32.
[8] Ibid. p.166.
[9] “The Millennium Dome”. Rogers Stirk Harbour + Partners. Acesso em 10 de Agosto de 2016. [link]
[10] Ibid. Wilhide. p.138.
[11] Davidson, Andrew. “The Andrew Davidson Interview: Richard Rogers”. Management Today, May 1999. pp.78-83.
[12] Blair, Tony. “Foreword” In Elizabeth Wilhide. The Millennium Dome. p.6.

  • Arquitetos

  • Localização

    The Millennium Dome, Millennium Way, Londres SE10 0BB, Reino Unido
  • Diretor de Projeto

    Mike Davies
  • Arquiteto Principal

    Richard Rogers
  • Engenharia

  • Área

    80000 m²
  • Ano do projeto

    1999

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Escritório
Cita: Bryant-Mole, Bart. "Clássicos da Arquitetura: Millennium Dome / Richard Rogers (RSHP)" [AD Classics: Millennium Dome / Richard Rogers (RSHP)] 15 Fev 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/805368/classicos-da-arquitetura-millennium-dome-richard-rogers-rshp> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.