O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Habitação De Interesse Social
  4. Reino Unido
  5. Jack Lynn and Ivor Smith
  6. 1961
  7. Clássicos da Arquitetura: Conjunto Habitacional Park Hill / Jack Lynn e Ivor Smith

Clássicos da Arquitetura: Conjunto Habitacional Park Hill / Jack Lynn e Ivor Smith

Clássicos da Arquitetura: Conjunto Habitacional Park Hill / Jack Lynn e Ivor Smith
Clássicos da Arquitetura: Conjunto Habitacional Park Hill / Jack Lynn e Ivor Smith, © Wikimedia user/Flickr user Paolo Margari (CC BY-SA 3.0)
© Wikimedia user/Flickr user Paolo Margari (CC BY-SA 3.0)

De sua vista panorâmica sobre a colina no extremo leste de Sheffield, no Reino Unido, o Conjunto Habitacional Park Hill examina a cidade pós-industrial que se espalha para o oeste. Sua posição proeminente torna a obra altamente visível e, com o tempo, enraizou-se na consciência popular, como parte do tecido da cidade. Embora hoje divida opiniões, após sua conclusão em 1961 foi aclamado como um modelo exemplar para habitação social. Projetado pelos arquitetos Jack Lynn e Ivor Smith, sob a supervisão do arquiteto visionário de Sheffield, John Lewis Womersley, o edifício agora é um testamento para uma época em que os jovens arquitetos britânicos estavam revolucionando o campo da arquitetura residencial com programas habitacionais radicais.

O Park Hill foi parte da estratégia de Womersley para introduzir mais habitações de altas densidades para Sheffield, que ele acreditava que promoveriam um senso de comunidade mais forte do que os modelos habitacionais da época. [1] Esta política foi acompanhada por uma necessidade urgente de remoção de favelas; The Park, uma favela muito notória por sua alta taxa de criminalidade, também conhecida localmente como "Little Chicago", foi demolida para dar lugar ao conjunto.

Após a reforma. Imagem © Paul Dobraszczyk © Paul Dobraszczyk © Paul Dobraszczyk © Paul Dobraszczyk + 17

Antes de depois da reforma. Imagem © Paul Dobraszczyk
Antes de depois da reforma. Imagem © Paul Dobraszczyk

O terreno era, em muitos sentidos, a incubadora perfeita para um projeto habitacional ambicioso. Sua posição elevada permitiria aos moradores vistas panorâmicas e ar fresco. Dado o vento predominante vir do sudoeste, as habitações também escapariam, em grande parte, da poluição das indústrias pesadas ao nordeste. O centro da cidade fica a apenas uma curta distância a pé, permitindo que os residentes acessarem facilmente o trabalho sem a necessidade de transportes públicos. Além disso, a composição geológica da área era tal que poderia suportar a carga pesada de um arranha-céus. Essa escolha de lote também pode ter sido influenciada por projetos habitacionais no exterior; em 1954, Womersley levou vários membros do Comitê de Habitação do Conselho em uma turnê pela Europa Ocidental para estudar empreendimentos de grande altura no continente. Um de seus companheiros de viagem foi o Conselheiro Lambert, que mais tarde descreveu como "a construção de composições arquitetônicas no topo de colinas vem gradualmente produzindo algo do fascínio das cidades montanhosas italianas". [2]

Park Hill compreende quatro blocos residenciais conectados por passarelas elevadas, juntamente com um amplo desenvolvimento ao nível do solo de lojas, pubs, lavanderias, um parque infantil e uma escola. A estrutura dos blocos residenciais, que variam de quatro a quatorze pavimentos de altura, é uma grade de quadros de concreto armado, preenchidos com tijolos. O quadro exposto cria um mosaico de painéis de tijolos que mudam progressivamente de cores, do roxo ao terracota, vermelho e creme. [3] Este detalhe do projeto foi recomendado pelo artista construtivista John Forrester, que tinha sido trazido como um colaborador no projeto depois que Lynn encontrou algumas de suas construções em uma galeria e notou certos paralelos entre o trabalho de Forrester e o seu. [4]

© Paul Dobraszczyk
© Paul Dobraszczyk

Escrevendo em 1961, Reyner Banham destilou o caráter do conjunto habitacional recém-construído em uma única palavra: unidade. [5] Em planta, os blocos residenciais parecem ser distintos; mas, na realidade, funcionam como um edifício coeso. Esta coesão deve-se, em grande parte, ao sistema inovador de circulação e localização para pedestres para o qual a propriedade ganhou reconhecimento generalizado e do qual se tornou finalmente paradigmático. Os arquitetos criaram o que seria conhecido como "ruas no céu", plataformas de 3 metros de largura que esticam o comprimento dos blocos e de onde os apartamentos são acessados. As circulações oferecem ampla liberdade de movimento e, juntamente com as passarelas, são projetados para ligar os edifícios de apartamentos separados juntos para criar um todo unificado.

O conjunto foi projetado para replicar o forte sentido de comunidade encontrado na habitação tradicional britânica; as plataformas emulam a função social das vielas entre as casas dos mineiros, com terraços, encontradas na cidade natal de Lynn, North Seaton. [6] Protegido dos elementos e geralmente livre de tráfego, foi corretamente previsto que seriam usados como áreas para as crianças brincarem e donas de casa socializarem. A largura generosa das plataformas também permitiu que pequenos carros elétricos de leite dirigissem pelas ruas e fizessem entregas diretamente nas portas dos moradores. Ao encorajar a interação ao longo dos eixos horizontais da propriedade, os arquitetos evitaram o problema do isolamento social frequentemente experimentado pelos moradores de edifícios altos. Ao referenciar tradições arquitetônicas familiares e espaços sociais, isso também facilitou a transição para aqueles que habitavam moradias tradicionais em Sheffield.

© Paul Dobraszczyk
© Paul Dobraszczyk

Para criar uma sensação de continuidade e estabilidade, os vizinhos da demolida favela foram relocados para apartamentos vizinhos em Park Hill, e as ruas foram batizadas com os mesmos nomes que as que substituíram. Os laços fortes da comunidade dentro da propriedade foram um de seus sucessos retumbantes, com as associações de locatários organizando, como Lynn relatou, "viagens de pesca, eventos, danças e uma série de outras atividades sociais." [7]

A composição dos blocos residenciais também fortaleceu este espírito comunitário. Uma única linha de cobertura foi mantida durante todo o conjunto, com a altura dos blocos variando para acomodar o terreno inclinado. Como resultado, os moradores que olham para fora da plataforma da rua vêem outra quadra ao nível dos olhos com os seus próprios; uma metáfora visual para a suposta natureza igualitária da habitação social. Os blocos formam uma parede ao longo da borda oeste do lote, criando um limite entre a propriedade e o centro da cidade como se para demarcar o território do monte do parque. Os blocos brotam para o leste a partir desta parede, embalando as amenidades ao nível do térreo para criar uma atmosfera de isolamento e segurança. A área abrangida por estas bordas curvas aumenta de tamanho com a altura dos blocos, a fim de ajudar a circulação de ar e evitar qualquer sensação de claustrofobia.

© Paul Dobraszczyk
© Paul Dobraszczyk

Lynn e Smith elaboraram os projetos iniciais para Park Hill em apenas seis semanas, um feito notável para um projeto que incluiu 995 apartamentos para 3.000 pessoas. A velocidade de sua produção pode ser parcialmente atribuída ao fato de que eles não elaboraram uma elevação arquitetônica completa para os blocos residenciais. Em vez disso, concentraram seus esforços na criação de um modelo em forma de H, composto por quatro apartamentos, que poderiam ser replicados em várias configurações em todo o terreno; Uma produção arquitetônica em massa.  As plataformas formam a barra transversal do 'H', proporcionando acesso a dois apartamentos abaixo e outros dois acima. Essa configuração significava que as ruas só precisavam ser inseridas a cada três andares, reduzindo assim o custo e o tempo de construção.

Paralelos foram estabelecidos entre Park Hill e a Unite d'Habitation em Marselha, de Le Corbusier, que havia sido concluída em 1952 e que também incluiu um sistema de acesso corredor engenhoso em cada três andares. Lynn reconheceu que o impacto da Unite d'Habitation era de grande alcance [9], mas esta não era de modo algum a única fonte de inspiração para Park Hill. O conceito de "ruas no céu" tinha sido defendido por Alison e Peter Smithson, que tinham dado aulas para Lynn na Architectural Association e que, mais tarde, empregariam o sistema com grande efeito em sua propriedade Robin Hood Gardens em Londres.

© Paul Dobraszczyk
© Paul Dobraszczyk
© Paul Dobraszczyk
© Paul Dobraszczyk

Após a sua abertura, Park Hill foi elogiado como um avanço nos projetos de habitação social. Foi objeto de vários filmes, ganhando publicidade generalizada através de um documentário transmitido na televisão nacional, e recebendo peregrinações de arquitetos para estudar o conjunto. No entanto, seu apogeu teve curta duração. Muitos dos problemas que se seguiram foram de natureza estrutural: o concreto rapidamente ruiu, o sistema de lixo instalado nos apartamentos provou ser proibitivamente caro de operar, e os moradores reclamaram da falta de isolamento sonoro. Mas o principal declínio do conjunto foi causada pelo colapso da indústria do aço em Sheffield nos anos de 1970. Park Hill era o lar de muitos trabalhadores siderúrgicos, e o desemprego em massa causou um enorme aumento no crime dentro da propriedade, que logo se tornou dilapidado por vandalismo e negligência. [10]

Apesar dos repetidos pedidos para que o conjunto fosse derrubado, em 1998 o órgão de patrimônio inglês controversamente concedeu o tombamento, tornando-se assim a maior estrutura listada da Europa. Com o conjunto protegido da demolição, e sem os fundos necessários para renová-lo, em 2004 a Prefeitura de Sheffield adjudicou um contrato para os empreendedores Urban Splash para reformar o local. O trabalho de remodelação extenso em curso envolveu a remoção de tudo, com exceção dos quadros de concreto. Como um empreendimento principalmente comercial, muito do ethos social da propriedade original acabou perdido. No entanto, a configuração do apartamento e assinatura das ruas no céu permanecem, embora este último tenha sido estreitado, a fim de aumentar o tamanho da antiga. As referências às características originais do projeto são feitas, também, com os painéis de alumínio brilhantes coloridos que substituem os tijolo. Smith descreveu o redesenvolvimento como "um novo começo" [11], sugerindo que, mesmo em seu estado alterado, Park Hill continua a encarnar o mesmo otimismo para o futuro como o fez quando foi construído pela primeira vez.

© Paul Dobraszczyk
© Paul Dobraszczyk
© Paul Dobraszczyk
© Paul Dobraszczyk

References
[1]
Harwood, Elain. Space, Hope and Brutalism: English architecture, 1945-1975. London: Yale University Press, 2015. p.76
[2] Ibid.
[3] “Park Hill”. Historic England. Accessed 28 June, 2016. [link]
[4] Lynn, Jack. “Park Hill Development, Sheffield: The Development of the Design”. In RIBA Journal, 69, 1962. p.454
[5] Banham, Reyner. “Park Hill housing, Sheffield” In The Architectural Review, 130(778), 1961. p404
[6] Ibid. Harwood. p.80
[7]
Ibid. Lynn. p.457
[8] “Park Hill and Hyde Park Study Guide”. Sheffield County Council. Accessed 28 June, 2016. p.17 [link]
[9] Ibid. Lynn. p.447
[10] Orazi, Stefi. Modernist Estates: the buildings and the people who live in them today. London: Frances Lincoln, 2015. p.73
[11] “Countdown to Park Hill opening starting prices and launch date for new homes announced” Urban Splash, 9 September, 2011. Accessed 28 June, 2016. [link]

  • Arquitetos

    Jack Lynn e Ivor Smith
  • Localização

    Park Hill, Sheffield S2, Reino Unido
  • Arquiteto

  • Arquiteto Local

    John Lewis Womersley
  • Assistente de Projeto

    John Forrester
  • Área

    69.000 m²
  • Ano do projeto

    1961

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Jack Lynn and Ivor Smith
Escritório
Cita: Bryant-Mole, Bart. "Clássicos da Arquitetura: Conjunto Habitacional Park Hill / Jack Lynn e Ivor Smith" [AD Classics: Park Hill Estate / Jack Lynn and Ivor Smith] 30 Jan 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/804300/classicos-da-arquitetura-conjunto-habitacional-park-hill-jack-lynn-e-ivor-smith> ISSN 0719-8906