i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Combatendo o neoliberalismo: O que os arquitetos de hoje podem aprender com os Brutalistas

07:00 - 25 Março, 2017
Combatendo o neoliberalismo: O que os arquitetos de hoje podem aprender com os Brutalistas, <a href='http://www.archdaily.com/790453/ad-classics-barbican-estate-london-chamberlin-powell-bon'>The Barbican</a> em Londres. Imagem © Joas Souza
The Barbican em Londres. Imagem © Joas Souza

Nesta segunda edição de sua coluna "Beyond London" para o ArchDaily, Simon Henley, da Henley Halebrown, de Londres, discute uma possível influência que pode ajudar os arquitetos do Reino Unido a combater a hegemonia econômica que atualmente aflige o país - voltando-se para a orientação moral dos brutalistas da década de 1960.

Antes do Natal, eu terminei de escrever meu livro intitulado Redefining Brutalism. Como o título sugere, estou buscando redefinir o assunto, desintoxicar o termo e encontrar relevância no trabalho, e não apenas um motivo para nostalgia. Brutalismo concreto é, para a maioria das pessoas, um estilo que você ama ou odeia. Mas o Brutalismo é muito mais do que apenas um estilo; é um modo de pensar e fazer. O historiador e crítico Reyner Banham argumentou em seu ensaio de 1955 e no livro de 1966 intitulado The New Brutalism: Ethic or Aesthetic que o Novo Brutalismo começou como um movimento ético para depois ser entendido como um estilo. Hoje, é um espelho a ser erguido para a arquitetura do neoliberalismo, para uma arquitetura que serve ao capitalismo. Mais do que nunca, a arquitetura é associada à marca dos grandes arquitetos cujo trabalho tem pouco a ver com os desafios que a sociedade enfrenta, que hoje não são muito diferentes daqueles enfrentados pela geração do pós-guerra: construir casas, lugares para aprender e trabalhar, lugares para aqueles que são mais velhos e doentes, e lugares para se reunir. Podemos aprender muito com essa geração passada.

Casa Dunelm em Durham, por Architect's Co-Partnership. Imagem © <a href='http://www.geograph.org.uk/more.php?id=2935919'>Usuário Geograph Des Blenkinsopp</a> licença <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>CC BY-SA 2.0</a> <a href='http://www.archdaily.com/791939/ad-classics-park-hill-estate-sheffield-jack-lynn-ivor-smith'>Park Hill</a> em Sheffield: à esquerda, seu projeto original; à direita, um corte de sua renovação. Imagem © Paul Dobraszczyk "Ruas no Céu" no Robin Hood Gardens por Alison e Peter Smithson. Imagem © <a href='https://www.flickr.com/photos/stevecadman/3058342144/'>Usuário Flickr stevecadman</a> licença <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>CC BY-SA 2.0</a> Seminário de São Pedro em Cardross, Escócia, por Gillespie, Kidd & Coia, aqui apresentado em seu estado original. Imagem Cortesia do Arquivo de GKC +10

A história por trás da "Economist Plaza", ícone brutalista de Alison e Peter Smithson

07:00 - 31 Dezembro, 2016

Em 2017, a revista britânica The Economist mudará para uma nova sede, deixando para trás seu icônico lar ocupado há 52 anos, a Economist Plaza.

O projeto foi a primeira grande comissão da dupla britânica Alison e Peter Smithson, cuja carreira passaria a ser marcada pelo estilo brutalista. Localizado na 22 Ryder Street, não muito longe do Hyde Park e do Palácio de Buckingham, a Economist Plaza marcou um avanço significativo no projeto de edifícios em altura, substituindo a tradicional fachada frontal definida por um embasamento e, sobre este, a torre, por escadas e uma rampa que conduzem a uma praça elevada a partir da qual três edifícios se erguem.

Assista ao vídeo acima para saber mais sobre a história por trás do projeto e leia mais sobre o legado que o Economist vai deixar para trás, aqui.

Instalações de Álvaro Siza e Alison e Peter Smithson serão reconstruídas na Inglaterra

07:00 - 10 Maio, 2016
Instalações de Álvaro Siza e Alison e Peter Smithson serão reconstruídas na Inglaterra, 'Obelisk' / Alison ePeter Smithson. Imagem © James Morris
'Obelisk' / Alison ePeter Smithson. Imagem © James Morris

Duas esculturas—Obelisk por Alison e Peter Smithson eColumns por Álvaro Siza Vieira—foram reconstruídas em Shatwell, um "complexo agrícola semi abandonado" localizado na zona rural da Inglaterra. A reconstrução dos monumentos faz parte de um programa de instalações que a organização Drawing Matter usará para explorar a relação entre arquitetura, escultura e paisagem. 

Vídeo conta a história do projeto Robin Hood Gardens de Alison e Peter Smithson

15:00 - 18 Janeiro, 2016

O cineasta britânico Joe Gilbert realizou um breve filme sobre o projeto Robin Hood Gardens de Alison e Peter Smithson em Londres. Acompanhado por comentários de Timothy Brittain-Catlin,  o filme apresenta a "história e o estado atual da obra a partir de uma série de imagens monocromáticas  do projeto."

Em foco: Peter Smithson

05:00 - 20 Setembro, 2015
Em foco: Peter Smithson , © flickr user 51746218@N03
© flickr user 51746218@N03

Peter Smithson (18 de setembro de 1923 – 3 de março de  2003), o aclamado arquiteto britânico que é frequentemente associado ao Novo Brutalismo, completaria 91 anos de idade hoje. Após concluir a graduação na escola de arquitetura de Newcastle em 1948, matriculou-se na Royal Academy Architecture School. Em 1950 fundou seu próprio escritório com sua esposa, Alison, formando a dupla de arquitetos britânicos mais influentes da metade do século XX.

© flickr user stevecadman © Alison e Peter Smithson © flickr user 51746218@N03 © Alison e Peter Smithson +5

Clássicos da Arquitetura: Robin Hood Gardens / Alison e Peter Smithson

14:00 - 10 Março, 2012
Clássicos da Arquitetura: Robin Hood Gardens / Alison e Peter Smithson, © flickr John Levett
© flickr John Levett