O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Manipulando espaços reais em escala real

Manipulando espaços reais em escala real

  • 14:00 - 10 Abril, 2016
  • por Alberto T. Estévez
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
Manipulando espaços reais em escala real

No começo de 2016, apresentamos o Vardehaugen, um escritório norueguês que criou uma série de desenhos em escala real dos seus projetos em seu próprio pátio posterior. Após publicar este exercício no nosso local, desde a Espanha, o arquiteto e acadêmico Alberto T. Estévez nos contou que é o mesmo exercício que desenvolve na ESARQ (UIC Barcelona) há 10 anos, com alunos de segundo e terceiro ano de Arquitetura. Segundo Estévez, o exercício 'supõe algo insubstituível: aproximar-se da moradia dos espaços de escala real desde obras de arquitetura paradigmáticas' desde a casa Farnsworth até a Casa da Marina de José Antonio Coderch.

Há aproximadamente 10 anos, comecei a realizar uma atividade docente especial. O que me pareceu interessante e instrutiva. Assim, comecei a ministrar aulas práticas como se comenta com alunos de segundo e terceiro ano de Arquitetura, na ESARQ (UIC Barcelona): a Escola de Arquitetura fundada há 20 anos como primeiro Diretor na Universidade Internacional da Catalunha. 

Desde então, fazemos este trabalho todo o ano nas disciplinas de Composição Arquitetônica que ministro e que aborda a teoria e a história da arquitetura.

Edificio Coderch. Imagem © Alberto T. Estévez Edificio Coderch. Imagem © Alberto T. Estévez Edificio Coderch. Imagem © Alberto T. Estévez Edificio Coderch. Imagem © Alberto T. Estévez + 25

Edificio Coderch. Imagem © Alberto T. Estévez
Edificio Coderch. Imagem © Alberto T. Estévez

Trata-se de fazer com que os alunos reproduzam em escala real 1:1 plantas de obras especialmente escolhidas para a ocasião. Para isso, é disponibilizada uma planta e - após uma explicação que supõe o exercício - com fitas adesivas e giz vai sendo traçada no campus de nossa universidade.

Dentre todos os exemplos que poderíamos usar, foi percebido que o melhor era começar por Ludwig Mies van der Rohe: por um lado, pela evidente relevância que tal autor possui e também porque a atividade deve ser feita em uma só manhã, algo que sua simplicidade permite. Ainda mais quando os conteúdos das disciplinas em questão tratam justamente dos mesmos períodos que as obras.

A melhor sequência, por experiência, é primeiramente, na disciplina de Composição Arquitetônica 1 (2° ano, 1° semestre), a casa Farnworth (Planta 1946-51), e logo, em Composição Arquitetônica 2 (2º ano, 2º semestre), o edifício 860-880 Lake Shore Drive Apartments (Chicago, 1949-51).

Casa Farnsworth. Imagem © Alberto T. Estévez
Casa Farnsworth. Imagem © Alberto T. Estévez

Por último, em Composição Arquitetônica 3 (3° ano, 1° Semestre) se redesenha em escala real a casa da Marina (Barcelona, 1952-54), de José Antonio Coderch, o melhor arquiteto espanhol dos anos 50 a 70, com uma planta mais complexa porém muito didática pelo hábil encaixe com que se projetou. Acada sendo um emocionante contraste, passar das plantas de Mies a esta última de Coderch, quando no final vamos visitá-la - está em nossa cidade de Barcelona - o qual oferece um espaço perfeito para esta atividade.

Apartamentos Chicago. Imagem © Alberto T. Estévez
Apartamentos Chicago. Imagem © Alberto T. Estévez

Tudo isso se constitui em um exercício-chave para aprender algo básico para um arquiteto, como é o redesenho de uma planta em escala real 1:1, desde um desenho 1:100 ou similar. E sobretudo, supõe algo insubstituível, que é aproximar-se da moradia dos espaços em escala real. Neste caso, desde obras de arquitetura paradigmáticas.

De fato, existe algo 'mágico' nesse projeto com o que pouco a pouco os estudantes vão montado o desenho da planta: chega-se diante de um espaço inicialmente vazio, com somente um papel na mão e acabam podendo passear por uma edificação, imaginando-a na escala real. Definitivamente, é uma boa maneira de entender, de forma mais ilustrativa, as medidas e tamanhos de espaços que criaram os arquitetos que fizeram história e que somente são vistos em pequenos desenhos de livros e sites.

Alberto T. Estévez é Catedrático da School of Architecture (Universitat Internacional de Catalunya) que fundou em Barcelona no ano 1996. Em 2000 criou também o Mestrado em Arquitetura Biodigital da mesma instituição. Estévez é autor de mais de uma centena de publicações, como seu último livro, titulado “Biodigital Architecture & Genetics: Writings/Escritos”.

Professor: Alberto T. Estévez
Disciplinas: Composição Arquitetônica (ano 2  3)
Lugar: ESARQ, School of Architecture, UIC Barcelona (Universitat Internacional de Catalunya), Barcelona, Espanha
Anos: 2007 até a data

Apartamentos Chicago. Imagem © Alberto T. Estévez
Apartamentos Chicago. Imagem © Alberto T. Estévez
Cita: Estévez, Alberto. "Manipulando espaços reais em escala real" [Manejando espacios reales a escala real] 10 Abr 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/784855/manipulando-espacos-reais-em-escala-real> ISSN 0719-8906