O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Por que as passarelas peatonais não favorecem os pedestres?

Por que as passarelas peatonais não favorecem os pedestres?

Por que as passarelas peatonais não favorecem os pedestres?
Por que as passarelas peatonais não favorecem os pedestres?, © Google Maps
© Google Maps

Faixas de pedestres no nível das calçadas ou passarelas elevadas?

A decisão tomadas pelas autoridades das cidades podem ser respaldadas por uma pesquisa feita pelo Instituto de Políticas para o Transporte e Desenvolvimento do México (ITDP), na qual justifica a melhor opção de acordo com dois fatores: o primeiro corresponde a relação entre a velocidade e segurança viária, e o segundo, a acessibilidade e o desenho urbano.

De acordo com estes fatores, o ITDP afirma que o melhor cruzamento para pedestres é aquele que está no nível das ruas porque prioriza a rota dos mesmos e porque são feitos na escala humana. Diferentemente disso, as passarelas são vistas como uma opção que surgiu através do paradigma de priorizar o trânsito dos veículos e, de acordo com dados gerados pelo estudo, não aumentam a segurança dos pedestres. 

Além disso, a localização das passarelas não favorece os pedestres, que devem percorrer distâncias mais longas e fazer um esforço maior. Outro fator relevante é que nem todas as passarelas estão desenhadas para as pessoas com mobilidade reduzida e construí-las requer um maior investimento econômico segundo o Instituto. Levando em conta estes dados, o ITDP faz suas recomendações de como se devem desenhar os cruzamentos pedonais no nível da calçada. 

A relação entre velocidade e segurança viária

Os benefícios de reduzir os limites de velocidade dos veículos para aumentar a segurança para todos os usuários do espaço viário é uma medida cada vez mais adotada nas cidades, levando em conta quais são as consequências de um atropelamento. 

Por exemplo, se o impacto ocorre quando um veículo circula a mais de 60 km/h, 84% dos pedestres morrem, 15% ficam feridos e ninguém sai ileso. Em contrapartida, a mesma situação a 48 km/h pode causa a morte de 45% dos pedestres, 50% sai ferido e somente 4% sai ileso. 

© Claudio Olivares Medina
© Claudio Olivares Medina

Por último, quando o limite de velocidade é ainda mais baixo, 30 km/h, as probabilidades de que alguém morra diminuem consideravelmente a 5%, 65% sai ferido e 30% dos pedestres sai ileso. 

A este ponto, o ITDP agrega outro fator relevante no momento de regular os limites de velocidade: o campo de visão. Este varia segundo a velocidade de circulação de um automóvel, ou seja, quanto maior a velocidade, menor é o campo de visão dos condutores e sua capacidade de reação é ainda menor. 

Campo de visão. Imagem © ITDP
Campo de visão. Imagem © ITDP

Também influencia no campo de visão, a dimensão de uma via. Sobre isso, o ITDP afirma a comprovação de que nas ruas mais largas que 3,5m, a segurança é menor porque os veículos podem circular mais rápido e os pedestres dificilmente são avistados. Por esta razão, recomenda que as vias tenham largura de até 2,5m e que o espaço restante seja pedonal. 

Além disso, recomenda que a instalação de Redutores de Velocidade no mesmo nível da calçada com uma extensão e inclinação que depende dos limites de circulação da velocidade permitida em uma rua, tal como se detalha na imagem abaixo. 

Redutores de Velocidade. Imagem © ITDP
Redutores de Velocidade. Imagem © ITDP

Acessibilidade e desenho urbano

© ITDP
© ITDP

Quanto ao desenho das calçadas, o ITDP recomenda que os cruzamentos devem manter a rota dos pedestres, o que também favorece o deslocamento de quem utiliza cadeira de rodas. Além do mais, esta opção obriga aos condutores a deter-se antes do cruzamento e confere maior visibilidade aos pedestres. 

Isto pode ser complementado com o fato de que as calçadas devem destinar um espaço idealmente equivalente a um metro e meio de largura para que o resto do espaço seja destinado a áreas de vegetação e mobiliários urbanos, com o objetivo de criar áreas de descanso acolhedoras. 

Cruzamento pedonal no nível da calçada. Imagem © bilobicles bag, vía Flickr
Cruzamento pedonal no nível da calçada. Imagem © bilobicles bag, vía Flickr

Sobre este autor
Constanza Martínez Gaete
Autor
Cita: Gaete, Constanza Martínez. "Por que as passarelas peatonais não favorecem os pedestres?" [¿Por qué las pasarelas peatonales no favorecen a los peatones?] 22 Jan 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/780557/por-que-as-passarelas-pedonais-nao-favorecem-os-pedestres> ISSN 0719-8906
Ler comentários