O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Artigos
  3. Olhares sobre a Casa do Baile

Olhares sobre a Casa do Baile

Olhares sobre a Casa do Baile
Olhares sobre a Casa do Baile, Intervenção Deriva, em primeiro plano. Image © Gabriel Castro
Intervenção Deriva, em primeiro plano. Image © Gabriel Castro

Olhando para a Casa do Baile não é de todo fundamental referir o nome do autor, pois ele por si próprio emana o seu jeito de fazer arquitetura. A curva é algo que lhe é natural, mas é na forma como se integra e funde com a paisagem que afirmamos determinantemente a identidade do autor.

Implantada numa ilha artificial junto à também artificial lagoa da Pampulha em Belo horizonte (criada para o efeito) a casa foi ligada à avenida Otacílio Negrão de Lima por uma ponte de concreto de cerca de 11 metros. De facto, o concreto é um material muito presente não só neste projecto mas em todo o conjunto de Pampulha.

«Material que exige critério e cuidados em sua adoção, seu estudo e sua execução, o concreto não permite modificações e correções na forma final e aspecto visual de sua superfície. Ser indestrutível e irreparável: perante esta característica, deveremos refletir sobre sua concepção, sua destinação e sua sobrevivência ao longo do tempo e sua conseqüente repercussão na história. (…)Além de ser matéria durável, de sua superfície se manter sempre viva e expressiva, a carga simbólica retirada das obras em concreto parece permitir à obra atravessar o tempo com mensagem sempre atual.» — Álvaro Magalhães Drummond

A origem deste projecto tem nele associada uma tendencia social de grande impacto por todo o mundo entre os anos de 1900 e 1945 denominada ‘Belle Époque’ ou ‘Años Dorados’. Esta tendencia é intimamente relacionada com uma cultura boêmia assente em padrões de ostentação e luxo. Oriunda da Europa, é marcada por construções com padrões fora do comum e jogos entre materiais pouco convencionais. No Brasil o impacto foi mais tardio devido à falta de instalações que albergassem atividades tão especificas como dança, jogo, casinos, entre outros.

Talvez seguindo os detalhes sublimes e requintados da época o projecto se afirme ele mesmo através de detalhes. A entrada é ligada por uma ‘passarela’ que nos leva a percorrer os jardins em plena comunicação com os elementos naturais predominantes: a água e a terra. Tomando um caminho sinuoso, grande parte deste percurso é acompanhado pelos azulejos monocromáticos de Paulo Werneck.

Azulejos da Casa do Baile. Image © Mariana Lucchino
Azulejos da Casa do Baile. Image © Mariana Lucchino

No momento de concepção da obra, Niemeyer apontava a particularidade do edificio constituir a intersecção de dois círculos que compõem o corpo principal, mas é nesta intersecção momento de entrada para o espaço interior que somos brindados com um jogo de vários materiais. Por um lado o vidro que marca a marquise e por outro os azulejos que nos acompanham desde a entrada na ilha e ao longo dos jardins Burle Max.

© Cristiano Maia
© Cristiano Maia
© Cristiano Maia
© Cristiano Maia

A casa esteve aberta como salão de dança e restaurante por três anos, mas como consequência da proibição de jogos no Cassino entre 1946 e 2002 permaneceu suspensa de actividade. No entanto pelo engenho e interesse que despertava seguindo o traço de Niemeyer, em 2002 o projeto sofre algumas alterações pela mão dos arquitetos Mariza Machado Coelho e Alvaro Hardy.

As alterações são ténues e focam-se numa optimização do edificio nomeadamente nos sistemas de climatização e iluminação. Estas actualizações permitem então a reabertura na função actual de Centro de Referência de Arquitetura e Urbanismo. No antigo salão de baile é construido um auditório com capacidade para cinquenta e três pessoas.

Croqui das alterações. Auditório. Image via Winniey Régio Blog
Croqui das alterações. Auditório. Image via Winniey Régio Blog

Este foi o revitalizar de um edificio que passados cerca de sessenta anos se manteve actual e ponto de interesse para as mais variadas áreas de estudo. Na sequência da revitalização de 2002 surge em 2011 o projecto coarquitectura. O arquiteto Fernando Maculan à data ministrando a disciplina de Projecto no curso de Arquitetura e Urbanismo da UFMG lança o desafio de através de instalações temporárias produzir outro olhar sobre o projecto de Niemeyer.

O ensaio culmina em duas principais instalações, DERIVA e SOMA, dois olhares distintos sobre a mesma obra, mas que afirmam a complexidade patente no projecto original.

DERIVA, através de um jogo topográfico de cores, faz o observador percorrer o projecto de um outro modo possibilitando diferentes olhares e perspectivas do edificio. O peculiar da instalação é que esta foi acomodada num espaço de estar/paragem integrado nos jardins; somos por isso levados a olhar a paisagem pelo exterior através do projecto.

Intervenção Deriva, em primeiro plano. Image © Gabriel Castro
Intervenção Deriva, em primeiro plano. Image © Gabriel Castro

A intenção dos autores fixou-se na busca de uma nova realidade face à horizontalidade da arquitetura do autor assim como ‘uma extensão imagética’ –uma expressão dos próprios autores– dos jardins de Burle Marx.

Esta instalação leva-nos à imagem de que a calçada existente é elevada a várias cotas. Esta elevação é evidenciada pelo contraste entre as quatro cores que compõe a instalação –Vermelho, Amarelo, Verde e Roxo–. Através de uma estrutura delgada construída com recurso a um material metálico os módulos são manipulados individualmente criando uma peculiar relação cromática e topográfica no conjunto.

SOMA, de modo mais silencioso, apropia-se directamente do edificio duplicando as formas em pontos peculiares do projecto. Esta apropiação é feita com um tom preto, cor que até à data estava apenas presente nos azulejos. Deste modo, o contraste e impacto desta intervenção parece evidenciar ainda mais estes detalhes de grande importância no projeto.

Instalação Soma. Image © Gabriel Castro
Instalação Soma. Image © Gabriel Castro

Segundo os autores, a instalação pretende evidenciar um conflito entre o uso e a preservação do património cultural, alertando-nos para o valor infindo da obra e a necessidade de combater a sua degradação.

«A partir de uma leitura e interpretação do material histórico, os traços da intervenção se sobressaíram, compondo com o original e dando unidade ao complexo arquitetônico.» –Fernando Maculan (por e-mail).

Instalação Soma, vista de cima da marquise. Image © Gabriel Castro
Instalação Soma, vista de cima da marquise. Image © Gabriel Castro

A intervenção desenvolve-se desde o momento da entrada, acompanhando a sinuosa passarela que atravessa os jardins de Burle Max e culminando na marquise. Neste estágio final um novo jogo de luz marcado também pela inserção de uma câmara escura é acrescentado ao espaço interior.

Actualmente não está patente na Casa do Baile vestigios físicos da intervenção coarquitectura. Podemos no entanto entender que à semelhança de outras passagens, este constitui um importante olhar reflexivo que integra a história da obra.

Na presente função a Casa do Baile alberga exposições, mostras, seminários, encontros e outros eventos relacionados com as áreas de arquitetura, urbanismo e design. Até Abril de 2016 é possível visitar a exposição "Paisagens Arquitetônicas Contemporâneas: Normas Ortogonais e Sistemas Curvos".

* Artigo escrito em Português de Portugal.

Márcia Nobre é arquiteta formada pela Escola de Arquitetura da Universidade do Minho, tendo no último ano de mestrado ingressado pelo programa Erasmus + na Hafencity Universität Hamburg. Apaixonada por viagens e pela descoberta de outras culturas, acredita que a maior fonte de conhecimento provém do diálogo e troca aberta de ideais entre pessoas.

Agradecimentos
Fernando Maculan, Arquiteto e Idealizador do projeto Coarquitetura
Carlos Alberto Maciel, Arquiteto e Urbanista em Arquitetos Associados

Referências
Luís Carlos Zubaran, Luíz Amaurety Silva da Silveira, Luíz António Catalesto de Souza, Entrevistas com o Arquiteto Oscar Niemeyer, Editora ULBRA, 1ª Ed., 2002.
Dario Dias Luiz Paixão, 1900-1945 A verdadeira Belle Époque do turismo brasileiro: o luxo e os espetáculos dos hotéis-cassinos imperam na era getulista, Observatório de Turismo do Paraná. Disponível online.
Dobra Oficina de Arquitetura, Coarquitetura, 2011. Disponível online.
Álvaro Magalhães Drummond, A Passagem do Tempo: A Perenidade da Arquitetura do Concreto, Grupo de Estudos “Arquitetura, Humanismo e República”, Escola de Arquitetura, UFMG. Disponível online.

Este artigo foi elaborado por um de nossos leitores e selecionado por nossa equipe editorial.
Quer colaborar conosco? Escreva para colabore@archdaily.com.

Sobre este autor
Cita: Márcia Nobre. "Olhares sobre a Casa do Baile" 10 Dez 2015. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/778481/olhares-sobre-a-casa-do-baile> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.