O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Entrevistas
  3. Freddy Mamani: "Não é arquitetura exótica, mas uma arquitetura andina que transmite identidade"

Freddy Mamani: "Não é arquitetura exótica, mas uma arquitetura andina que transmite identidade"

Freddy Mamani: "Não é arquitetura exótica, mas uma arquitetura andina que transmite identidade"

Freddy Mamani, arquiteto boliviano, focou sua carreira na construção. Quando criança, passava suas férias brincando com os montes de brita. cimento e areia com os quais trabalhava seu pai. De pedreiro, interessou-se em dar um passo além e acabou estudando engenharia, construção e, recentemente, arquitetura. Aos 42 anos, já ergueu mais de 60 obras em El Alto, local onde mora e é reconhecido por aquilo que denomina "arquitetura andina", uma incipiente definição marcada pela presença de cores vibrantes e elementos geométricos tomados emprestados da cultura Tiahuanaco, antecedente do Império Inca.

Na ocasião do Mês do Desenho, organizado pelo Consejo Nacional de la Cultura y las Artes, conversamos com Freddy Mamani, que nesta entrevista explica as principais referências na construção dessa linguagem local e argumenta contra as críticas do establishment boliviano, incluindo universidade e grêmios.

Freddy Mamani: Não é arquitetura exótica, mas uma arquitetura andina que transmite identidade Freddy Mamani: Não é arquitetura exótica, mas uma arquitetura andina que transmite identidade Freddy Mamani: Não é arquitetura exótica, mas uma arquitetura andina que transmite identidade Freddy Mamani: Não é arquitetura exótica, mas uma arquitetura andina que transmite identidade + 5

"Minha arquitetura transmite identidade, recupera a essência da cultura tihuanacota através da iconografia andina de Tihuanaco e também mescla as cores dos tecidos que existem na parte andina e amazônica da Bolívia", defende Mamani. 

No entanto, seu êxito perde força se não ponderamos sua obra no contexto sócio-político boliviano dos últimos 15 anos - pontuado por marcos como a ascensão de Evo Morales em 2005  e um progressivo reconhecimento dos povos indígenas, que representavam 62% do país em 2006 mas eram sub-representadas nas esferas polícia e econômica da Bolívia. 

No mesmo período, surgiu e se consolidou em El Alto uma nova burguesia aimara que enriqueceu em sua ascensão do campo para a periferia de La Paz e que encontrou em Freddy Mamani a peça perfeita para mesclar uma arquitetura de identidade com seus investimentos imobiliários em El Alto.

Agradecimentos a La Nueva Gráfica Chilena, Sebastián Guajardo (Consejo Nacional de la Cultura y las Artes) e Bar Sindicato.

Freddy Mamani y el surgimiento de una nueva arquitectura andina en Bolivia

Sobre este autor
Cita: Valencia, Nicolás. "Freddy Mamani: "Não é arquitetura exótica, mas uma arquitetura andina que transmite identidade"" [Freddy Mamani: 'No es arquitectura exótica, sino una arquitectura andina que transmite identidad'] 05 Nov 2015. ArchDaily Brasil. (Trad. Baratto, Romullo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/776467/freddy-mamani-nao-e-arquitetura-exotica-mas-uma-arquitetura-andina-que-transmite-identidade> ISSN 0719-8906
Ler comentários

Mais entrevistas em nosso Canal de YouTube

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.