O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. USINA 25 anos - Mutirão 26 de Julho

USINA 25 anos - Mutirão 26 de Julho

USINA 25 anos - Mutirão 26 de Julho
USINA 25 anos - Mutirão 26 de Julho , Vista do Mutirão 26 de Julho . Image © USINA CTAH
Vista do Mutirão 26 de Julho . Image © USINA CTAH

Este texto, escrito por Ícaro Vilaça e Paula Constante, integra uma série de artigos a respeito das principais experiências desenvolvidas pela assessoria técnica USINA CTAH, que completa 25 anos no dia 06 de junho de 2015. Publicaremos até a data dois artigos semanais que contarão, a partir da perspectiva de alguns projetos selecionados, a história do grupo.

Desde o início dos anos 80, os profissionais que fundaram a USINA participaram – vinculados a outras instituições, a laboratórios acadêmicos ou de forma isolada – de trabalhos junto a movimentos sociais de luta por moradia.

A partir da iniciativa de alunos e professores interessados em trabalhar com esses movimentos sociais, é criado, em 1982 – no Curso de Arquitetura e Urbanismo da Faculdade de Belas Artes de São Paulo –, o Laboratório de Habitação. Foi ali onde parte dos profissionais que fundaram a USINA puderam experimentar uma nova abordagem do problema da moradia, estabelecendo novos parâmetros para pensar e produzir o habitat popular.

Construção da sede da Associação Comunitária 26 de Julho. Image © USINA CTAH
Construção da sede da Associação Comunitária 26 de Julho. Image © USINA CTAH

O fechamento do Laboratório, no início de 1986 – em virtude de uma grande crise no Curso de Arquitetura e Urbanismo da Escola de Belas Artes, que culminou com demissão de 92 professores –,  fez com que seus antigos integrantes buscassem alternativas para dar continuidade ao trabalho ali inaugurado. Entre outras iniciativas, foram fundados Laboratórios de Habitação na Faculdade de Arquitetura de Santos, na Pontifícia Universidade Católica de Campinas e na Universidade Estadual de Campinas – por meio do Núcleo de Desenvolvimento da Criatividade (Nudecri). Foi este último que acabou recebendo grande parte da herança do Laboratório de Habitação da Faculdade de Belas Artes, retomando alguns trabalhos ali iniciados.

Um dos objetivos centrais do Nudecri era dar continuidade ao desenvolvimento de um sistema construtivo baseado num conjunto de componentes pré-fabricados, utilizando blocos cerâmicos e técnicas simples de montagem. Tratava-se de pensar uma tecnologia de construção específica para a produção de habitação por mutirão – termo herdado do vocabulário indígena para designar a cooperação no plantio e colheita dos roçados.

Tipologia 01. Image © USINA CTAH
Tipologia 01. Image © USINA CTAH

Este sistema também previa mecanismos simples e claros de administração de obras, com planilhas de quantificação, orçamentos e especificações abertas e sem as misteriosas composições de custos frequentemente propostas pelo poder público e pelas empreiteiras em obras convencionais, assegurando a possibilidade de controle do canteiro pelos próprios mutirantes. Tratava-se, portanto, de estabelecer as condições para que os trabalhadores pudessem produzir seu próprio território a partir de processos autogestionários.

Alguns dos fundadores da futura USINA trabalharam no Nudecri até 1989. A partir daí, avaliaram a possibilidade de constituir uma estrutura própria independente da Universidade, que garantisse sua autonomia e ao mesmo tempo permitisse continuar tratando do problema da moradia junto aos movimentos sociais.

Tipologia 02. Image © USINA CTAH
Tipologia 02. Image © USINA CTAH

Já no final de 1989, o grupo que daria origem à USINA começou a prestar serviços de assessoria técnica para a Associação Comunitária Terra é Nossa no município de Osasco (SP). Elaboraram os projetos de arquitetura e urbanismo para a implantação de um conjunto de moradias para 520 famílias que pretendiam construir suas novas casas por mutirão, numa área vizinha que vinha sendo negociada com o poder público.

Este projeto, integralmente custeado pelos moradores e com eles desenvolvido, permitiu que USINA estruturasse uma metodologia de trabalho própria, consolidando uma postura profissional autônoma e, ao mesmo tempo, comprometida com as lutas dos movimentos sociais. Como consequência, em junho de 1990 foi fundada a USINA, sob a forma de uma sociedade civil sem fins lucrativos.

Mestre-de-obras do Mutirão 26 de Julho posa para foto dentro da betoneira: um pedido especial para a chuva não apertar . Image © USINA CTAH
Mestre-de-obras do Mutirão 26 de Julho posa para foto dentro da betoneira: um pedido especial para a chuva não apertar . Image © USINA CTAH

Em novembro do mesmo ano, a USINA foi convidada pela Associação Comunitária 26 de Julho – vinculada ao Movimento Sem Terra Leste 1 – para adequar um projeto de urbanismo pré-existente e desenvolver um projeto de arquitetura de duas tipologias de sobrados visando a construção de 561 unidades habitacionais – por meio de mutirão e autogestão –, além de instalações comunitárias e uma área coberta para reuniões e outras atividades.

Implantação. Image © USINA CTAH
Implantação. Image © USINA CTAH

Realizado com recursos da Prefeitura Municipal de São Paulo (através do Programa Funaps-Comunitário), o Mutirão 26 de Julho foi a primeira grande obra da USINA. O conjunto foi construído na antiga Fazenda da Juta, situada no bairro de São Mateus, na Zona Leste de São Paulo – local que acabou se tornando uma espécie de laboratório para experiências de habitação de interesse social.

Renque. Image © USINA CTAH
Renque. Image © USINA CTAH

A Associação Comunitária 26 de Julho conseguiu implementar um conselho gestor e estocar materiais que garantiram a continuação da obra por mais de um ano, mesmo após a desestruturação, pela administração Paulo Maluf (1993-1996), do Programa de Mutirões implementado pela prefeita Luiza Erundina (1989-1992). Mesmo assim, entre 1993 e 1997 a obra ficou praticamente parada, tendo sido finalizada apenas no ano 2000, dez anos após o início do processo.

Luiza Erundina durante Assembleia na Sede da Associação. Image © USINA CTAH
Luiza Erundina durante Assembleia na Sede da Associação. Image © USINA CTAH

FICHA TÉCNICA DO PROJETO    

Local:

Linha do tempo:

  • Novembro de 1990 a Setembro de 1991 – Negociação/ Projeto
  • Setembro de 1991 a 2000 – Construção (Interrupção entre 1993 e 1997)

Agente organizador:

  • Associações de Construção por Mutirão 26 de Julho I, II e III, filiadas o Movimento Sem Terra Leste 1, por sua vez vinculado à União dos Movimentos de Moradia (UMM).  

Agente financiador:

  • Terra: Governo do Estado de São Paulo – CDHU
  • Projeto e Construção: Prefeitura Municipal de São Paulo, através do Programa Funaps-Comunitário

Atividades desenvolvidas pela usina:

  • Assessoria na discussão e elaboração dos projetos
  • Apoio no encaminhamento dos processos de financiamento junto à Prefeitura e ao Governo do Estado
  • Organização das atividades de canteiro e gestão da obra
  • Acompanhamento e fiscalização da obra de construção em mutirão e por autogestão
  • Assessoria para a constituição de um conselho gestor  

Eescopo do projeto:

  • Adequação de projetos de urbanismo e elaboração de projeto de arquitetura para 561 unidades habitacionais com duas tipologias de sobrados
  • Projeto de instalações comunitárias e área coberta para reuniões e outras atividades  

Equipe:

  • Arquitetura e Urbanismo: João Marcos de A. Lopes, Mario Luís Braga, Suzy Okamoto, Vladimir Benincasa, Wagner Germano
  • Obra: João Marcos de A. Lopes, Marcelo Barata, Vladimir Benincasa, Vladimir Gargano
  • Fundações e Estrutura: Yopanan Rabello
  • Trabalho Social: Jo-Elke Offringa (arquiteta), Maria José de Oliveira (assistente social), Priscila Bocchi (socióloga) e Sandra Sawaia (psicóloga social)
  • Apoio Jurídico: Evangelina Pinho

Principais interlocutores:

  • Lideranças: Paulo Conforto, Rita, Verônica Kroll, Adalberto, Valdeci, Osmar, Etiene, Risoleide, Isabel, Marília, Severino
  • Mestre-de-obras: Antônio

Tipo de canteiro:

  • Mutirão autogerido com mão-de-obra assalariada complementar

Técnica construtiva:

  • Alvenaria autoportante em blocos cerâmicos sobre radiês de concreto

Famílias: 561

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Romullo Baratto
Autor
Cita: Romullo Baratto. "USINA 25 anos - Mutirão 26 de Julho " 14 Mai 2015. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/766951/usina-25-anos> ISSN 0719-8906
Ler comentários