O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. classicos
  4. Outro
  5. 1948
  6. Clássicos da Arquitetura: Casa Luis Barragán / Luis Barragán

Clássicos da Arquitetura: Casa Luis Barragán / Luis Barragán

Clássicos da Arquitetura: Casa Luis Barragán / Luis Barragán
Clássicos da Arquitetura: Casa Luis Barragán / Luis Barragán, © flickr LrBln
© flickr LrBln

A casa está localizada na rua General Francisco Ramírez, na Cidade do México. A escolha dessa pequena rua, no antigo bairro de Tacubaya, é por si mesma uma das primeiras declarações do manifesto dessa obra. Fala-se de um bairro popular, que apesar das pressões do desenvolvimento urbano, hoje luta para conservar algo de seu caráter singular.

© Cortesia Casa Luis Barragán

O bairro estava constituído por habitações modestas de pequena escala e pela tipologia tradicional da habitação popular coletiva na Cidade do México: a vizinhança. Complementam esse contexto a proximidade das oficinas de trabalho, das lojas, das distribuidoras de materiais de construção e das pensões.

Planta térreo
Planta nível 2
Planta nível 3

A portaria distingue-se por entregar uma sensação de limite entre a casa e a rua. Este pequeno acesso tem uma luz tingida por um vidro amarelo, como forma de reinterpretar um espaço tradicional. A portaria funciona como um lugar de espera e, ao mesmo tempo, como um espaço onde os significados são preparados. Estes são colocados em um estado de expectativa pela ação direta de um palheta de materiais precisa, escassa em variantes, mas generosa: madeira, pedra e muros caiados.

© Cortesia Casa Luis Barragán

Por outro lado, o hall, uma segunda porta, separa a entrada da luz intensa do hall, que é elaborada por um mecanismo de reflexos. Desde o plano amarelo do exterior, a luz incide sobre uma superfície dourada e, depois, é refletida sobre as paredes pintadas de rosa. A experiência cromática também pode ser lida como um sequencia complementária. Dessa maneira, o amarelo da portaria satura a pupila para receber a cor rosa que é, por sua vez, preparação e catálise, se abrimos mais uma porta e olhamos pela janela da sala de jantar, que tem o fundo de um verde intenso e o sombreado do jardim.

© flickr LrBln

Subindo por uma rampa, por trás da parede, chega-se a um segundo espaço sobre o hall, onde se encontra um closet separado visualmente por paredes que não alcançam o teto. É um espaço fluído e moderno.

Cortes

A transição até a sala-biblioteca é conseguida com recursos que serão constantes ao longo do percurso. Um acento de escala, como forma de contração, sua sombra resultante e o movimento, nunca frontal nem direto, mas sim virado a uma diretriz quebrada que é concluída com uma nova dilatação do espaço, o ar e a luz. A fachada oeste da casa distingue-se da impenetrável fachada para a rua, não só por sua proporção de vãos, mas também em sua concepção como um mecanismo de dialogo da casa com seu jantar.

© flickr LrBln

Este é o caso da grande janela na sala de estar. Através dessa fachada, a natureza tem uma constante relação com o que acontece no exterior. Frente ao jardim, está a sala. E, outra vez os materiais industriais estão ausentes no design dos objetos cotidianos. Só temos madeira maciça, couro, fibras vegetais e lãs.

© Cortesia Casa Luis Barragán

Este espaço de pé-direito duplo, a Biblioteca, é dividido em recintos conformados mediante a introdução de várias paredes a meia altura. Entre esses dois planos brancos, conforma-se um lugar de trabalho para a biblioteca, que abriga uma mesa de madeira grossa. Este recando de paredes baixas aparece tangencialmente a um percurso que começa a ser traçado, agora em espiral, até encontrar-se de frente com a célebre escada. Aqui, foi proposta uma síntese mínima da escada que nasce do mesmo material da porta a que se dirige, em um gesto plástico único.

© Cortesia Casa Luis Barragán

Em outra parte, está a sala de jantar e de café-da-manhã, que desprende a vegetação do solo para adicionar mais cor à composição. Na sala de café-da-manhã, a janela eleva-se mais uma vez, e já não tem uma posição frontal generosa. O jardim apresenta-se, então, como uma fuga superior da perspectiva, no lugar mais íntimo da casa, onde existe a necessidade de resguardar a vista entre as paredes. Na cozinha, ampla e bem iluminada, o jardim aparece somente ao se abri a porta. Os vidros translúcidos denotam aqui uma hierarquia de aberturas bem distinta das descritas anteriormente.

© flickr LrBln
© flickr LrBln

No segundo andar, a vista do jardim está reservada para o dormitório do arquiteto e para o quarto da tarde. Estes espaços são acessados por uma nova válvula espacial, agora amarela, que concentra a luz da manhã proveniente do hall até leva-la ao interior dos quartos.

© Cortesia Casa Luis Barragán

Finalmente, o terraço é uma composição abstrata de parâmetros desnudos que funcionaram como laboratório cromático, e cuja função arquitetônica é evocadora e insólita. No terraço é onde acontece o desenlace da complexa construção espacial e poética da casa.

© Cortesia Casa Luis Barragán

A partir de um simples gradil de madeira, que permite a vista ao jardim, os muros foram elevados até a completa introspecção. Por outro lado, as múltiplas variações cromáticas registradas deixam pistas da exploração feita por Barragán sobre a interação da cor com os espaços construídos. A busca das origens, das quais o terraço desenvolveu-se, torna-se múltipla: podem ser encontradas na tradição muçulmana de habitar os tetos, ou esses lugares abertos, e até no conceito anunciado por Le Corbusier da quinta fachada moderna.

Ficha técnica:

  • Arquitetos:Luis Barragán
  • Ano: 1948
  • Endereço: Rua General Francisco Ramírez 12-14, Colonia Ampliación Daniel Garza Cidade do México México
  • Tipo de projeto: Residencial
  • Status:Construído
  • Estrutura: Concreto
  • Localização: Rua General Francisco Ramírez 12-14, Colonia Ampliación Daniel Garza, Cidade do México, México
  • Implantação no terreno: Adossado às 2 divisas

Sobre este escritório
Luis Barragán
Escritório
Cita: Marina de Holanda. "Clássicos da Arquitetura: Casa Luis Barragán / Luis Barragán" 23 Jun 2012. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/55615/classicos-da-arquitetura-casa-luis-barragan-luis-barragan> ISSN 0719-8906