O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. A nova Manhattan no Deserto da Arábia

A nova Manhattan no Deserto da Arábia

A nova Manhattan no Deserto da Arábia
A nova Manhattan no Deserto da Arábia, Via Casa Vogue
Via Casa Vogue

Argila, Água, Barro e Areia são os quatro ingredientes que foram utilizados para construir os primeiros arranha-céus do mundo. A primeira cidade de arranha-céus e chamada assim desde o século XVI: Shibam (Yemen) é um dos exemplos mais antigos e um dos melhores planejamentos urbanos baseado no princípio da construção vertical. Hoje sobe novamente esta antiguidade a 30 metros de altura, para criar a cidade de grandes estruturas que foi apelidada de “Manhattan do Deserto”.

Via Casa Vogue

Às vezes chamada de “Chicago do Deserto”, a antiga cidade de Shibam se apresenta aos historiadores e urbanistas, como um dos exemplos mais antigos e perfeitos de um planejamento rigoroso baseado no princípio da construção vertical.

Via Casa Vogue

No total, são cerca de 500 torres rodeadas por uma muralha que faz a divisão entre o que é deserto e o que é cidade. Cada edifício é uma residência onde uma família desfrutava de cinco plantas. O primeiro andar ou o piso térreo era utilizado para delinear claramente o bloco de uma esquina para a outra. No segundo andar, estava a sala de estar ou o divã, que segundo a cultura muçulmana é um espaço essencialmente do sexo masculino. No terceiro andar estava a sala de reunião familiar, um lugar de encontro misto. No quarto, estava a cozinha: um espaço feminino. E por último, no quinto ou na cobertura, havia o espaço de encontro, pois eram recebidas as visitas mais próximas.
A cidade árabe é um dos primeiros exemplos de verticalização e planejamento urbano, e a UNESCO (organização da ONU), reconheceu e declarou à Shibam o privilégio de ser a “Cidade Patrimônio da Humanidade” em 1982.

Via Casa Vogue

Monstruosas na época, as estruturas foram construídas para a defesa da população dos ataques das tribos nômades, em especial dos Beduínos. Os altos edifícios serviam como torres de observação – os homens avisavam a chegada dos inimigos e alertavam ao povo para o contra-ataque.

Via Casa Vogue

Em Shibam havia algumas mesquitas, dois antigos palácios do sultão, uma porta dupla monumental, e mais de 500 edifícios, separados ou agrupados, mas que compunham um todo uniforme por causa do material de construção: argila não cozida.

Via Casa Vogue

 

Fonte: Casa Vogue

Sobre este autor
Victor Delaqua
Autor
Cita: Victor Delaqua. "A nova Manhattan no Deserto da Arábia" 26 Mai 2012. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/50484/a-nova-manhattan-no-deserto-da-arabia> ISSN 0719-8906