O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. classicos
  4. Outro
  5. 1963
  6. Clássicos da Arquitetura: Casa de Chá Boa Nova / Álvaro Siza

Clássicos da Arquitetura: Casa de Chá Boa Nova / Álvaro Siza

Clássicos da Arquitetura: Casa de Chá Boa Nova / Álvaro Siza
Clássicos da Arquitetura: Casa de Chá Boa Nova / Álvaro Siza, © JR10
© JR10

A Casa de Chá Boa Nova foi projetada em decorrência de um concurso organizado pela câmara municipal e vencido pelo arquiteto Fernando Távora. Após a escolha do terreno nos penhascos da costa de Matosinhos, Távora entregou o projeto ao seu colaborador, Álvaro Siza.

© Fernando C. Bastos

Um dos primeiros projetos construídos de Siza, é significativo que o restaurante não está longe da cidade de Matosinhos onde o arquiteto cresceu, e está localizado numa paisagem com a qual ele era intimamente familiar. Ainda era possível em Portugal dos anos 1960 fazer arquitetura trabalhando em contato direto com o sítio, e essa obra, assim como as Piscinas de Leça de 1966, é sobre “construir a paisagem” dessa zona costeira do Atlântico -através de uma cuidadosa análise do clima e das marés, da vegetação existente e das formações rochosas, e da relação com a avenida e a cidade por detrás.

© maurizio.mwg

Afastado da avenida central em torno de 300 metros, o edifício é acessado a partir de um estacionamento através de um sistema de plataformas e escadas, eventualmente levando a uma entrada protegida por um telhado bastante baixo e massivas pedras características da área. Esse passeio arquitetural, um caminho sinuoso coberto de pedras brancas e alinhado por paredes de concreto pintado, apresenta um série de dramáticas perspectivas da paisagem à medida em que ele alternadamente esconde e revela o mar e a linha do horizonte.

© guttae

O salão oeste do restaurante está situado logo acima das rochas, e conectado por um átrio e escada de pé-direito duplo, com a entrada estando no nível mais alto. A cozinha, depósito e áreas de funcionários está semi-enterradas nos fundos do edifício, marcadas somente por uma estreita janela e uma chaminé.

© LeonL

Formando um borboleta em planta, os dois espaços principais se abrem gentilmente à enseada, suas paredes externas seguem a topografia natural do sítio. O salão de chá tem amplas janelas sobre uma base concreto aparente, enquanto o salão de jantar é totalmente envidraçada, levando a um platô externo. Em ambos salões, as esquadrias são abertas deslizando-se para baixo do piso, deixando os generosos beirais em continuidade com o teto. Isso cria um incrível efeito no verão, quando é possível caminhar desde o salão de jantar diretamente ao mar, fazendo com que o edifício pareça desaparecer.

© LeonL

Como em outros trabalhos anteriores do arquiteto, a diversidade de materiais é posta em jogo: paredes de alvenaria pintadas de branco, pilares de concreto aparente na fachada oeste, e um abundante uso da madeira “Afizelia” Africana vermelha como revestimento das paredes, tetos, molduras e mobiliário. Externamente, o revestimento dos beirais é feito de longas pranchas de madeira rematadas com lâminas de cobre. O telhado é uma laje de concreto coberto com telhas romanas vermelhas e internamente por um forro suspenso de madeira.

© cmk

Alguns anos atrás, durante uma forte tormenta, o mar chegou a destruir ambos salões da Casa de Chá, levando o mobiliário e acabando com boa parte do interior. O Boa Nova foi totalmente restaurado em 1991, com todas suas características originais sendo preservadas.

Texto original em inglês: Álvaro Siza Vieira website / Tradução: Igor Fracalossi

Ficha técnica:

  • Arquitetos:Álvaro Siza
  • Ano: 1963
  • Endereço: Rua Sarmento Pimentel 360 Leça da Palmeira Portugal
  • Tipo de projeto: Comercial
  • Status:Construído
  • Materialidade: Madeira
  • Estrutura: Concreto
  • Localização: Rua Sarmento Pimentel 360, Leça da Palmeira, Portugal
  • Implantação no terreno: Isolado

Cita: Igor Fracalossi. "Clássicos da Arquitetura: Casa de Chá Boa Nova / Álvaro Siza" 18 Jan 2012. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/20953/classicos-da-arquitetura-casa-de-cha-boa-nova-alvaro-siza> ISSN 0719-8906