O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Um novo movimento para a nova cidade: a redistribuição do espaço dos carros

Um novo movimento para a nova cidade: a redistribuição do espaço dos carros

Um novo movimento para a nova cidade: a redistribuição do espaço dos carros
Um novo movimento para a nova cidade: a redistribuição do espaço dos carros, Cortesia de  jpctalbot
Cortesia de jpctalbot

As cidades precisam redefinir sua relação com o carro – dando lugar a uma direção que se adapte às cidades, e não cidades que se adaptam aos carros. Isto não significa proibir os carros de vez, mas lembrar às pessoas que quando dirigem nas cidades, elas e seus carros devem agir como convidados.

Pesquisas de Sustransand Social Data em 2004 estimaram que o carro é essencial para aproximadamente um terço dos trajetos, como os que envolvem cargas pesadas e volumosas. A comodidade e a flexibilidade que o carro proporciona significa que sempre estará presente de um jeito ou de outro.

Necessitamos, sem dúvida, começar a abordar algumas das ineficiências inerentes a um sistema de transporte dominado pelos carros. O carro ocupa muito espaço e, na maioria do tempo, sem estar em movimento. Também são caros, sem contar o combustível e impostos.

Se um carro é necessário para apenas um terço dos trajetos, por que as pessoas necessitam ou desejam um? Não seria melhor utilizar um automóvel compartilhado e ter acesso a uma variedade de veículos adequados ao tipo de trabalho a realizar? Claro que seria, e não é surpreendente que companhias de carros compartilhados sejam um mercado em crescimento.

Se o tempo do carro particular acabou, a era das bicicletas está apenas começando. As bicicletas, o exemplo mais claro de transporte individual, são eficientes no uso do espaço, genuinamente de emissão zero, saudáveis, sociáveis, acessíveis e divertidas.

Se as cidades estão compreendendo o potencial da bicicleta como forma de transporte massivo, então precisam tornar-se acolhedoras para os ciclistas de todas as idades e graus de habilidade. Criar condições para o ciclismo massivo implica reduzir a velocidade e o volume do tráfego em todas as ruas e construir ciclovias independentes onde as condições as tornem necessárias.

O espaço da rua nas cidades é uma mercadoria valiosa e altamente disputada, mas é necessário redistribuir o espaço a favor das bicicletas e do transporte público.

Os encargos por congestionamento veicular em Londres e outros lugares mostram-se muito eficazes na redução do volume do tráfego. A capacidade excedente do espaço das vias pode ser remanejada para criar condições melhores para pedestres e ciclistas e melhorar a qualidade do transporte público.

A redistribuição do espaço do automóvel poderá ajudar a restaurar a função original das ruas das cidades: lugares para pessoas e atividades, assim como do tráfego. As ruas são lugares complexos, onde as exigências de muitos usuários devem ser equilibradas. Em muitas ruas as condições estão atualmente favoráveis aos automóveis, dificultando a experiência urbana para outros usuários.

Todo tipo de ação temporária nas ruas, desde o maravilhoso Playing Out Project em Bristol até a muito imitada ciclovia de Bogotá, tem um papel muito importante de ajudar as pessoas a imaginar um futuro diferente, um no qual o equilíbrio exista, colocando as necessidades dos pedestres acima das dos motoristas.

O fechamento temporário de ruas para os carros pode tornar-se permanente. Todo verão, nos últimos dez anos, Paris fecha uma seção da rodovia às margens do Sena para ser usada como uma praia urbana, a Paris Plage. É previsto que 2,5 km dessa pista sejam convertidos permanentemente em um bulevar de pedetres.

Enquanto isso, Nova Iorque pleiteia ações mais rápidas. Pintura, plantas e muretas são utilizadas para demarcar novos espaços públicos e testar esquemas que de outro modo dificilmente sairiam do papel – às vezes é melhor pedir perdão que permissão.

Todas as ideias e iniciativas anteriores (e outras ainda) devem ser unidas em uma estratégia de transporte sustentável. Muitas vezes as políticas de transporte passam de projeto em projeto, a maioria grandes e caros projetos de infraestrutura, alheios a uma visão coerente de como um sistema de transporte urbano deveria servir uma cidade do futuro.

As cidades devem olhar para trás e para frente ao estabelecer essa visão. É fácil cair nos encantos de novas tecnologias ou cruzar os braços esperando por uma solução tecnológica mágica, como automóveis que se dirigem sozinhos, para resolver nossos problemas, mas muito do que se requer para estabelecer um sistema urbano de transporte sustentável e levar as cidades à independência do automóvel já existe há muito tempo.

Desde os anos 60 e 70 muitas cidades redefiniram sua relação quanto ao carro – particularmente os Países Baixos e outros países do norte da Europa. Assim, um “novo movimento” começou, mas dada a urgente necessidade de abordar os impactos sociais, econômicos e ambientais da dependência do carro, ele precisa ganhar impulso rapidamente. Copenhague há 50 anos se transforma, todavia, ainda tem caminho à frente e outras cidades que estão apenas no início do processo não devem se dar ao luxo de esperar.

As cidades devem se mover o mais rápido possível para alcançar uma meta final – uma cidade habitável servida por uma rede de transportes resiliente. Uma rede que ajude a responder aos desafios das mudanças climáticas e do aumento do preço do petróleo, e ao mesmo tempo melhore a qualidade de vida e reduza as desigualdades. Parafraseando o grande observador da vida urbana William H. Whyte, os sistemas de transporte urbano devem ajudar as cidades a reivindicar-se como bons lugares para viver.

Por Bruce McVean, gerente de Projeto Integrado em Beyond Green e fundador de Movement for Liveable London. Via Plataforma Urbana. Tradução Murilo Arruda, ArchDaily Brasil. 

Originalmente publicado em This Big City em espanhol.


Ver a galeria completa

Sobre este autor
Romullo Baratto
Autor
Cita: Romullo Baratto. "Um novo movimento para a nova cidade: a redistribuição do espaço dos carros" 28 Ago 2013. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/137447/um-novo-movimento-para-a-nova-cidade-a-redistribuicao-do-espaco-dos-carros> ISSN 0719-8906