1. ArchDaily
  2. Through The Lens

Through The Lens: O mais recente de arquitetura e notícia

Memoriais iugoslavos, pelas lentes de Jonathan Jimenez

Trinta anos após o desmembramento da Iugoslávia, traços do regime parecem cada vez mais escassos. Entre os monumentos ainda existentes, as condições são diversas: alguns permanecem intocados enquanto outros foram erodidos pelas intempéries e ações humanas. 

© Jonathan "Jonk" Jimenez© Jonathan "Jonk" Jimenez© Jonathan "Jonk" Jimenez© Jonathan "Jonk" Jimenez+ 27

Centro de Artes em Liangzhu de Tadao Ando, pelas lentes de Zheng Shi

A histórica vila de Liangzhu em Hangzhou, China, tem um novo centro cultural monumental projetado pelo arquiteto japonês Tadao Ando. Inaugurado em 2016, o edifício se uniu ao Museu Liangzhu, de David Chipperfield, inaugurado há uma década, como ponto cultural popular na aldeia.

© Zheng Shi© Zheng Shi© Zheng Shi© Zheng Shi+ 39

Dongdaemun Design Plaza de Zaha Hadid, pelas lentes de Andres Gallardo

Nas movimentadas ruas de Seul, a Dongdaemun Design Plaza de Zaha Hadid Architects tornou-se um marco por sua arquitetura incomum. Complexo e fluído, a Design Plaza incorpora a energia de um centro cultural em Dongdaemun, uma região que ganhou o apelido de "cidade que nunca dorme" graças ao mercado de moda vibrante nas madrugadas.

Investigando as curvas e geometrias do edifício, Andres Gallardo fotografou as composições fluidas da estrutura. Embora suas fotografias mostrem pouca presença humana, o próprio edifício expressa a atividade que ocorre durante o dia e a noite. Por baixo da cobertura-parque, a Dongdaemun Design Plaza inclui grandes espaços expositivos, um museu de design, lojas 24 horas e um centro de mídia, entre outras instalações que se cruzam por todos os pavimentos.

© Andres Gallardo© Andres Gallardo© Andres Gallardo© Andres Gallardo+ 26

Quando Hollywood projeta prisões

A arquitetura do confinamento é uma área fascinante. Os espaços utilitários espartanos das prisões estão entre os mais sofisticados e caros que existem. É incomum para os projetistas criar espaços para pessoas que os experienciarão contra suas vontades (bem, na maioria dos casos) e há um complicado equilíbrio entre criar lugares sensíveis e positivos para reabilitação e a expectativa do que deveria ser uma punição. Há diferentes abordagens em todo o mundo: os EUA assumem uma postura particular, a Noruega outra. Hollywood, é claro, tem sua própria interpretação, livre de trivialidades como a Convenção de Genebra.

A implicação social das coberturas verdes no cinema

O cinema frequentemente faz troça da arquitetura. Fachadas de vidro são despedaçadas por rajadas de metralhadora, crimes macabros acontecem contra uma paleta modernista branca, escadas desconstruídas são a causa de sérios acidentes ou palhaçadas ridículas, e temos certeza que uma cobertura têxtil será destroçada assim que 007 passar por ela. 

Há, no entanto, um elemento arquitetônico que tem se beneficiado de suas aparições no cinema, e, surpreendentemente, é um elemento "sustentável". Coberturas verdes e outros espaços verdes têm aparecido frequentemente em filmes comerciais na última década: sucessos de bilheteria como Para Sempre (2012) e Contra o Tempo (2011) utilizam em suas cenas os espaços verdes do Jay Pritzker Pavilion de Frank Gehry no Millenium Park; ano passado o Centro de Convenções de Vancouver apareceu em Godzilla e Robocop; e o documentário My Playground, de Kaspar Schroder, mostra as Mountain Dwellings do BIG em Copenhague. E não podemos nos esquecer de duas das maiores franquias da história do cinema: Senhor dos Anéis e O Hobbit, ambas de Peter Jackson, mostram coberturas verdes em sua representação de Hobbiton - lar dos virtuosos e incurruptíveis Hobbits.