1. ArchDaily
  2. Metaverso

Metaverso: O mais recente de arquitetura e notícia

A arquitetura dos ambientes virtuais: projetando para o metaverso

Galeria virtual Zaha Hadid Architects "NFTism. Imagem © JOURNEE
Galeria virtual Zaha Hadid Architects "NFTism. Imagem © JOURNEE

Nos últimos dois anos, o metaverso vem ganhando destaque, levando os arquitetos a considerar suas implicações para nossa relação com o ambiente físico e como a arquitetura pode contribuir para este novo espaço virtual. A arquitetura no metaverso não é mais um assunto marginal, tendo sido abraçada por escritórios consolidados. "O metaverso é onde grande parte da ação e inovação arquitetônica acontecerá no futuro", diz Patrick Schumacher. Sem restrições físicas, propriedades materiais e custos de construção, o metaverso desbloqueou um novo reino de expressão arquitetônica. A seguir, apresentamos algumas das várias maneiras pelas quais a profissão se envolve com o campo em expansão dos ambientes digitais.

Galeria virtual Zaha Hadid Architects "NFTism. Imagem © JOURNEECortesia de DecentralandLiberland Metaverse por Zaha Hadid Architects. Imagem © MytaverseSpaceForm. Imagem cortesia de UNStudio+ 5

Metaverso como oportunidade para arquitetos: uma entrevista com Patrik Schumacher

À medida que o mundo da arquitetura oscila na recente publicidade acerca do Metaverso e NFT, Zaha Hadid Architects está na vanguarda da inovação, mostrando-nos exatamente como usar a Web 3 e suas oportunidades socioeconômicas para os arquitetos em âmbito global.

O tema ganhou especial relevância no início deste ano, com cada vez mais plataformas publicando sobre o assunto. Toda essa recente propaganda nos obriga a avaliar nosso papel como arquitetos, se queremos ou não atender o mundo digital.

Renders, NFT e metaverso: qual é o futuro da visualização arquitetônica?

Das NFTs ao metaverso e as vantagens da renderização em tempo real, este é um momento oportuno para discutir as últimas tendências na área das visualizações arquitetônicas.

Nesse sentido, queremos abrir o debate e conhecer sua opinião sobre o tema. O que podemos aprender com outras indústrias relacionadas, como o cinema, os videogames e o design industrial? Como a arquitetura pode contribuir e avançar no mundo das visualizações?

Metaverso e sustentabilidade: como o mundo virtual pode nos ajudar a projetar melhor?

Com a recente publicidade acerca do metaverso, decidimos abordar esse assunto ainda muito desconhecido! À medida que mais e mais pessoas têm se preocupado em relação às mudanças climáticas, pode ser prejudicial para os arquitetos conscientes da sustentabilidade utilizar o metaverso. Com isso, decidi entrevistar Oliver Lowrie, diretor da Ackroyd Lowrie, um escritório de arquitetura premiado com sede em Londres dedicado à construir as cidades do futuro, que já está usando essa tecnologia para aprimorar os projetos de baixo consumo de energia da empresa.

Transformações geradas ao mesclar ambientes virtuais e realidade

Como descreve Antoine Picon em Architecture and the Virtual Towards a new Materiality?: "Um projeto arquitetônico é de fato um objeto virtual. É tanto mais virtual que antecipa não uma única construção, mas toda uma gama delas [...] Ao passo que o arquiteto costumava manipular formas estáticas, agora ele pode brincar com fluxos geométricos. As deformações topológicas de superfícies e volumes adquirem um tipo de evidência que os meios tradicionais de representação não permitiam.”

Metaverso: um terreno fértil para arquitetos?

Metaverso é o nome usado para denominar um ambiente virtual imersivo, coletivo e hiper-realista, onde as pessoas poderão conviver usando avatares customizados em 3D.

Ele foi cunhado pelo escritor Neal Stephenson em seu livro de ficção científica “Snow Crash”, publicado em 1992. A obra conta a história de “Hiro Protagonist”, personagem que na vida real é um entregador de pizza, mas no mundo virtual – chamado na história de metaverso – é um samurai.

Zaha Hadid Architects projeta cidade "ciber-urbana" no metaverso

Zaha Hadid Architects - ZHA revelou uma "micronação libertária" virtual no metaverso intitulada The Liberland Metaverse, onde os moradores podem comprar lotes vazios centrados em um núcleo urbano e acessá-los como avatares. A comunidade apresenta distritos hiper-realistas que incentivam o autogoverno e zonas onde a ausência de planejamento urbano "permite uma ordem espontânea por meio de um processo de descoberta livre".

© ZHA© Mytaverse© Mytaverse© Mytaverse+ 22

Como o metaverso será projetado?

Michael Beneville abriu seu estúdio no distrito de Flatiron, na cidade de Nova York, há uma década. O escritório reformado de dois andares tem pé-direito de 6 metros, móveis sob medida e uma parede de janelas em arco que miram a 19th Street. Beneville e sua equipe não têm estado no estúdio juntos de maneira regular há meses – pelo menos não fisicamente. Os funcionários do pequeno estúdio criativo, conhecido por seu trabalho de design em experiências imersivas como o megacomplexo de entretenimento AREA15, em Las Vegas, estão todos espalhados pelo país por conta da pandemia, mas se reúnem frequentemente em uma réplica virtual do estúdio para reuniões, sentando em torno de uma mesa digital, seus avatares segurando copos digitais de café.

Inside Space Popular’s Arena, a virtual lecture space for the 2020 Arquia Proxima Festival, an annual gathering of architects, critics, and architecture lovers. . Image Courtesy of SPACE POPULARRepublic Realm’s Ice Island is part of Fantasy Islands, a development on the platform The Sandbox where it sells virtual luxury villas as NFTs.. Image Courtesy of REPUBLIC REALMAn aerial view of developer Republic Realm’s Metajuku, a virtual mall in the Decentraland platform based on Tokyo’s vibrant Harajuku district.. Image Courtesy of REPUBLIC REALMUsers explore SpaceForm, a virtual, cloud-based platform created by BIG, UNStudio, and creative studio Squint/Opera that facilitates virtual design, review, and collaboration for architects and developers.. Image Courtesy of BIG and UNSTUDIO+ 8

O que é um gêmeo digital?

O surgimento do fenômeno do "gêmeo digital" anunciou uma grande mudança em termos de planejamento urbano. Ele apresenta essencialmente a cidade como dinâmica, de forma virtual. Garante que todos os elementos do tecido histórico, novas construções e transporte público sejam contabilizados em um modelo tridimensional. Não só apresenta elementos-chave em termos de paisagem, como também engloba condições muitas vezes esquecidas, como a presença de luz ao longo do dia, sombreamento e vegetação. Tudo isso contribui para um melhor processo de análise do território.

Projetando espaços físicos para receber um mundo virtual

Todos os aspectos da sociedade estão se tornando cada vez mais digitais. A interconexão e velocidade com que somos capazes de pesquisar e transferir informações nos deixaram acostumados a explorar novas maneiras pelas quais a tecnologia pode impactar nossas vidas. Nos últimos anos, a ascensão do bitcoin, do blockchain e agora do metaverso, fez com que arquitetos e designers reconsiderassem a noção de espaço físico e virtual. Mas, além disso, existe um "meio-termo" entre os espaços que serão projetados para receber o escapismo tecnológico que o metaverso e a web3 oferecem. Embora esses mundos virtuais estejam na fronteira da digitalização de tudo, os arquitetos desempenharão um enorme papel na concepção dos espaços físicos do mundo real que podem suportá-los.

Inovação e arquitetura: metaverso e outras tendências para 2022

O mais novo episódio do Arquicast sobre as tendências no mercado da construção trata de temas que centralizaram os debates em arquitetura ao longo de 2021 e como essas questões estão orientando as expectativas do nosso mercado para este novo ano. Sustentabilidade, inovação, tecnologia e cultura de trabalho estão entre os conceitos abordados e que, de alguma forma, parecem centrais às mudanças que 2022 anuncia.

7 Fatos sobre a entrada dos NFTs no mundo da arquitetura

© JOURNEE
© JOURNEE

No ano passado, os NFTs entraram no domínio da arquitetura, provocando discussões sobre o papel da profissão na futura economia digital. Do design de imóveis digitais a exposições e eventos de arquitetura explorando seu valor até chegar aos escritórios de arquitetura estabelecidos que abraçaram o novo meio, os NFTs foram adotados pela profissão como a promessa de uma nova forma de produção criativa. Veja, a seguir, um resumo dos experimentos da arquitetura com NFTs até agora, juntamente com uma série de artigos do Archdaily esclarecendo o assunto.

© iheartblob© Decentraland© OMA com Charlotte Taylor e Nicholas Préaud© Karisman+ 8

Por que todo designer e arquiteto pode se beneficiar da economia criativa no metaverso

A Nike adquiriu recentemente o RTFKT, um estúdio de design fundado em janeiro de 2020, conhecido por seus sneakers e colecionáveis "prontos para o metaverso". Aquisições de terrenos no metaverso estão fazendo manchetes com seus preços multimilionários. Também vimos a adoção de artes NFT pelo mainstream neste ano, e estima-se que as vendas devam disparar para 17,7 bilhões de dólares até o final de 2021.

Por baixo da hype e do frenesi, podemos observar uma mudança fundamental que desbloqueia uma nova economia criativa. Ela oferece aos criadores acesso direto ao mercado, constrói relações contínuas com os fãs, e une desconhecidos em comunidades auto-governadas. Neste artigo, vamos discutir porque todo designer 3D e arquiteto deveria abraçar o movimento Web 3.0 para adotar uma nova lógica de mercado e se beneficiar da economia de criadores do metaverso. 

Cortesia de Zaha Hadid Architects e JOURNEECortesia de NikeCortesia deRon Herron (Archigram), Walking Cities, 1964Cortesia de Annibale Siconolfi+ 10

Bitcoin, NFT's e metaverso: refletindo sobre o ano do mercado imobiliário digital

Imagine se há alguns anos você acordasse com a notícia de que alguém pagou mais de um milhão de dólares por três lotes de terreno digital ao lado da famosa mansão digital do rapper Snoop Dogg. Você provavelmente se perguntaria: "O que é um terreno digital, e por que alguém pagaria por isso?" Durante o ano, uma corrida para comprar propriedades, arte e terras aconteceu — mas tudo isso existe em um mundo virtual chamado de metaverso. Embora este mundo já existisse muito antes da pandemia, os lockdowns impulsionaram o mundo online para um novo nível, chamando a atenção de compradores privados e corretores que começaram a canalizar dinheiro para esta realidade. Mas como surgiu este mundo, o que o futuro nos reserva, e qualquer um pode se juntar a esta realidade virtual?

Arquitetura do metaverso: o que é, quem construirá e por que é importante?

Você deve ter ouvido que Mark Zuckerberg quer que o Facebook se torne uma Metaverse Company, e que no início deste ano a Epic Games, empresa que desenvolve a Unreal Engine, anunciou ter concluído uma rodada de financiamento de US$1 bilhão para apoiar o plano de longo prazo para o metaverso. Metaverso é, definitivamente, a palavra da moda mais quente no mundo da tecnologia atualmente. Neste artigo, discutiremos brevemente o que é o metaverso, quem o construirá e, mais importante, por que ele é importante para os arquitetos e como os designers podem desempenhar um papel significativo na economia digital que está por vir?

Cortesia de Mars HouseCortesia de Refik Anadol installationCortesia de User interface of City EngineCortesia de Townscraper, desenvolvido por Oskar Stålberg+ 10

O potencial da cartografia nos jogos de computador

Nesta nova colaboração titulada originalmente Cartografias do Metaverso, os arquitetos espanhóis Enrique Parra e Manuel Saga - fundadores do blog MetaSpace- exploram o potencial da cartografia nos jogos de computador, uma ferramenta que às vezes sobrepassa o papel de mero orientador, como na sequencia Diablo e torna-se um elemento gravitante dos jogos, como em Civilization e World of Warcraft.

A linguagem cartográfica e planimétrica próprias da arquitetura é comum também no mundo dos videogames. Muitos deles baseiam grande parte da sua experiência na interação com um ou vários mapas sobre os quais nos orientamos, descobrimos em que ponto nos encontramos e para onde se supõe que devemos nos dirigir. 

Exemplo disto é a saga Civilization, uma série de jogos de gestão de impérios publicados desde 1991 até hoje. Todas suas versões se desenvolvem sobre um mapa, uma visão geográfica do mundo que representa suas distintas áreas, os recursos disponíveis, o equilíbrio geopolítico e outros fatores. Estas variantes constituem as regras a seguir. a situação a enfrentar; o mapa converte-se em um tecido dinâmico, ou seja, a interface que permite o jogo.

Zaha Hadid Architects projeta galeria virtual que explora arquitetura, NFT e metaverso

O escritório Zaha Hadid Architects apresentou o projeto "NFTism", uma galeria de arte virtual na Art Basel Miami que explora a arquitetura e a interação social no metaverso. A galeria apresenta espaços que exploram a experiência do usuário, interação social e composições "dramatúrgicas", combinados com MMO (massively multiplayer online game, ou jogo multijogador massivo online) e serviços tecnológicos de interação.

Cortesia de JOURNEECortesia de ZHACortesia de JOURNEECortesia de JOURNEE+ 17