1. ArchDaily
  2. Crimson Architectural Historians

Crimson Architectural Historians: O mais recente de arquitetura e notícia

Mecanoo e SHoP convertem antiga fábrica no porto de Roterdã em conjunto de uso misto

Roterdã é uma cidade de história industrial que dependeu durante muito tempo de seu porto – um dos maiores da Europa. Transformações econômicas e sociais ao longo do século XX levaram ao abandono de parte de seu parque industrial e, nas últimas décadas, muitos destes equipamentos de grande escala passaram a abrigar programas comerciais e de entretenimento.

O exemplo mais recente é a antiga Fábrica Codrico, que receberá um novo plano diretor e edifícios projetados por Mecanoo, SHoP Architects, Office Winhov e Crimson Architectural Historians. Intitulado Codrico Terrain, o projeto visa celebrar o patrimônio industrial local e receber as mudanças para o futuro.

Cortesia de ATCHAINCortesia de Filippo BologneseCortesia de ATCHAINCortesia de Plomp+ 8

Superfície como escultura: os relevos de tijolos de Henry Moore em Roterdã

Em 1954 o escultor britânico Hanry Moore foi contratado para projetar e instalar um grande relevo na parede do novo bouwcentrum [Centro de Construção] de Joost Boks em Roterdã, Países Baixos. O projeto, constituído por aproximadamente 16 mil tijolos produzidos à mão, permanece como única obra concluída do autor feita com este humilde material. Em um documentário produzido por ARTtube, o historiador de arquitetura Wouter Vanstiphout narra a fascinante história por trás de Wall Relief No.1.

Detalhe da fachada. Imagem © The Henry Moore FoundationA parede in situ - fevereiro de 2015. Imagem © James Taylor-FosterConstrução do relevo. Imagem © The Henry Moore FoundationA parede integrada ao bouwcentrum desde a demolição (1970). Imagem © The Henry Moore Foundation+ 6

Anunciada a equipe curatorial da Trienal de Oslo 2016

Proposta vencedora OAT 2016. Imagem © After Belonging Agency
Proposta vencedora OAT 2016. Imagem © After Belonging Agency

A After Belonging Agency (ABA) anunciou a equipe curatorial da Trienal de Arquitetura de Oslo 2016 para sua proposta "In-Residence, On Residence, and the Ways We Stay In-Transit".

Estabelecida em 2000, a trienal de 2016 será a sexta edição do evento. Na esteira de uma chamada aberta de curadores lançada em setembro deste ano, a Trienal elegeu quatro equipes para a fase de entrevistas: Crimson Architectural Historians, de Roterdã, Justin McGuirk, de Londres, Dan Handel, curador canadense, e uma equipe de cinco arquitetos espanhóis que trabalham em Nova Iorque, After Belonging Agency. A proposta de Lluis Alexandre Casanovas Blanco, Ignacio González Galán, Carlos Minguez Carrasco, Alejandra Navarrete Llopis, e Marina Otero Verzier foi escolhida unanimemente pelo júri composto por Hege Maria Eriksson, Nina Berre, e Gro Bonesmo, entre outros.

O que podemos aprender com o "novo brutalismo" dos Smithsons em 2014?

Alison Gill, posteriormente conhecida como Alison Smithson, foi uma das arquitetas brutalistas mais influentes da história. No ano em que completaria 86 anos, investigaremos como o impacto de sua arquitetura, produzida em parceria com Peter Smithson, ainda ressoa no século XXI, sobretudo no Pavilhão Britânico da Bienal de Veneza deste ano. Com o edifício Robin Hood Gardens, em Londres - um de seus mais famosos projetos de habitação social em grande escala - ameaçado de demolição, como pode seu estilo - aclamado por Reyner Banham em 1955 de "novo brutalismo", influenciar futuros projetos de habitação?

Robin Hood Gardens, Londres. Cortesia de John Levett - http://www.flickr.com/photos/joseph_beuys_hat/Robin Hood Gardens, Londres. Cortesia de Amanda Vincent-Rous - http://www.flickr.com/photos/51746218@N03/Desenho exposto na Bienal de Veneza deste ano, Alison & Peter Smithson (1963). Imagem © James Taylor-FosterRobin Hood Gardens, Alison e Peter Smithson+ 8

Bienal de Veneza 2014: FAT e Crimson exploram as origens do modernismo britânico

Os curadores FAT Architecture e Crimson Architectural Historians divulgaram mais detalhes do pavilhão britânico para a 14ª Bienal de Arquitetura de Veneza. Respondendo ao tema proposta por Rem Koolhaas: "Absorbing Modernity: 1914-2014", a exposição A Clockwork Jerusalem "explorará as diversas influências culturais que moldaram e foram moldadas pelo modernismo britânico no pós guerra e nos últimos 100 anos."

"A Clockwork Jerusalem oferecerá a oportunidade de explorar e repensar aspectos fundamentais da modernidade britânica, além da arquitetura", descreveu Vicky Richardson, Diretor de Arquitetura, Design e Moda do Conselho Britânico. "Ao passo que a Bienal evolui em um projeto de pesquisa global, estamos ansiosos para fazer uma contribuição significativa para o debate cultural acerca do passado, presente o futuro da arquitetura britânica e global."

Mais informações a seguir...

Bienal de Veneza 2012: A Banalidade do Bom: Novas Cidades, Arquitetos, Dinheiro, Política / Crimson Architectural Historians