1. ArchDaily
  2. Buenos Aires

Buenos Aires: O mais recente de arquitetura e notícia

Casa JI / Colle Croce

© Javier Agustín Rojas© Javier Agustín Rojas© Javier Agustín Rojas© Javier Agustín Rojas+ 31

Buenos Aires, Argentina
  • Arquitetos: Colle Croce
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  275
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2020
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Aluar, AutoDesk, TDL

Ampliação da Casa David Peña / Christian Silva arquitecto

© Miguel Caamaño
© Miguel Caamaño

© Miguel Caamaño© Miguel Caamaño© Miguel Caamaño© Miguel Caamaño+ 19

Buenos Aires, Argentina
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  30
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2021
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Avellaneda, Barbieri, Ceramicas San Lorenzo, Durlock, FV, +4

Lições sobre processo cooperativo: o projeto de habitação coletiva Castelli 3902 em Buenos Aires

Localizada na Rua Castelli 3902, esta obra é o resultado de uma experiência entre a organização de arquitetos e urbanistas do Proyecto Habitar e a COOPTEBA SM/3F, uma cooperativa habitacional de trabalhadores da educação da Província de Buenos Aires, San Martín e Tres de Febrero. Em um mundo onde as desigualdades no acesso a bens e serviços urbanos determinam a vida de uma grande parte da população, os autores do projeto procuraram trabalhar de forma coletiva e interdisciplinar a fim de enfrentar a injustiça social e espacial existente. Saiba mais sobre a experiência abaixo.

Moradia para a Vila Olímpica, edifícios UG4-P2 e UG4-P3 / Martín Szydlowski + Edgardo Barone + Mariana Baulán

© Nicolás Szydlowski© Nicolás Szydlowski© Nicolás Szydlowski© Nicolás Szydlowski+ 29

Buenos Aires, Argentina
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  9682
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2018
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: AutoDesk, Trimble Navigation

As 20 maiores cidades do mundo em 2021

De acordo com o último relatório das Nações Unidas sobre as populações nas cidades, até 2030, “projeta-se que as áreas urbanas abriguem 60% da população global e uma em cada três pessoas viverá em cidades com pelo menos meio milhão de habitantes”. Crescendo em tamanho e número, as cidades são centros de governo, comércio e transporte e, em 2021, as 20 maiores cidades do mundo já totalizam meio bilhão de pessoas. Com efeito, uma a cada cinco pessoas em todo o mundo vive em uma cidade com mais de 1 milhão de habitantes.

A seguir, reunimos as 20 maiores megacidades do mundo em 2021, de acordo com o número de pessoas que vivem em sua área metropolitana. Embora Tóquio seja a maior cidade em nível global, com um total de mais de 37 milhões de habitantes, a maioria das maiores cidades do mundo está nos dois países mais populosos, China e Índia. Entre elas, temos cinco metrópoles na China – Xangai, Pequim, Chongqing, Tianjin e Guangzhou – e três na Índia – Delhi, Mumbai e Calcutá. A maior cidade do continente americano é São Paulo, com 22 milhões de habitantes, seguida pela Cidade do México e Buenos Aires, na Argentina. Istambul, na Turquia, ocupa a 13ª posição com uma parte da cidade situada na Europa e outra parte na Ásia.

Beijing. Image via ShutterstockGuangzhou. Image via ShutterstockBuenos Aires. Image via ShutterstockMumbai. Image via Shutterstock+ 21

Arquitetura bioclimática na América Latina: estratégias passivas para economizar energia

Escuela en Chuquibambilla / Marta Maccaglia + Paulo Afonso + Bosch Arquitectos (2013 - Chuquibambilla, Perú). Image La casa de Meche: Taller de buenas prácticas constructivas / ENSUSITIO Arquitectura (2019 - Pedro Carbo, Ecuador). Image Edificio Block Social Nestlé / GH+A | Guillermo Hevia (2009 - Graneros, Chile). Image Casa Ñasaindy / ArquitecTava (2019 - Obligado, Paraguay). Image + 42

“Antes da era dos combustíveis fósseis baratos, durante a qual se popularizaram as tecnologias modernas de calefação e condicionamento de ar, a arquitetura tradicional, era por assim dizer, mais sensível às condições climáticas específicas. Depois da recente crise energética, o interesse pelas estratégias passivas na arquitetura parece estar ressurgindo com força total.” [1]

Resumidamente, poderíamos dizer que a arquitetura bioclimática é aquela que incorpora, desde as primeiras fases de projeto, estratégias e recursos passivos, ou seja, aqueles que permitem aproveitarmos as condiciones favoráveis específicas do clima e local, oferecendo, simultaneamente, proteção contra as possíveis condições extremas. Desta forma, esta arquitetura não só permite a criação de melhores condições de conforto interior, mas também permite minimizar o consumo energético do edifício como um todo, diferenciando-a das abordagens mais convencionais, onde delega-se o controle das condições de conforto à sistemas mecânicos de condicionamento de ar, de aquecimento e e arrefecimento. A arquitetura bioclimática, então, está baseada em uma busca contínua por otimizar recursos, principalmente através de suas formas e volumes, orientações de fachadas e aberturas, materiais naturais e locais, uso do espaço, e outras tantas variáveis.

A rota de Francisco Salamone: cemitérios art déco em Buenos Aires

Em poucos anos, o arquiteto e engenheiro ítalo-argentino Francisco Salamone projetou e construiu mais de 60 edifícios em diferentes cidades da província de Buenos Aires. Entre 1936 e 1940, promover o crescimento e o desenvolvimento dos municípios do interior de Buenos Aires por meio de obras públicas foi uma estratégia do governo local. Com liberdade para projetar – de mobiliário urbano até praças e edifícios públicos, entre os quais cemitérios em estilo art déco, matadouros e prefeituras – Salamone revelou a busca de uma identidade monumental para o Estado.

Buenos Aires expande rede cicloviária para avenidas principais em resposta à Covid-19

A infraestrutura cicloviária tem crescido rápido nas cidades latino-americanas ao longo da última década. Cidades como Bogotá e Santiago mais do que dobraram a extensão de suas redes cicloviárias. Uma boa notícia, pois estudos mostram que cidades que priorizam infraestrutura segura registram reduções significativas no número de mortes e ferimentos de ciclistas e somam benefícios econômicos consideráveis a partir da redução de congestionamentos e de pedidos de licença médica.

Ainda assim, boa parte da infraestrutura cicloviária já existente nas cidades latino-americanas foi construída em vias locais e secundárias. A implementação pode ser mais fácil em ruas menos movimentadas, mas também diminui a eficiência e o impacto geral do uso da bicicleta, além de criar problemas de segurança. Os ciclistas tendem a procurar por atalhos e pelos caminhos mais diretos, possivelmente gerando interações perigosas com os carros quando entram em vias arteriais não planejadas para o transporte não motorizado.

Todas as cidades deveriam transformar seus elefantes brancos

Nem todas as obras arquitetônicas são um sucesso. Existe um termo temido, reservado apenas para os projetos mais inúteis: "Elefantes Brancos".

Habitações de pequena escala em Buenos Aires: espaço e luz no centro da quadra

PH-Agronomía / FRAM arquitectos + JES. Image PH Lavalleja / CCPM Arquitectos. Image PH Scalabrini Ortiz / Kohan Ratto Arquitectos. Image PH Thames / Alonso&Crippa. Image + 21

Embora o tecido da cidade de Buenos Aires seja caracterizado por uma condição morfológica heterogênea e em constante transformação, dentro da gama de habitações de baixa densidade, é possível detectar certas tipologias constantes que emergiram da interação de sucessivas variáveis históricas - tais como as estratégias de loteamento das quadras, as regulamentações urbanas e suas correspondentes atualizações, ou as tradições construtivas daqueles que ergueram a cidade. Uma dessas tipologias identificáveis é o PH, cujo nome deriva da noção de Propriedade Horizontal, uma regulamentação que permitiu o desenvolvimento de residências particulares dentro de um mesmo lote.

Foster + Partners começa a construção de torre de escritórios em Buenos Aires

Cortesia de Foster + Partners
Cortesia de Foster + Partners

O escritório Foster + Partners iniciou a construção da Avenida Cordoba 120, uma nova torre de escritórios de 35 pavimentos em Buenos Aires. Situado entre o centro da cidade e a entrada principal da zona portuária de Puerto Madero, o projeto pretende se tornar um marco no horizonte da cidade. Balanceando arquitetura e natureza, a torre busca estabelecer um novo padrão para projetos de escritórios na Argentina e região, afirmam os arquitetos.

Cortesia de Foster + PartnersCortesia de Foster + PartnersCortesia de Foster + PartnersCortesia de Foster + Partners+ 6

Coworking Huerta Microcentro / FLORA

© Javier Agustín Rojas© Javier Agustín Rojas© Javier Agustín Rojas© Javier Agustín Rojas+ 27

  • Arquitetos: FLORA
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  1800
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2020
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Martin Alerce, VIDRIERIA PATERNAL

Edifício LeBreton 4482 / Barq

© Federico Kulekdjian
© Federico Kulekdjian

© Federico Kulekdjian© Federico Kulekdjian© Federico Kulekdjian© Federico Kulekdjian+ 24

Buenos Aires, Argentina
  • Arquitetos: Barq
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  2000
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2014

Reforma Juramento / Landolfo & Asoc + Marcos Asa

© Javier Agustin Rojas© Javier Agustin Rojas© Javier Agustin Rojas© Javier Agustin Rojas+ 25

  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  100
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2019
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: 3D MAX STUDIO, AutoDesk, Molinos Tarquini, ferrum
  • Arquitetos Responsáveis:Hernan Landolf, Marcos Asa
  • Colaboradores:Franco Gilardi
  • Cidade:Buenos Aires
  • País:Argentina
Mais informaçõesMenos informações

Lobbies de Buenos Aires: fotografias de vestíbulos racionalistas e art déco

© Claudio Larrea© Claudio Larrea© Claudio Larrea© Claudio Larrea+ 11

O lobby, conhecido também como vestíbulo ou hall, é um espaço projetado para a recepção que se localiza de forma contínua em relação ao acesso de um edifício residencial ou uma casa individual, oficializando a área de transição entre o entorno urbano público e o programa privado.

Ele costuma estar localizado nos térreos dos edifícios, em vínculo direto com a rua, definindo-se como a "face visível" do projeto para o exterior. Por conta disso, suas características, seu desenho, sua estética, e todos aqueles elementos que o compõem são de grande relevância. Sua função é relativamente flexível, podendo ser utilizado como lugar de reunião, recepção ou espera.

Fotografias aéreas das ruas de Buenos Aires mostram a cidade vazia em quarentena

© Matias De Caro
© Matias De Caro

© Matias De Caro© Matias De Caro© Matias De Caro© Matias De Caro+ 16

Desde 20 de março, com o objetivo de proteger a saúde pública e reduzir a transmissão do COVID-19 no território argentino, o país decidiu decretar isolamento social, preventivo e obrigatório. Por meio dessa medida, todas as pessoas que vivem no país ou nele permanecem temporariamente devem permanecer em suas casas, abstendo-se de ir aos seus locais de trabalho, frequentar espaços públicos ou viajar.

A reestruturação da vida urbana já é notável: todos os eventos culturais, recreativos, esportivos e religiosos foram cancelados. Quando os cidadãos reduziram seus deslocamentos ao mínimo essencial, os espaços para reuniões, como praças e parques da cidade, ficaram desertos. Agora que as ruas estão vazias, as varandas se tornaram as novas plataformas de interação social e um espaço de celebração e protesto.

Niceto Vega 5924 / Jonathan Tyszberowicz + Diego Cherbenco

© Albano Garcia© Albano Garcia© Albano Garcia© Albano Garcia+ 24

Buenos Aires, Argentina

Casa Pingüinos / Carbone Arquitectos

© Bruto Studio© Bruto Studio© Bruto Studio© Bruto Studio+ 33

Buenos Aires, Argentina
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  260
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2019
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Cosentino, Portobello, Adobe, AutoDesk, Chaos Group, +6