Ossip van Duivenbode

NAVEGUE POR TODOS OS PROJETOS DESTE FOTÓGRAFO

A ascensão do co-living: projetando moradias comunitárias

Não há nada de novo em viver comunitariamente. A história mostra as moradias se aglutinam devido tanto pelas necessidades em comum quanto para a concentração de recursos. Hoje, devido ao crescimento populacional, ao adensamento urbano e preços dos imóveis, arquitetos e urbanistas têm procurado achar alternativas para habitações compartilhadas, também chamadas de co-living. Esses novos modos de morar exploram uma variedade de formas e configurações espaciais coerentes com o que se espera do futuro.

A ascensão do co-living: projetando moradias comunitáriasA ascensão do co-living: projetando moradias comunitáriasA ascensão do co-living: projetando moradias comunitáriasA ascensão do co-living: projetando moradias comunitárias+ 12

Jardins verticais, treliças, estantes e vasos de flores: integrando a vegetação em ambientes internos

Jardins verticais, treliças, estantes e vasos de flores: integrando a vegetação em ambientes internosJardins verticais, treliças, estantes e vasos de flores: integrando a vegetação em ambientes internosJardins verticais, treliças, estantes e vasos de flores: integrando a vegetação em ambientes internosJardins verticais, treliças, estantes e vasos de flores: integrando a vegetação em ambientes internos+ 19

Nem todo projeto arquitetônico pode incorporar um projeto paisagístico, considerar um jardim ou acesso a uma ampla área verde. Espaços menores precisam de estratégias mais criativas para incorporar a vegetação. Independentemente do contexto, as plantas oferecem benefícios em todos os tipos de espaços, como a regulação da temperatura interna, uma opção de produção sustentável em menor escala do que uma estufa, além de suas qualidades estéticas. Neste artigo, apresentamos 4 estratégias simples e uma seleção de exemplos para incorporar plantas em espaços de pequena escala.

Arquitetura e patrimônio: estratégias de preservação em sítios protegidos pela UNESCO

A arquitetura, por assim dizer, possui duas frentes de ação: uma que presa pela permanência e outra pela efemeridade. Definida por suas condições materiais, a arquitetura e forma como construímos nossos edifícios se reflete também nas estruturas que nós, como humanidade, decidimos preservar para o futuro. Promovendo a cooperação internacional nas áreas da educação, arte, ciência e cultura, a UNESCO é uma organização comprometida a preservar os principais locais de memória e de importância histórica para a humanidade. À medida que a arquitetura, assim como as paisagens naturais e urbanas encontram-se cada dia mais ameaçadas pelas crises sociais, econômicas e climáticas, debatermos a importância da preservação de sítios arqueológicos e lugares da memória para o futuro tornou-se mais urgente que nunca.

Arquitetura e patrimônio: estratégias de preservação em sítios protegidos pela UNESCO Arquitetura e patrimônio: estratégias de preservação em sítios protegidos pela UNESCO Arquitetura e patrimônio: estratégias de preservação em sítios protegidos pela UNESCO Arquitetura e patrimônio: estratégias de preservação em sítios protegidos pela UNESCO + 15

O potencial do bambu e da madeira engenheirada para a indústria da construção: entrevista com Pablo van der Lugt

© Woodify
© Woodify

Pablo van der Lugt é arquiteto, autor de livros e palestrante. Sua pesquisa enfoca o potencial de materiais como bambu e madeira engenheirada para o setor da construção civil e seus impactos positivos no mundo. “Ao longo de minha carreira profissional na universidade (incluindo minha pesquisa de doutorado sobre a pegada de carbono de bambu e madeira engenheirada) e na indústria, nos últimos 15 anos, descobri que há muitos conceitos errôneos sobre esses materiais que dificultam sua adoção em larga escala. Por esta razão, eu ‘traduzi’ minhas descobertas de pesquisa em dois livros contemporâneos para designers e arquitetos sobre o potencial do bambu: Booming Bamboo e madeira projetada: Tomorrow’s Timber. Eles visam dissipar esses mitos e mostrar o incrível potencial da última geração de materiais de construção de base biológica na necessária transição para um ambiente de construção circular, saudável e neutro em carbono. ” Recentemente, tivemos a oportunidade de conversar com ele sobre esses temas. Leia mais abaixo.

Edifício Residencial Ilot Queyries / MVRDV

Edifício Residencial Ilot Queyries / MVRDVEdifício Residencial Ilot Queyries / MVRDVEdifício Residencial Ilot Queyries / MVRDVEdifício Residencial Ilot Queyries / MVRDV+ 25

  • Arquitetos: MVRDV
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área :  23000
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano :  2021
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes :  AGROB BUCHTAL

MVRDV desenvolve catálogo com soluções para requalificar coberturas de edifícios

Voltando a atenção para um recurso espacial ainda pouco explorado, o MVRDV produziu um catálogo com 130 ideias inovadoras para coberturas planas em Roterdã, apresentando uma potencialidade para o desenvolvimento da cidade. Encomendado pela prefeitura e desenvolvido em conjunto com o Rotterdam Rooftop Days, o Rooftop Catalogue ilustra como a requalificação de coberturas pode contribuir em questões como escassez de solo urbano e mudanças climáticas, ao passo que também aborda o lado prático de se reaproveitar esses espaços.

MVRDV desenvolve catálogo com soluções para requalificar coberturas de edifíciosMVRDV desenvolve catálogo com soluções para requalificar coberturas de edifíciosMVRDV desenvolve catálogo com soluções para requalificar coberturas de edifíciosMVRDV desenvolve catálogo com soluções para requalificar coberturas de edifícios+ 18

Principais tendências mundiais no paisagismo de interiores

Já não há dúvidas sobre os muitos benefícios que as plantas trazem para o espaço doméstico uma vez incorporadas a um projeto de “paisagismo de interiores” ou Plantscaping, como tal prática tem sido chamada. Integrar jardins e hortas em projetos residenciais atende a muitos propósitos, sejam eles práticos, estéticos ou psicológicos. Embora existam alguns requisitos básicos que devemos considerar ao incorporar plantas e jardins em nossos espaços interiores, as espécies de plantas assim como as soluções técnicas de projeto costumam variar enormemente de acordo com a sua localização. Ao explorarmos alguns dos principais projetos de interiores que incorporam plantas e jardins em seus espaços, identificamos uma série de padrões recorrentes, cada um refletindo características relevantes ao clima, ao estilo e às soluções construtivas específicas.

Enquanto as espécies de plantas escolhidas costumam variar de acordo com as condições climáticas do lugar, as principais diferenciações nos projetos avaliados estão relacionadas ao espaço em si e como os projetistas procuram aclimatá-las. Embora saibamos da importância do contanto direto com a natureza para a nossa saúde física e mental, plantas também são utilizadas em projetos residenciais com a finalidade de criar micro-climas ou para oferecer espaços onde as pessoas podem cultivar seus próprios alimentos. 

Principais tendências mundiais no paisagismo de interioresPrincipais tendências mundiais no paisagismo de interioresPrincipais tendências mundiais no paisagismo de interioresPrincipais tendências mundiais no paisagismo de interiores+ 33

Edifício Residencial Pontsteiger / Arons en Gelauff architecten

Edifício Residencial Pontsteiger / Arons en Gelauff architectenEdifício Residencial Pontsteiger / Arons en Gelauff architectenEdifício Residencial Pontsteiger / Arons en Gelauff architectenEdifício Residencial Pontsteiger / Arons en Gelauff architecten+ 40

  • Área Área deste projeto de arquitetura Área :  64000
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano :  2019
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes :  Hibex, Koninklijke Tichelaar

Os melhores projetos de arquitetura de 2020

Os melhores projetos de arquitetura de 2020Os melhores projetos de arquitetura de 2020Os melhores projetos de arquitetura de 2020Os melhores projetos de arquitetura de 2020+ 102

Em nome de toda a equipe do ArchDaily, gostaríamos de agradecer seu apoio – a participação de vocês, leitoras e leitores, ajudou a tornar 2020 um ano melhor. Podemos dizer com satisfação que este ano, mais que em qualquer outro, alcançamos profissionais da arquitetura de todas as partes do mundo, contribuindo com ferramentas e inspiração para a criação de espaços melhores. 

Com mais de 5.500 obras diferentes publicadas ao longo do ano, nossa equipe de curadores tem o prazer de compartilhar esta seleção dos 100 projetos mais acessados de 2020. Esta lista representa o que há de melhor no conteúdo criado e compartilhado pela comunidade do ArchDaily nos últimos 11 meses.

Pode existir boa arquitetura sem modulação?

Presente na narrativa do Dilúvio no livro do Gênesis, Noé teria construído uma arca após um chamado de Deus, que decidiu inundar e destruir toda a vida na Terra por conta do mau comportamento da Humanidade. Apenas a família de Noé e um casal de cada espécie de animais poderia entrar na enorme embarcação e se salvar. Na bíblia, a arca é descrita com as medidas exatas de 300 côvados de comprimento por 50 de largura e 30 de altura. Esta era uma unidade utilizada na época, baseada no comprimento do antebraço, desde a ponta do dedo médio até o cotovelo. Um holandês que tem se dedicado a construir uma réplica da Arca de Noé, sem sucesso em encontrar um valor correspondente preciso no sistema métrico, utilizou as medidas do seu próprio corpo como o módulo. Modulação na arquitetura quer dizer adaptar o projeto a um módulo definido, geralmente uma medida base ou um material. Seja um metro, um tijolo, um azulejo ou um container, ela serve para facilitar o processo de projeto e torná-lo mais eficiente e sustentável.

Fotografia de arquitetura e escala: a figura humana como ferramenta de análise

Incorporar a figura humana na fotografia de arquitetura é uma das formas mais eficazes de ajudar o espectador a decifrar a escala de uma obra. Com ela, não apenas é possível transmitir noções das medidas dos elementos fotografados, mas também criar interessantes relações que podem favorecer a composição de uma imagem. Com isso em mente, compilamos a seguir uma seleção de nossas fotografias favoritas que têm na escala humana seu principal elemento compositivo. 

Fotografia de arquitetura e escala: a figura humana como ferramenta de análiseFotografia de arquitetura e escala: a figura humana como ferramenta de análiseFotografia de arquitetura e escala: a figura humana como ferramenta de análiseFotografia de arquitetura e escala: a figura humana como ferramenta de análise+ 25

Conforto olfativo na arquitetura e o impacto dos odores no bem-estar

Programas de culinária nunca foram tão populares no mundo. Sejam eles de receitas, reality shows ou documentários, o escritor Michael Pollan aponta que não é incomum passarmos mais tempo assistindo do que preparando nossa própria comida. Isso é um fenômeno bastante curioso, já que nos resta apenas imaginar os cheiros e gostos do outro lado da tela, como os apresentadores gostam de nos lembrar frequentemente. Ao mesmo tempo, quando assistimos algo sobre a Idade Média, rios poluídos ou desastres nucleares, ficamos aliviados de ainda não existir uma tecnologia para transmitir os cheiros. De fato, ao tratarmos de odores (e mais especificamente os maus), sabemos o quão desagradável é estar em um espaço que não cheira bem. Mais especificamente em edificações, quais são as principais fontes e de que forma isso pode afetar nossa saúde e bem-estar?

Banco Triodos / RAU Architects

Banco Triodos / RAU ArchitectsBanco Triodos / RAU ArchitectsBanco Triodos / RAU ArchitectsBanco Triodos / RAU Architects+ 31

Driebergen-Rijsenburg, Países Baixos
  • Arquitetos: RAU Architects
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área :  12994
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano :  2019
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes :  Hunter Douglas, Guardian Glass, Aesy Liften, Boon Edam, De Groot Vroomshoop, +9

Dia Mundial da Arquitetura: projetando para o futuro do habitat humano

O Dia Mundial da Arquitetura, comemorado na primeira segunda-feira de outubro, foi instituído pela Union International des Architects (UIA) em 2005 para “lembrar ao mundo de sua responsabilidade coletiva em relação ao futuro do habitat humano” e, não por acaso, coincide com Dia Mundial do Habitat da ONU.

Museu Depot Boijmans Van Beuningen / MVRDV

Museu Depot Boijmans Van Beuningen / MVRDVMuseu Depot Boijmans Van Beuningen / MVRDVMuseu Depot Boijmans Van Beuningen / MVRDVMuseu Depot Boijmans Van Beuningen / MVRDV+ 43

Roterdã, Países Baixos
  • Arquitetos: MVRDV
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano :  2021
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes :  Jansen

Sede da Tencent em Pequim / OMA

Sede da Tencent em Pequim / OMASede da Tencent em Pequim / OMASede da Tencent em Pequim / OMASede da Tencent em Pequim / OMA+ 15

  • Arquitetos: OMA
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano :  2020

Preenchendo lacunas: a arquitetura dos espaços residuais

Em praticamente todas as cidades do mundo, sempre encontraremos algum tipo de espaço residual: terrenos vazios, áreas abandonadas, lacunas deixadas entre uma obra e outra, espaços em branco, sem uso. Nestas circunstancias, uma série de lotes urbanos acabam se tornando inadequados ou inaptos à construção de tipologias convencionais. Entretanto, estas mesmas limitações podem se tornar um terreno fértil para a nossa imaginação. Ressignificar um espaço esquecido, uma esquina desocupada, becos sem saída ou terrenos de formatos estranhos pode nos abrir uma nova frente de trabalho, criando novas oportunidades para o desenvolvimento urbano como um todo. Seja ampliando os espaços existentes de moradia ou acrescentando novas atividades e programas em áreas densamente povoadas, ocupar terrenos residuais pode ser uma valiosa contribuição para a ativação do espaço urbano.

Preenchendo lacunas: a arquitetura dos espaços residuaisPreenchendo lacunas: a arquitetura dos espaços residuaisPreenchendo lacunas: a arquitetura dos espaços residuaisPreenchendo lacunas: a arquitetura dos espaços residuais+ 8