Daici Ano

NAVEGUE POR TODOS OS PROJETOS DESTE FOTÓGRAFO

Restaurante GYRE.FOOD / Atelier Tsuyoshi Tane Architects

© Daici Ano© Daici Ano© Daici Ano© Daici Ano+ 10

  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  1000
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2019
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Adobe, AutoDesk, BCTD Barstool, Kvadrat, Mutina, +4

Pavilhão "Roof & Mushrooms" / Ryue Nishizawa + Nendo

© Daici Ano © Daici Ano © Daici Ano © Daici Ano + 25

Museu de Arte Contemporânea de Hirosaki / Atelier Tsuyoshi Tane Architects

© Daici Ano© Daici Ano© Daici Ano© Daici Ano+ 14

  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  3587
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2020
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Katsumata Metal Industry, LIKE Company Limited, Nabco, Sanwa, Takayama Brick Architects Design, +2

Armários, estantes e prateleiras: 33 espaços de armazenamento

© Hey! Cheese© Kat Lu© Hey! Cheese© Kai Nakamura+ 34

A falta de espaços de armazenamento é um problema recorrente no projeto de uma casa. Na maioria dos casos, espaços residuais ou cantos desconfortáveis são usados para resolver a falta de prateleiras, gavetas e armários. A seguir, 33 exemplos de espaços de armazenamento que podem servir de inspiração para seus próximos projetos.

Residência Stairway / nendo

© Daici Ano© Takumi Ota© Takumi Ota© Takumi Ota+ 63

Minato City, Japão
  • Arquitetos: nendo
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  284
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2019
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: ASAHI WOODTECH Cooperation, NENGO Company Limited

Cortinas como divisórias para uma arquitetura fluida e adaptável

Durante as últimas décadas, os espaços interiores tornaram-se cada vez mais abertos e versáteis. Desde as paredes grossas e múltiplas subdivisões das villas paladianas, por exemplo, às plantas livres e multifuncionais de hoje, a arquitetura tenta combater a obsolescência, fornecendo ambientes mais eficientes para a vida transcorrer, facilitando as experiências cotidianas de pessoas no presente e futuro. E enquanto as antigas vilas de Palladio ainda podem acomodar uma variedade de recursos e estilos de vida, reajustando seus usos sem alterar um centímetro de sua simetria e modulação originais, hoje a flexibilidade parece ser a receita para prolongar a vida dos edifícios tanto quanto possível.

Como projetar espaços neutros e flexíveis o suficiente para se adaptar ao ser humano em evolução, oferecendo as soluções que cada pessoa demanda hoje em dia? Um elemento antigo pode ajudar a redefinir a maneira como concebemos e habitamos o espaço: cortinas.

Emperor Qianmen Hotel / asap. Image © Jonathan LeijonhufvudReady-made Apartment / azab. Image © Luis Diaz DiazPURE / Sílvia Rocio + Mariana Póvoa + esse studio. Image © Francisco NogueiraJL Madeira Office / Metro Arquitetos Associados. Image © Ilana Bessler+ 48

Paisagismo de interiores: o que é "plantscaping"?

© Nelson Kon© Quang Dam© Edward Hendricks© Helene Binet+ 49

Os jardins e plantas de interiores trazem diversos benefícios para a vida cotidiana. O projeto paisagístico de interior, também chamado de plantscaping, é muito mais que simplesmente alocar plantas nos espaços internos; envolve a localização estratégica de espécies vegetais dentro de uma obra, buscando potencializar e destacar certos aspectos do projeto arquitetônico.

Uma colina numa casa / Yuko Nagayama & Associates

© Daici Ano © Daici Ano © Daici Ano © Daici Ano + 17

Shibuya, Japão

Em foco: Kengo Kuma

Kengo Kuma (nascido em 8 de agosto de 1954) é um dos arquitetos japoneses de maior expressividade atualmente. Suas reinterpretações de elementos tradicionais da arquitetura japonesa envolvem inovações no uso de materiais naturais e novas formas de pensar a relação da luz com o espaço. Seus edifícios não buscam se dissolver na paisagem, como fazem algumas obras japonesas atuais, em vez disso, sua arquitetura busca manipular elementos tradicionais, criando obras de discurso claro que apresentam relação com seus entornos. Estas misturas de elementos tradicionais e high-tech se provaram bem sucedidos em todo o Japão e outras partes do globo, e a obra recente do arquiteto tem extravasado os limites da terra do sol nascente e invadido a China e outros países ocidentais. 

21 Projetos em que Kengo Kuma (re)usa materiais de maneiras incomuns

Kengo Kuma utiliza os materiais para se conectar com o contexto local e os usuários de seus projetos. As texturas e formas elementares dos materiais, sistemas construtivos e produtos são expostas e utilizadas em favor do conceito arquitetônico, valorizando as funções que serão executadas em cada edifício.

De vitrines feitas com telhas cerâmicas a painéis que filtram a luz com à luz peneirada criada por chapas metálicas expandidas, passando por um revestimento de poliéster etéreo, Kuma entende o material como um componente essencial que pode fazer a diferença na arquitetura, desde os estágios do projeto. Apresentamos, em seguida, 21 projetos nos quais Kengo Kuma usa e reúsa materiais de construção com maestria.

V&A Dundee / Kengo Kuma and Associates. Image © Hufton+CrowCamper Paseo de Gracia / Kengo Kuma & Associates. Image © ImagenSubliminalGC Prostho Museum Research Center / Kengo Kuma & Associates. Image © Daici AnoArchives Antoni Clavé / Kengo Kuma & Associates. Image © 11h45+ 44

Escritórios e espaços de trabalho: exemplos de projeto em planta

A distribuição funcional desempenha um papel fundamental no projeto contemporâneo de escritórios e ambientes de trabalho. Nesse sentido, o estudo da planta de arquitetura é uma forma interessante de abordagem; não apenas possibilita maior eficiência em termos de circulação e logística, mas também oferece exemplos de espaços de trabalho mais adequados às necessidades atuais. 

A seguir, reunimos mais de 50 exemplos de projetos para lhe inspirar, reconhecendo como diferentes arquitetos enfrentaram o desafio em diferentes escalas.

Arquitetura comercial: exemplos de 100 a 1.000 m²

A distribuição espacial dos estabelecimentos comerciais, como mostramos neste artigo, é determinante para o seu sucesso. Ela não só permite facilitar a logística e a circulação de clientes, mas também encontrar variações e inovações que permitam criar espaços mais eficientes e originais. 

A seguir, selecionamos alguns projetos publicados em nossos sites, juntamente com suas representações em planta, que podem ajudá-lo a entender as diferentes propostas dos arquitetos para espaços comerciais de cem a mil metros quadrados. 

Hiroshi Sambuichi recebe o prêmio Daylight 2018 por seu tratamento "atemporal e fluido" da luz

A abordagem de Hiroshi Sambuichi a um terreno envolve estudos e reflexões de longo prazo sobre as qualidades e forças incorporadas da natureza. Seu entendimento é “mais profundo e com um grão mais fino”, explica o arquiteto americano e membro do júri The Daylight Award James Carpenter como uma das várias razões pelas quais Sambuichi foi anunciado recentemente como o mais recente vencedor do Daylight Award em 2018. Nas mãos de Sambuichi, “a luz se torna atemporal, fluida e rica”.

Naoshima Hall. Image © Shigeo OgawaRokko Observatory. Image © Sambuichi ArchitectsMiyajima Misen Observatory. Image © Sambuichi ArchitectsInujima Seirensho Art Museum. Image © Daici Ano+ 12

Residência de Tijolos Akasaka / KINO architects

© Daici Ano© Daici Ano© Daici Ano© Daici Ano+ 17

Tóquio, Japão

É UM JARDIM / ASSISTANT

© Daici Ano © Daici Ano © Daici Ano © ASSISTANT + 35

Nagano, Japão
  • Arquitetos: ASSISTANT
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  475
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2016
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Cosentino, Agape, Dinesen, Focus, Poggenpohl

A luz zenital como solução de iluminação natural em 16 projetos

A diversidade de claraboias significa que elas podem iluminar qualquer espaço. Tanto uma janela como um teto, a natureza híbrida deste elemento o transforma em peça chave de alguns projetos arquitetônicos. Através da sua flexibilidade também vêm oportunidades de expressão, desde a sua forma até o seu ângulo.

Confira 16 exemplos de espaços contemporâneos iluminados por este elemento abaixo:

John Pawson e Hiroshi Senju receberão o Isamu Noguchi Award 2017

Remodelação do interior daIgreja St. Moritz / John Pawson. Image © Hufton+Crow
Remodelação do interior daIgreja St. Moritz / John Pawson. Image © Hufton+Crow

O Museu Noguchi selecionou o arquiteto John Pawson e o pintor Hiroshi Seju para receberem o Isamu Noguchi Award 2017. Em seu quarto ano, o prêmio anual foi criado para homenagear indivíduos que "compartilham o espírito de inovação, consciência global e compromisso de Noguchi com o intercâmbio cultural entre ocidente e oriente".

O prêmio é dado a cada ano a um arquiteto e um artista ou designer, honrando a carreira multifacetada do artista / arquiteto Isamu Noguchi. Os vencedores anteriores do prêmio incluem Tadao Ando e Elyn Zimmerman em 2016; o arquiteto Yoshio Taniguchi e o designer industrial Jasper Morrison (2015); e o vencedor do prêmio inaugural, Norman Foster e o artista Hiroshi Sugimoto (2014).

Uma nova etapa na carreira de Toyo Ito: projetos comunitários de pequena escala

Este artigo foi publicado originalmente no site Redshift da Autodesk como "A próxima conquista arquitetônica de Toyo Ito: Revitalização da ilha de Omishima no Japão."

No ano passado, enquanto a construção do seu projeto para a Opera Nacional de Taichung, em Taiwan, estava chegando ao fim, Toyo Ito se encontrou numa encruzilhada.

Um projeto de 10 anos de duração, um gigantesco ícone cultural feito de paredes de concreto curvadas biomorficamente que se enrolam como um nó de artérias, criando uma experiência sobrenatural para os padrões das artes, é o projeto emblemático que se esperaria do Prêmio Pritzker de 2013, mas sua finalização desencadeou uma pergunta vital: para onde ir a partir daqui?