Pagina inicial

Conheça a história por trás da nova identidade da nossa marca

Saiba mais

A mina de ouro branco da Polônia: a história de um dos maiores projetos de reuso adaptativo do mundo

A mina de ouro branco da Polônia: a história de um dos maiores projetos de reuso adaptativo do mundo

A Polônia é um país geograficamente muito diverso, com distintas paisagens e territórios além de uma vasta história e cultura milenar. Suas mais importantes cidades são como um inventário de distintas arquiteturas, do românico ao gótico, passando pelo barroco ao pós-moderno. Além de suas históricas e exuberantes capitais e topografia única, a Polônia conta hoje com dezessete sítios históricos de interesse mundial reconhecidos pela UNESCO. De cidades medievais a reservas naturais, passando por pequenas igrejas de madeira até o impressionante Castelo de Malbork, esta seleta lista de lugares e edifícios históricos e naturais esconde um verdadeiro tesouro desconhecido. Escondida em um pequeno vale ao sul de Cracóvia, encontra-se uma das maiores e mais antigas minas subterrâneas cavadas à mão—a qual foi transformada ao longo dos séculos em um amplo complexo multiuso com tudo aquilo que você é capaz de imaginar (e do que não é capaz também). De um centro de tratamento de saúde, beleza e bem-estar a uma pequena e reclusa igreja enterrada dezenas de metros abaixo do nível do solo, a famosa Mina de Sal de Wieliczka conta ainda com a primeira plataforma subterrânea de bungee jumping do mundo.

Cortesia de Wieliczka Salt MineCortesia de Wieliczka Salt MineCortesia de Wieliczka Salt MineCortesia de Wieliczka Salt Mine+ 37

Conhecida como “um dos sete milagres da Polônia”, a Mina de Sal de Wieliczka remonta ao período Neolítico. Acontece que, há centenas de anos na região da atual cidade de Wieliczka, foram descobertas antigas salinas pré-históricas de quase 5,5 mil anos, as quais passaram a ser exploradas pelos seus moradores para a produção de sal. Centenas de anos depois, as fontes salinas superficiais se esgotaram, obrigando os habitantes a construir poços e minas em busca de novas fontes de sal. Não muito tempo depois, os moradores se depararam com um enorme bloco de rocha sedimentar salina, o qual os incentivou a continuar cavando para explorar o novo tesouro que daria fama mundial ao pequeno vilarejo de Wieliczka.

Cortesia de Wieliczka Salt Mine
Cortesia de Wieliczka Salt Mine

O sal se tornou um bem precioso e de valor inestimável para os habitantes de toda a região do vale ao sul de Cracóvia, e a pitoresca estrutura geológica que eles construíram com suas próprias mãos é algo que você não irá encontrar em nenhum outro lugar do planeta. Já na segunda metade do século XIII, Wieliczka era conhecida como a maior produtora de sal de todo o antigo reino da Polônia, motivo pelo qual a cidade foi então batizada de Magnum Sal (o Grande Sal). Tanto é verdade que, somente os lucros da venda do sal representavam na época um terço de toda a receita da coroa polonesa.

Muito suor e criatividade foram gastas nessas minas. No final do século XV, o sal estava sendo extraído 64 metros abaixo do nível do solo, o qual corresponde ao atual primeiro nível das minas de Wieliczka. Ano após ano, a mina continuava crescendo verticalmente em direção ao centro da Terra, tornando-se uma das maiores estruturas de atividade mineradora de toda a Europa. Naquela época, a mina de Wieliczka contava já com um restaurante subterrâneo, abrigos para os funcionários e instalações de apoio e serviços. Por volta do século XVII, a mina já contava com três níveis subterrâneos, os quais foram delineados de acordo com o planejamento urbano da cidade acima dela. Já no século XIX, novos métodos de mineração foram sendo inseridos, assim como equipamentos mais modernos que chegaram junto com os primeiros turistas a visitar a mina.

Cortesia de Wieliczka Salt Mine
Cortesia de Wieliczka Salt Mine

Ainda assim, foi somente após a conclusão da Segunda Guerra Mundial que a produção de sal na mina de Wieliczka alcançou seu pico máximo, e pessoas do mundo todo tomaram conhecimento da importância histórica e do significado cultural do local. Neste contexto, manter a mina em funcionamento tornou-se um verdadeiro desafio, e embora ela proporcionasse ainda muito lucro à administração pública local, o principal foco do governo passou a ser a preservação do conjunto para as futuras gerações, uma ideia que na metade do século XX não parecia fazer muito sentido. Em 1964, a mina de Wieliczka, que naquele momento contava com nove níveis subterrâneos e alcançava uma profundidade total de 327 metros, finalmente deixou de ser escavada para utilizar apenas processos de evaporação para a produção de sal. Catorze anos depois, em 1978, a UNESCO inseriu as minas de Wieliczka em sua Lista de Patrimônio Mundial, e em 1996, os trabalhos de mineração no local foram suspensos por tempo indeterminado—e as minas de Wieliczka passaram a operar apenas como um complexo turístico.

Cortesia de Wieliczka Salt Mine
Cortesia de Wieliczka Salt Mine

Desde então, todas as estruturas escavadas abaixo da pequena vila de Wieliczka estão sendo restauradas e transformadas para acolher novos usos e programas que variam de rotas turísticas a espaços de apresentações e espetáculos, passando por centros de cuidado com a saúde física e mental até centros de oração e peregrinação e espaços para eventos. Atualmente, os mineradores seguem trabalhando a centenas de metros abaixo do nível do solo em Wieliczka, mas ao invés de escavar a terra em busca de sal, eles se concentram em preservar e manter este importante monumento histórico nacional. Ao longo de mais de 700 anos, 26 poços foram escavados em Wieliczka. Na verdade, os responsáveis dizem que atualmente apenas 2% da área total das antigas minas são acessíveis ao público.

Cortesia de Wieliczka Salt Mine
Cortesia de Wieliczka Salt Mine

Uma das principais atrações no local hoje é um centro de tratamento de saúde. Pacientes com doenças respiratórias crônicas como asma, bronquite e pneumonia encontram aqui uma atmosfera única e um microclima subterrâneo perfeito. Acontece que o ar dentro da mina circula por uma série de corredores impregnados de sais altamente solúveis, os quais desempenham um papel anti-séptico, purificando as correntes de ar que passam pelo interior da mina. Recentemente, pacientes de COVID-19 com sérios problemas respiratórios visitam a mina de sal de Wieliczka para fortalecer seus pulmões.

Cortesia de Wieliczka Salt Mine
Cortesia de Wieliczka Salt Mine
Cortesia de Wieliczka Salt Mine
Cortesia de Wieliczka Salt Mine

O atual complexo das minas de Wieliczka está organizada de forma a construir um percurso narrativo que conta a história do local e dos importantes personagens que por aqui passaram, explicando como a mina foi sendo escavada ao longo dos séculos de atividade mineradora. Algumas das câmaras e corredores foram transformados em luxuosos espaços de encontro iluminados por imponentes lustres de vidro, enquanto outros abrigam capelas e até restaurantes. Uma das câmaras mais profundas, com 36 metros de altura, foi transformada no primeiro bungee jump subterrâneo do mundo. Ao visitar o local, os visitantes podem escolher entre duas rotas distintas: a turística, onde encontram-se os espaços descritos acima, e a rota dos mineiros, um percurso desafiador e multissensorial que convida os visitantes a perambular por uma intrincada rede de túneis subterrâneos.

Cortesia de Wieliczka Salt Mine
Cortesia de Wieliczka Salt Mine

A maioria das paredes e tetos das câmaras da antiga mina de sal foram deixadas em seu estado natural, mesmo aquelas utilizadas como restaurantes, espaços de eventos e salas de oração. Em alguns lugares especiais, como no interior da Capela de Santa Kinga, os visitantes podem ver antigas esculturas de sal e trabalhos em alto-relevo deixados pelos mineradores há séculos.

Cortesia de Wieliczka Salt Mine
Cortesia de Wieliczka Salt Mine
Cortesia de Wieliczka Salt Mine
Cortesia de Wieliczka Salt Mine
Cortesia de Wieliczka Salt Mine
Cortesia de Wieliczka Salt Mine

Este artigo faz parte de uma série do ArchDaily intitulada escreva para nós.

Este artigo faz parte do tema do mês no ArchDaily: Reabilitações. Mensalmente, exploramos um tema específico através de artigos, entrevistas, notícias e projetos. Saiba mais sobre os tópicos mensais. Como sempre, o ArchDaily está aberto a contribuições de nossos leitores; se você quiser enviar um artigo ou projeto, entre em contato.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Stouhi, Dima. "A mina de ouro branco da Polônia: a história de um dos maiores projetos de reuso adaptativo do mundo" [Poland's White Gold: The Story Behind one of the World’s Biggest Adaptive Reuse Projects] 09 Nov 2021. ArchDaily Brasil. (Trad. Libardoni, Vinicius) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/970208/a-mina-de-ouro-branco-da-polonia-a-historia-de-um-dos-maiores-projetos-de-reuso-adaptativo-do-mundo> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.