Carlo Ratti Associati e Italo Rota exploram economia circular no Pavilhão da Itália na Expo 2020 Dubai

Carlo Ratti Associati e Italo Rota exploram economia circular no Pavilhão da Itália na Expo 2020 Dubai

CRA-Carlo Ratti Associati e Italo Rota Building Office, junto com Matteo Gatto e F&M Ingegneria projetaram o Pavilhão Italiano na Expo Dubai 2020 com foco na arquitetura re-configurável e circularidade. Os arquitetos usaram casca de laranja, pó de café, algas e areia como materiais de construção, juntamente com plástico reciclado para as cordas da fachada e cascos de barco para o telhado. O projeto arquitetônico do pavilhão e os materiais usados criam um sistema natural de mitigação do clima que substitui o ar-condicionado.

© Michele Nastasi© Michele Nastasi© Michele Nastasi© Michele Nastasi+ 23

Levando em consideração o tema da Expo de "conectar mentes, criando o futuro", os severos desafios climáticos de Dubai e o momento atual no qual o evento está inserido, os arquitetos queriam construir algo que atendesse a esses desafios, ao mesmo tempo que destacavam o próprio tema do pavilhão: " A beleza conecta as pessoas". Com esses desafios em mente, o Pavilhão Italiano foi criado “como uma arquitetura capaz de se transformar no tempo, de forma sustentável”.

© Michele Nastasi
© Michele Nastasi

"O Pavilhão Italiano tem grandes dimensões e uma estrutura muito sofisticada, mas mais do que uma arquitetura no sentido canônico é uma grande instalação experimental focada nas fronteiras cada vez mais tênues entre o natural e o artificial. Sua construção é igualmente inspirada em biótipos naturais e nas mais avançadas tecnologias advindas da pesquisa espacial. Por um lado, o volume se volta para a organização das florestas tropicais, onde a luz é filtrada por uma alta copa e a vida é organizada de acordo. Por outro lado, um tema crucial é a produção de neo-matéria: novos materiais de construção de origem orgânica e biológica, cuja produção tecnológica não se confunde com a reciclagem. Como o pavilhão foi concebido de forma circular, pode-se pensar nesta neo-matéria como materiais que potencialmente podem ser reaproveitados em qualquer lugar, em diferentes formas e com diferentes finalidades. O Pavilhão Italiano representa quase uma espécie de "banco arquitetônico": um catálogo para escolher os elementos da arquitetura futura". - Italo Rota

© Michele Nastasi
© Michele Nastasi
© Michele Nastasi
© Michele Nastasi

Os cascos verdes, brancos e vermelhos que compõem a cobertura do pavilhão, e que remetem às históricas ligações entre as penínsulas italiana e árabe, podem ser desmontados e transportados para novos destinos. Os cascos são sustentados por 150 pilares verticais de aço, cada um com 27 metros de altura que, por sua vez, sustentam uma membrana em forma de onda feita de almofadas de ETFE e uma camada de finas placas de metal perfuradas que filtram a luz solar.

© Michele Nastasi
© Michele Nastasi

As cordas na fachada são feitas de quase dois milhões de garrafas de plástico recicladas que formam uma intrincada superfície em malha que se estende por quase 70 quilômetros. Após a feira, elas serão reaproveitadas de acordo com a lógica da economia circular. As cordas criam um sistema de resfriamento passivo que permite sombra, ventilação natural e melhor conforto térmico.

"Nosso projeto para o Pavilhão Italiano lida com o que acredito ser o desafio mais importante da arquitetura hoje: promover a dupla convergência entre o natural e o artificial. Ele antecipa questões e sugere estratégias que serão cada vez mais cruciais para o futuro de nossas cidades à medida que abordamos as consequências da atual crise climática. O pavilhão continua se transformando em diferentes formas. Fala de reconfigurabilidade tanto a longo prazo, pela sua circularidade, como a curto prazo, graças à utilização de tecnologias digitais". - Carlo Ratti

© Michele Nastasi
© Michele Nastasi

Ao entrar no pavilhão, os visitantes são recebidos pelo “Solar Coffee Garden”, um café desenhado por CRA e Italo Rota para a empresa líder de café Lavazza. Dentro das salas de exposição, os visitantes exploram o Belvedere, uma estrutura redonda com uma cúpula, coberta por ervas selvagens dos Maquis mediterrâneos, que simbolizam os jardins renascentistas. A empresa de energia renovável TOLO Green possibilitou o tratamento ecológico do ar cultivando a microalga spirulina e biofixando o dióxido de carbono emitido pelos visitantes. A mostra também inclui um Espaço de Inovação dedicado à pesquisa tecnológica, as instalações digitais do Segundo Sol e da Segunda Lua da Enel X e o Teatro da Memória com uma cópia impressa em 3D do David de Michelangelo desenvolvido pelo Museu da Galleria dell 'Accademia de Florença e o Ministério da Cultura.

© Michele Nastasi
© Michele Nastasi

Outros materiais alinhados com a economia circular incluem pó de café e cascas de laranja, que eram usados para revestir os caminhos suspensos e as passarelas. A estrutura do pavilhão repousa sobre uma duna de areia de origem local, cinco metros acima do nível do solo. O percurso dentro do pavilhão é acompanhado por uma série de elementos verdes com mais de 160 espécies diferentes que vivem no interior do volume.

© Michele Nastasi
© Michele Nastasi

Acompanhe a extensa cobertura do ArchDaily na Expo Dubai 2020.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Stouhi, Dima. "Carlo Ratti Associati e Italo Rota exploram economia circular no Pavilhão da Itália na Expo 2020 Dubai" [Carlo Ratti Associati and Italo Rota Experiment with Circular Economy at Expo 2020 Dubai Italian Pavilion] 14 Out 2021. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/969908/carlo-ratti-associati-e-italo-rota-exploram-economia-circular-no-pavilhao-da-italia-na-expo-2020-dubai> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.