Desenhando para todos os corpos e pessoas

Desenhando para todos os corpos e pessoas

A deficiência e a variedade de corpos e pessoas deve ser um assunto estimulante para os arquitetos: trata-se da experiência vivida, da resolução de problemas e do design de um ambiente melhor construído.

Embora o tópico envolva a teoria crítica e as aspirações para a vida coletiva, muitas vezes é visto como um campo que requer o cumprimento de requisitos, ou pior, um assunto delicado repleto de termos desatualizados e hábitos de pensamento antiquados. As rotinas típicas de design nem sempre levam em consideração a variedade de corpos humanos.

Segundo Aimi Hamraie, professora associada de Medicina, Saúde e Sociedade e Estudos Americanos na Universidade de Vanderbilt, envolver as disciplinas de design com o tema da deficiência requer ativismo epistêmico:

Quando ativistas com deficiência entraram na profissão de arquiteto, eles mostraram que os arquitetos não projetam apenas edifícios, eles também projetam currículos, requisitos de licenciamento, pesquisas e campos de discurso que dão sentido ao seu trabalho.

Uma razão pela qual a deficiência não foi mais completamente integrada à educação em design é que ela geralmente não é formulada como um desafio estimulante. A necessidade de aderir a padrões e “caixas de seleção” pode incutir uma sensação de retidão sombria que sufoca o pensamento criativo sobre como fornecer acesso significativo.

Vale a pena refletir mais sobre por que os métodos usuais de design não atendem à variedade de corpos humanos. Durante o período em que as disciplinas de design foram profissionalizadas, não houve muitos esforços para permitir que pessoas com deficiência se tornassem designers ou – até recentemente – para reconhecer pessoas com deficiência como designers e inventores, mesmo quando tinham não teve formação profissional.

Provavelmente, isso se deve às longas histórias de centralização de corpos idealizados em disciplinas como arquitetura, e de histórias mais recentes de medição e padronização de corpos em áreas como o design industrial.

Corpos e o DeafSpace

Alguns exemplos interessantes da inserção dos olhares sobre corpos no design é o conceito de DeafSpace, uma abordagem da arquitetura que é principalmente informada pelas maneiras únicas como os surdos vivem e habitam o espaço.  A metodologia surgiu de oficinas na Galladeut University, a única universidade do mundo cujos programas são desenvolvido para pessoas surdas.

Nos encontros os usuários puderam expressar de forma clara, pontos importantes no espaço que já eram conhecidos por eles, mas que nunca haviam sidos descritos. Mais do que ser uma metodologia centrada na percepção visual, ela cria ambientes multissensoriais que facilita a mobilidade, expressa a identidade e aumenta o bem-estar.

Como não há um grande número de arquitetos surdos e profissionais de design, a DeafSpace até agora contratou especialistas em design, alguns dos quais são ouvintes, para traduzir a experiência vivida pelos surdos em recomendações

Conceitos do DeafSpace. Via: Gallaudet.edu
Conceitos do DeafSpace. Via: Gallaudet.edu

Os Surdos têm uma percepção visual que lhes conferem uma capacidade de leitura do ambiente através de características que por vezes não são percebidas pelos ouvintes, como movimento de sombras, vibrações e leitura de expressões faciais do outro.

O espaço em “360 graus” facilita essa orientação e a mobilidade do usuário. As Diretrizes do DeafSpacerecomendam várias táticas para estender o alcance sensorial, como projetar corredores de visão através e entre edifícios, e fornecer amplos vidros por dentro e por fora, para que entradas e funções sejam legíveis.

Complicadores como nicho

O escritório MASS Design Group se especializou em projetos na interseção de vários fatores complicadores, inclusive a deficiência. Sua premissa é projetar com foco na justiça e na dignidade humana.

Os projetos do MASS vão além das questões de uso e eficiência de energia, para projetar holisticamente o ecossistema do projeto, incluindo uma cadeia de suprimentos inteira que seja sustentável, resiliente e regenerativa.

Em 2020, o MASS foi nomeado o Inovador em Arquitetura do Ano pelo Wall Street Journal, pelos projetos na área da saúde e pelo design como um meio de cura. Em 2019, a Architect Magazine classificou o MASS em 4º lugar em Design e, em 2017, o MASS foi premiado com o Prêmio Nacional de Design em Arquitetura, concedido a cada ano pelo Cooper Hewitt, o Smithsonian Museum for Design.

O escritório inclusive participou de um concurso recente para reimaginar o campus da Gallaudet University por meio de uma compreensão sensorial intensificada do espaço e através do que o MASS chama de Arte Surda: o produção artística e cultural exclusiva da Cultura Surda.

Rwand Institue for Conservation Agriculture – Projeto do MASS. Cortesia de MASS
Rwand Institue for Conservation Agriculture – Projeto do MASS. Cortesia de MASS

Entre seus projetos encontra-se o Rwand Institute for Conservation Agriculture que é uma escola de agricultura famosa em Rwanda. O  campus da RICA  enfatiza a interligação da saúde ecológica, animal e humana. O campus e o currículo buscam reforçar esses princípios adotando uma abordagem interdisciplinar e experimental de aprendizagem, com um campus que promove a biodiversidade, a conservação ecológica e a participação da comunidade.

O que fazer?

Como profissão, a arquitetura pode fazer mais para incluir designers com habilidades variadas em suas fileiras, incorporando diferentes corpos, pessoas e causas às suas premissas e se desapegando dos conceitos estreitos do modernismo que padronizavam processos e construções como se todos os seres humanos existissem com as mesmas necessidades de vida.

Via Tabulla.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Marília Matoso. "Desenhando para todos os corpos e pessoas" 19 Set 2021. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/967485/desenhando-para-diferentes-corpos-e-pessoas> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.