Alison e Peter Smithson: a dupla que liderou o brutalismo britânico

Alison e Peter Smithson: a dupla que liderou o brutalismo britânico

O casal Alison (22 de junho de 1928 - 16 de agosto de 1993) e Peter Smithson (18 de setembro de 1923 - 3 de março de 2003) formaram uma parceria que conduziu o brutalismo britânico durante a segunda metade do século XX. Começando com um vocabulário de modernismo despojado, a dupla foi uma das primeiras a questionar e desafiar as abordagens modernistas de design e planejamento urbano. Em vez disso, eles ajudaram a evoluir o estilo para o que se tornou o Brutalismo, tornando-se defensores da abordagem "ruas no céu" para a habitação.

Alison e Peter Smithson
Alison e Peter Smithson

Nascido em Stockon-on-Tees, Peter começou a estudar arquitetura em Newcastle, então parte da Durham University, mas foi interrompido em seus estudos com a eclosão da Segunda Guerra Mundial. Alistando-se no exército e lutando como engenheiro na Índia e na Birmânia, ele conheceu Alison Gill ao retornar à Universidade de Durham depois do fim da guerra. Após a conclusão do curso de arquitetura de Alison, os dois se casaram em 1949 e inicialmente ingressaram no departamento de arquitetura do London County Council, então encarregados de uma ampla gama de poderes que incluía planejamento urbano e habitação social.

The Economist Building. Imagem © <a href='https://www.flickr.com/photos/seier/5426468934/'>Flickr user seier</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
The Economist Building. Imagem © Flickr user seier licensed under CC BY 2.0

A interrupção da guerra levou a grandes mudanças na sociedade que deram aos Smithsons uma chance. Uma nova expansão da educação após a aprovação do Butler Education Act de 1944 criou uma forma inteiramente nova de escola; o Secondary Modern. O baby boom e este novo sistema escolar exigiram novos edifícios educacionais arquitetonicamente arrojados em grande escala - ganhando a comissão ainda na casa dos vinte anos, os Smithsons foram capazes de usar o impulso para estabelecer sua própria prática. A Escola Hunstanton, um edifício formal totalmente despojado, atraiu imediatamente a atenção dos críticos por seu plano resolutamente formal e por ir contra o método prevalecente de edifícios escolares modulares facilmente replicáveis. A construção foi, no entanto, um sucesso pragmático e relativo, provando ser barato, bem planejado e popular entre os funcionários, embora graves problemas com vidros e aquecimento surgissem com o tempo.

Robin Hood Gardens. Imagem © <a href='https://www.flickr.com/photos/stevecadman/2361178047'>Flickr user stevecadman</a> licensed under <a href=https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>CC BY-SA 2.0</a>
Robin Hood Gardens. Imagem © Flickr user stevecadman licensed under CC BY-SA 2.0

Usando o recurso do projeto do Hunstanton, o casal se junta ao Team X desafiando o modernismo de dentro do Congrès International d'Architecture Moderne (CIAM) e formam sua própria filosofia de projeto. Os Smithsons ajudaram a formar os princípios centrais do Brutalismo: modularidade de baixo custo, foco material, e pureza. Para eles, o mais importante era que os edifícios refletissem seus habitantes e localização, que fomentassem sua comunidade: o Modernismo com um rosto humano. Ambicioso e desafiadoramente vanguardista, o impacto da dupla no cenário arquitetônico da Grã-Bretanha foi enorme.

Desenho para Robin Hood Gardens by Alison e Peter Smithson
Desenho para Robin Hood Gardens by Alison e Peter Smithson

Criando projetos sensivelmente pensados, mas radicais para seus clientes de alto nível, incluindo a sede do Economist, a Embaixada Britânica em Brasília, um novo prédio no St Hilda's College da Universidade de Oxford e uma casa de plástico produzida em massa para a Exposição da Casa Ideal de 1956 , a dupla então mudou-se para o que eles esperavam que fosse uma referência do morar moderno: a Robin Hood Gardens de 1972. Na esperança de que suas "ruas no céu" pudessem combinar a comunidade das favelas vitorianas com a eficiência e densidade dos blocos habitacionais de Le Corbusier, o conjunto tornou-se conhecido por problemas estruturais e um índice de criminalidade incapacitante, e encerrou a carreira pública do casal. Apesar disso, os Smithsons continuaram trabalhando silenciosamente durante a década de 1980 e nunca pararam de defender seus projetos.

Garden Building, St Hilda's College, Oxford University. Imagem © <a href='https://www.flickr.com/photos/stevecadman/3414623599/'>Flickr user stevecadman</a> licensed under <a href=https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>CC BY-SA 2.0</a>
Garden Building, St Hilda's College, Oxford University. Imagem © Flickr user stevecadman licensed under CC BY-SA 2.0

Saiba mais sobre a polêmica em torno do projeto Robin Hood Gardens aqui. Descubra mais vídeos sobre o trabalho de Alison e Peter Smithson abaixo.

Alison And Peter Smithson On Housing

The Story Behind the Brutalist Icon: Economist Plaza

Alison and Peter Smithson's Robin Hood Gardens

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Goodwin, Dario. "Alison e Peter Smithson: a dupla que liderou o brutalismo britânico " [Alison and Peter Smithson: The Duo that Led British Brutalism] 22 Jun 2021. ArchDaily Brasil. (Trad. Martino, Giovana) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/963607/alison-e-peter-smithson-a-dupla-que-liderou-o-brutalismo-britanico> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.