A transição arquitetônica de Berlim para o pós-modernismo

A transição arquitetônica de Berlim para o pós-modernismo

A exposição Anything Goes? Da Berlinische Galerie relata como um pós-modernismo global e contraditório se enraizou em ambos os lados do Muro de Berlim na década de 1980. Florian Heilmeyer, em seu texto originalmente publicado na Metropolis, discute a ambiciosa exposição que consegue olhar simultaneamente para os dois lados da cidade alemã da época.

A década de 1980 em Berlim foi uma década estranha: a cidade em ambos os lados do muro era escura, cinza, em grande parte vazia e estranhamente lenta - como se estivesse exausta de décadas da Guerra Fria - e ansiava por algo novo. Até David Bowie e Iggy Pop tinha ido embora. Finalmente, o muro caiu em 1989, encerrando não apenas a década, mas, como alguns dizem, um abreviado século XX na Alemanha.

Uma ambiciosa exposição na Berlinische Galerie agora se propõe a redescobrir a arquitetura da cidade dos anos 80, nas metades leste e oeste da cidade. Isso é algo raramente feito, já que, a Alemanha Oriental e Ocidental são comumente examinadas como unidades separadas. Mas Anything Goes? Berlin Architecture in the 1980s prova que olhar simultaneamente para as duas metades da cidade pode ser libertador e enriquecedor. Acima de tudo, o pós-modernismo não parou na fronteira, como a exposição prova com maestria: Podemos vê-lo florescer em Berlim Ocidental e Oriental quase ao mesmo tempo.

Um empreendimento comercial em Marzahn, Berlim Oriental, por volta de 1988. Imagem Cortesia de Berlinische Galerie
Um empreendimento comercial em Marzahn, Berlim Oriental, por volta de 1988. Imagem Cortesia de Berlinische Galerie

A exposição começa com uma retrospectiva dos anos 1970, quando a crescente decepção com o modernismo do pós-guerra impeliu novas alternativas em ambos os lados do Muro. As pessoas redescobriram as qualidades encantadoras e em escala humana das cidades antigas, e arquitetos e planejadores urbanos logo as seguiram. A exposição apresenta alguns dos primeiros projetos-piloto para uma modernização mais social e arquitetonicamente sensível de áreas históricas em Berlim Oriental e Ocidental, bem como algumas ideias mais radicais de O.M. Ungers ou Smithsons que transformaram artefatos históricos díspares da cidade devastada pela guerra em características principais, criando paisagens urbanas de diferenças alegres e ecléticas. Por mais diferentes que as propostas pareçam, todas compartilham um desacordo fundamental com a crença modernista do planejamento. Em vez disso, elas promoveram a redescoberta e a valorização das estruturas históricas da cidade.

The Gendarmenmarkt, ao longo de uma rota de registros sonoros. Imagem© Ludger Paffrath
The Gendarmenmarkt, ao longo de uma rota de registros sonoros. Imagem© Ludger Paffrath

Este cenário dá o tom para o resto da exposição. A década de 1980 em Berlim é apresentada como uma época de experimentação arquitetônica e urbanística - sob o pós-modernismo - que buscou novas maneiras de lidar com o que já existia e o que estava perdido. A exposição está baseada em contradições, pois apresenta toda a gama de projetos. Em Berlim Oriental, isso se estende da construção em andamento de alojamentos pré-fabricados em grande escala em áreas periféricas como Marzahn até as reconstruções mais historicistas ao longo da Unter den Linden ou ao redor do Gendarmenmarkt e, claro, Nikolaiviertel, que foi reconstruído em 1980-1987 de uma forma criativa, estilo engraçado que se poderia ser chamado de pós-modernismo pré-fabricado. A exposição inclui um modelo incrível das plantas oficiais para reconstruir a Friedrichstrasse no mesmo estilo - um projeto que acabou morrendo com o colapso da GDR.

Os empreedimentos em Berlim Ocidental se concentram principalmente nos projetos da Internationale Bau-Ausstellung (IBA), um evento que conseguiu atrair a cena da arquitetura ocidental para Berlim, incluindo John Hejduk, Charles Moore, Peter Eisenman, James Stirling, Frei Otto, Zaha Hadid, Raimund Abraham e Arata Isozaki. Enquanto as ideias no Oriente eram dirigidas pelo Estado - e, portanto, em grande escala e vinculadas a uma enorme indústria pré-fabricada - os projetos no Ocidente são mais focados na pequena escala. Mas o ponto interessante é que a Anything Goes? mostra que os projetos em ambos os lados do Muro de Berlim estavam fundamentados no mesmo tema pós-moderno: como transformar o centro da cidade em um lugar animado e atraente novamente.

O conjunto habitacional Spitteleck, inserido num projeto da Guerilla Architect para a exposição que revisita blocos residenciais da época. Imagem © Phil Dera
O conjunto habitacional Spitteleck, inserido num projeto da Guerilla Architect para a exposição que revisita blocos residenciais da época. Imagem © Phil Dera

É valioso redescobrir alguns desses projetos em uma história de 40 anos analisada pela exposição. Alguns são sobre estética e estilo, mas os mais interessantes são sobre ecologia da cidade, autoconstrução, empoderamento dos residentes e participação. Os curadores apresentam a década de 1980 (e, portanto, o pós-modernismo) como uma época de complexidades e contradições, debates animados e experimentos construídos. Isso se deve às crises gêmeas da época: a crise do Modernismo que tornou necessário buscar alternativas e a crise da Guerra Fria que transformou as duas metades de Berlim em “vitrines” de seus respectivos sistemas políticos. A situação arquitetônica suportava o paradoxo, desfrutando comparativamente de mais liberdade na década de 1980, embora a cidade ainda estivesse brutalmente dividida por uma parede de concreto. A liberdade para testar novas ideias nunca foi tão grande após a queda deste muro, quando a arquitetura se viu cada vez mais presa ao conceito oficial de uma reconstrução pseudo-histórica baseada em mapas e desenhos do século XIX. Anything Goes? deixa bem claro: há muitos fios esquecidos da década de 1980 aos quais a arquitetura contemporânea - em Berlim e além - pode e deve se reconectar.

Para aqueles que não podem ir fisicamente a Berlim no momento, o site da exposição é quase tão exaustivo quanto a exposição em si, com vídeos, passeios virtuais por Berlim e entrevistas com os habitantes – sem mencionar um catálogo esplêndido com 232 páginas de ensaios, fotos e desenhos dessas aventuras pós-modernas nas duas Berlims da década de 1980.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Heilmeyer, Florian . "A transição arquitetônica de Berlim para o pós-modernismo" [Berlin’s Architectural Transition to Postmodernism Gets an Overdue Examination] 21 Mai 2021. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/961865/a-transicao-arquitetonica-de-berlim-para-o-pos-modernismo> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.