Atelier Marko Brajovic desenvolve projeto na Amazônia que explora o potencial da biofilia e da quarta revolução industrial

Atelier Marko Brajovic desenvolve projeto na Amazônia que explora o potencial da biofilia e da quarta revolução industrial

Conhecido por seus projetos que se localizam no território de sobreposições entre pesquisa, design, biomimese e sustentabilidade, o Atelier Marko Brajovic desenvolveu recentemente uma proposta para os Laboratórios Criativos da Amazônica, um conjunto de bioesferas compostas por estruturas geodésicas inspiradas pela geometria interna do fruto do cacau. O projeto está alinhado às premissas e propósitos da iniciativa Amazônia 4.0, que visa agregar as potencialidades econômicas da sociobiodiversidade amazônica às novas tecnologias e possibilidades que emergem da Quarta Revolução Industrial.

Cortesia de Atelier Marko BrajovicCortesia de Atelier Marko BrajovicCortesia de Atelier Marko BrajovicCortesia de Atelier Marko Brajovic+ 12

Do escritório:
Estava subindo de barco pelo rio Tapajós quando um engenheiro agrônomo, especializado em agroecologia, me sinalizou uma série de árvores de grande porte no horizonte e comentou; “essas são castanheiras plantadas por civilizações indígenas, possivelmente praticada há 10.000 anos atrás. Passei o resto da viagem, remodelando as minhas cognições sobre a ecologia, entendendo que de fato, existia já dos tempos ancestrais uma prática produtiva de coexistência mutualista entre ser humano e bioma amazônico. Finalmente a minha visão de ativismo binomial, conceito geral que já se demonstra totalmente ineficaz e obsoleto na dialética entre preservar sem interferir ou interferir sem preservar, se moldou num terceiro caminho de entender a possibilidade da atividade humana em convivência simbiótica e regenerativa com a Natureza.

Cortesia de Atelier Marko Brajovic
Cortesia de Atelier Marko Brajovic

Uma década depois aprendi que esse pensamento já foi amplamente desenvolvido e se chama; “Terceira Via Amazônica" o qual principal objetivo é fornecer conhecimento baseado em ciência, tecnologia, inovação e planejamento estratégico para o desenvolvimento de uma economia de floresta em pé com rios fluindo, uma bioeconomia movida pela rica biodiversidade Amazônica. 

Para operar essa inovadora transformação foi idealizada a iniciativa Amazônia 4.0 pelo pesquisador Dr. Carlos Nobre do Instituto de Estudos Avançados da USP, visando agregar as potencialidades econômicas da sociobiodiversidade Amazônica às novas tecnologias e possibilidades que emergem da Quarta Revolução Industrial. Diz respeito à ampla utilização de tecnologias modernas desta revolução industrial em curso-a junção de tecnologias digitais, biotecnologias e ciências dos materiais. Tal diferencial impulsiona os “ecossistemas de inovação”, as associações planejadas de (1) conhecimento avançado, tanto científico quanto tradicional, (2) novos tipos de negócios e consumidores e (3) novas formas de produção e equipamentos inteligentes, trazidos pela Quarta Revolução Industrial. 

Cortesia de Atelier Marko Brajovic
Cortesia de Atelier Marko Brajovic

Porém foi somente no ano de 2020, quando assisti uma apresentação online do Dr. Carlos Nobre, que entendi como poderíamos ajudar. Sob o paradigma da Terceira Via Amazônica estava se falando na live de um projeto concreto, altamente tecnológico e integrado com processo formativos e produtivos com as comunidades e os povos da floresta amazônica chamados os “Laboratório Criativo da Amazônia (LCA)”. Estruturas portáteis e itinerantes que viajarão pela Amazônia promovendo a capacitação de populações no uso de novas tecnologias em cadeias produtivas existentes e principalmente para geração de novos usos e produtos a partir dos ativos biológicos e biomiméticos da floresta. 

No mesmo dia mandei um email para o Dr. Nobre oferecendo uma cooperação do Atelier Marko Brajovic para desenvolver a infraestrutura arquitetônica dos Laboratórios Criativos da Floresta. Pois os nossos estudos, projetos atuais na Amazônia e experiência na construção e logística no local, poderiam ser úteis na criação de um projeto inovador alinhado com as premissas e propósitos do projeto da Amazônia 4.0.

Cortesia de Atelier Marko Brajovic
Cortesia de Atelier Marko Brajovic

O programa da biofábrica LCA C-C (Cacau-Cupuaçu) foi apresentado pelo coordenador Dr. Ismael Nobre e seu equipe, onde a infraestrutura precisava fornecer os ambientes abrigados necessários para todo o processo de capacitação, compostos seis módulos: Casa de Fermentação, Estufa e Secagem Solar, Laboratórios de Produção (Biofábrica), Oficina de Modelagem 3D, Plenária e Centro de Comunicação e Energia. O módulo Laboratório de Produção concentra os equipamentos e tecnologias que produzem os produtos da cadeia e terá 3 ambientes fechados e conjugados; quente normal, quente asséptica e refrigerada asséptica.

Após quatro meses de pesquisa e desenvolvimento nas áreas de processo de produção, materiais, tecnologias e sistemas construtivos, logística, biomimética e arquitetura indígena, chegamos num conceito arquitetônico entendido no contexto metabólico do fluxo da energia, matéria e informação no sistema da Biosfera. Onde tudo está em tudo, as paredes viram membranas e as construções casulos temporários, veículos em metamorfose interdependentes e multi-específicos da produção regenerativa humana.

Cortesia de Atelier Marko Brajovic
Cortesia de Atelier Marko Brajovic

O projeto de arquitetura metabólica dos Laboratórios Criativos da Amazônica manifesta uma visão orgânica da arquitetura, a qual transcende a dialética romântica do natural/artificial. A nossa proposta expande a visão mecanicista para uma “ecologia aumentada” a qual envolve e integra o mundo biótico e abiótico, a fibra e o plástico, a tecnologia construtiva ancestral e futura. Para esse movimento arquitetônico criamos o conceito de “Futurismo Ancestral”.

A arquitetura composta por elementos modulares se instala com leveza sobre o solo, adaptando-se à operação logística e contexto natural/artificial. Módulos que se montam e desmontam em componentes multifuncionais e transportáveis. A implantação da arquitetura se inspira na tipologia das aldeias indígenas, criando percursos e áreas que favorecem o fluxo da multiplicidade dos processos, produtos, energia, água, funcionários, convidados e comunidade de forma clara e visualmente permeável.

O segundo tema que inspirou o processo criativo da formação espacial dos módulos foi a organização do fruto do cacau na ordem das sementes, membranas e geometrias.

Cortesia de Atelier Marko Brajovic
Cortesia de Atelier Marko Brajovic

Os módulos, por sua vez, se baseiam no sistema estrutural geodésico composto de conectores de aço e um segundo sistema independente de divisão das áreas funcionais internas. Finalmente, as membranas que revestem os módulos das estruturas geodésicas são pensadas de forma multi-funcional permitindo o controle da incidência térmica do sol, ventilação natural e impermeabilidade a partir de diferentes características de camadas dos polímeros. O metabolismo da implantação gera o programa produtivo, formativo, energético, operacional e regenerativo. 

Ficha Técnica

  • Projeto: Atelier Marko Brajovic
  • Diretor de criação:Marko Brajovic
  • Diretor de projeto: Bruno Bezerra
  • Coordenador de projeto: Mayra Shinzato
  • Arquitetos colaboradores: Lucas Bio, Paula Thyse
  • Design Gráfico: Bárbara Morais
  • Cliente: Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia - IMAZON e Centro de Empreendedorismo da Amazônia

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Romullo Baratto. "Atelier Marko Brajovic desenvolve projeto na Amazônia que explora o potencial da biofilia e da quarta revolução industrial" 05 Jun 2021. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/961649/atelier-marko-brajovic-desenvolve-projeto-na-amazonia-que-explora-o-potencial-da-biofilia-e-da-quarta-revolucao-industrial> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.