O valor da experiência não-tradicional: como nossa profissão evoluiu para tornar a arquitetura melhor

O valor da experiência não-tradicional: como nossa profissão evoluiu para tornar a arquitetura melhor

O papel do arquiteto nem sempre foi o que é hoje. Historicamente, e quase desde o seu início, era visto como um “show de um homem só”, onde o arquiteto era o artista, o escultor e o visionário de uma estrutura. À medida que a prática continuou evoluindo, ela se tornou uma profissão muito mais colaborativa e muito menos individualista por natureza, compreendendo continuamente a importância de considerar as perspectivas externas - mesmo aquelas tradicionalmente não treinadas dentro da arquitetura.

Apenas alguns séculos atrás, a arquitetura dificilmente era considerada uma profissão. Foi ensinada na forma de um aprendizado, e era algo que só poderia ser aprendido seguindo outros arquitetos que estavam dispostos a orientar você - semelhante a um ferreiro medieval. À medida que o valor estético das obras aumentava com o tempo, os membros da classe alta foram treinados para se tornarem arquitetos e designers sem quaisquer padrão ou diretriz formal. Avancemos para o século XX, onde o surgimento do “starchitect” nasceu com a rotulação de um "gênio solitário" que é o nome famoso responsável pela visão de um edifício por meio de sua manifestação como uma estrutura construída. Essas pessoas agem como as figuras centrais de seus respectivos projetos e, muitas vezes, foram creditadas com o sucesso de uma obra, alcançando rapidamente a fama individual. Pense em Frank Lloyd Wright ou Mies van der Rohe - seus nomes são tão frequentemente associados a seus projetos que você precisa de um segundo para lembrar que suas noções estilísticas e as personalidades que brilham em suas estruturas prolíficas foram criadas por uma equipe de pessoas, não apenas o homem ou a mulher no centro das atenções.

© Todd Mason
© Todd Mason

No entanto, os dias atuais talvez tenham visto não apenas a “morte” do “starchitect”, mas a mudança de percepção na qual a arquitetura é melhorada quando diferentes perspectivas e habilidades são trazidas para a prancheta. Os edifícios são criados para elevar a experiência humana e invocar os sentidos de uma forma que desenvolva memórias poderosas. Mas a arquitetura não é a única profissão que se considera especialista neste domínio. À medida que o mundo se torna cada vez mais hiperconectado e colaborativo por natureza, a profissão começou a compreender o valor em seguir essa tendência, apresentando analistas de dados, psicólogos, designers gráficos e até mesmo administradores de saúde e outros trabalhadores para atuarem como especialistas no processo de projeto.

via Life of an Architect
via Life of an Architect

O campo da psicologia por si só teve impactos massivos na forma como projetamos edifícios. Em um artigo compartilhado pela AIA, psicólogos ambientais estão frequentemente servindo como consultores em tipos de projetos muito específicos, especialmente em edifícios que precisam considerar certos grupos - crianças, enfermos, idosos, deficientes. “Psicólogos ambientais têm sido capazes de fornecer evidências baseadas em dados para decisões de projeto e planejamento”, de acordo com Setha Low, professora de psicologia ambiental da City University of New York. E, embora esses consultores possam não estar envolvidos no processo de projeto, eles têm a capacidade de tornar o processo colaborativo mais holístico e fornecer à equipe de arquitetura um conjunto de conhecimentos que tornará seu projeto multidimensional. No projeto de uma sala de aula, os arquitetos sabem como criar as proporções, o projeto de iluminação, a acústica e as cores perfeitas. Mas, neste caso, o que os psicólogos fornecem é a pesquisa baseada em dados e os resultados comprovados que ajudarão os arquitetos a tornar as salas de aula melhores, permitir que os alunos estejam mais atentos e prosperem em seus ambientes.

© Arch-Exist
© Arch-Exist

Pode-se argumentar que a arquitetura está no seu melhor quando a experiência vai além da própria estrutura física atingindo os pequenos elementos que são introduzidos pela variedade de perspectivas e diversidade de habilidades necessárias para tornar a arquitetura um sucesso. Não são apenas os arquitetos que dão vida a projetos memoráveis, mas os esforços colaborativos feitos por arquitetos e não arquitetos.

Este artigo é parte do Tópico do ArchDaily: Arquitetura Multidisciplinar. Mensalmente, exploramos um tema específico através de artigos, entrevistas, notícias e projetos. Saiba mais sobre os tópicos mensais. Como sempre, o ArchDaily está aberto a contribuições de nossos leitores; se você quiser enviar um artigo ou projeto, entre em contato.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Overstreet, Kaley. "O valor da experiência não-tradicional: como nossa profissão evoluiu para tornar a arquitetura melhor" [The Value in Non-Traditional Expertise: How the Design Profession Has Evolved to Make Architecture Better] 29 Mai 2021. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/961494/o-valor-da-experiencia-nao-tradicional-como-nossa-profissao-evoluiu-para-tornar-a-arquitetura-melhor> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.